Sinais da retirada

Parece que Marcelo Madureira, o “morista” posto a correr na manifestação de ontem em Copacabana não será o último a ser levado para fora do bolsonarismo.

A divulgação, pelo ministro da Justiça, de ofício enviado a Paulo Guedes, dizendo que a previsão orçamentária apresentada pelo Ministério da Economia, “representa significativa redução no orçamento deste Ministério, resultando em alarmante cenário de inviabilização de políticas públicas de segurança, cidadania e justiça essenciais para a sociedade brasileira”.

Ou seja, que não terá dinheiro para a segurança pública:

“O presente cenário irá gerar grande prejuízo aos programas que visam desarticular organizações criminosas envolvidas com o tráfico ilícito de entorpecentes, para a manutenção do Sistema Nacional de Informações de Segurança Pública, Prisionais, de Rastreabilidade de Armas e Munições, de Material Genético, de Digitais e de Drogas (Sinesp) e para o repasse obrigatório de recursos do Fundo Nacional de Segurança Pública para os Estados, dentre outras tantas ações”.

Nada melhor que alegar que não tem dinheiro para a segurança para se por no papel de vítima de uma “traição” de Bolsonaro à sua anunciada prioridade das prioridades de governo.

Bolsonaro não se fez de rogado: ontem, publicou um “lembrete amigo” de que Moro não esteve com ele durante a campanha e soltou uma história, hoje, de que se está preparando uma denúncia sobre pessoa ligada a ele.

Como sempre, Bolsonaro vai usar a alegação de sabotagem para explicar sua queda de popularidade. Moro, ao que parece, está escolhendo o mesmo caminho.

 

 

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

21 respostas

  1. grande injustiça de Bolsonaro alegar que Moro não estava com ele durante a campanha. Coube a Moro impedir que o principal adversário do capitão, e favorito na disputa, participasse do pleito. Coube a Moro, nas vésperas da eleição, vazar delação para atrapalhar o principal adversário. Muita ingratidão do Bolsonaro. Se contabilizar, Moro fez mais para eleger Bolsonaro do que Carluxo.

  2. Moro está em campanha político eleitoreira desde que a lava jato começou a botar as manguinhas de fora contra o PT. Agora vai tentar rifar o bozo e se bandear para o time dos doria, frota, etc. Se vai dar certo, só deus sabe. Mas do jeito que a população brasileira anda emburrecendo em velocidade galopante, tudo é possível.

  3. Semana pasada circulou a notícia por portais da mídia canalha ,do escasso uso dos recursos destinados a Moro,o criminoso,.
    Talvez fosse uma preparação para mais um corte das asas do marreco ,que agora só caminha ferido de morte direto para o matadouro bolsonarista.
    A vida do delinquente de Maringá não está fácil,longe dos sonhos de herói supremo da nação,o dia a dia dele se resume em levar porrada de um lado e do outro.
    Se colhe o que se semeia .Na verdade,devería colher uma bela azeitona pelo seu trabalho para uma potência estrangeira em prejuízo do Brasil.

      1. “A intenção deles era mostrar ao presidente Jair Bolsonaro que apoiam suas ideias de “afrouxar” a fiscalização do Ibama e quem sabe conseguir o perdão das multas pelas infrações cometidas ao Meio Ambiente. O documento do Ministério Público que alertou o governo sobre o dia do fogo, ao qual a Revista Globo Rural teve acesso, também cobrava um plano de contingência do Ibama em caso de “confirmação do referido evento”. O plano de realizar as queimadas, agendado para o dia 10, foi divulgado pelo jornal Folha do Progresso, de Novo Progresso…
        O documento, assinado por Roberto Victor Lacava e Silva, gerente executivo substituto do Ibama, também destaca que já haviam sido “expedidos ofícios solicitando o apoio da Força Nacional de Segurança”. O Ibama afirma ainda que não havia tido resposta sobre o pedido. O MPF do Pará relata que funcionários do Ibama vinham sofrendo ataques por parte de madeireiros e grileiros, sem contar com proteção policial…”

        https://revistagloborural.globo.com/Noticias/Politica/noticia/2019/08/governo-foi-alertado-pelo-ministerio-publico-tres-dias-antes-de-dia-do-fogo.html

  4. O Bozo-miliciano-pai e seu clã criminoso, assim como outros comparsas (de fardas, de coturnos, de paletó e gravata, etc.), estão fazendo com o ex-juiz lavajateiro o que os chefes mafiosos costumam fazer com aqueles que não servem mais ao propósito da “ORCRIM”; a diferença é que, em vez da morte biológica direta, por meio de execução sumária executada por matadores experientes ou atentados meticulosamente planejados e calculados, o Bozo-miliciano-pai e suas quadrilhas mais próximas resolveram cometer primeiro o “assassinato moral e político” do torquemada araucariano. Só há bandidos nessa história, bem sabemos.

  5. O Conge Moro é funcionário do Partido Democrata do U$A.
    O Pateta Bosalnaro é funcionário do Partido Republicano do U$A.
    O Conge, possivelmente, cairá, em Miami, mas, terá um “paraquedas dourado” …
    O Pateta, possivelmente, cairá em Bangú, sem paraquedas …
    O General Retirado do U$ Army, Gorila Mourão, vem aí … (possivelmente, se, o Tio Sam quiser).
    TáOkey ???
    Ou, não !!!

  6. Que conveniente para as milicias a falta de dinheiro para a desarticulação do crime organizado, rastreamento de drogas e armas… Bolsonero, dia-a-dia, vem entregando o país as milicias. Urge tirá-lo de lá.

  7. Eu daria um facão para cada um, informaria que ambos ofenderam a mãe do outro, colocaria eles numa sala sem janelas, apagaria a luz, passaria a chave porta e jogaria ela num boeiro.
    E diria antes de sair:
    POR FAVOR NÃO ESTRAGUEM OS MÓVEIS.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.