‘Suspensão’ de candidatura é conversa para boi dormir, Ciro

Não é crível que a liderança da bancada do PDT na Câmara tenha fechado um acordo com o governo e Arthur Lira sem o conhecimento do presidente do partido, Carlos Lupi, ou do seu futuro candidato a presidente, Ciro Gomes.

Faz tempo que inventaram o telefone, a internet e, pelo menos, os aplicativos de mensagem. Nem um zap, mesmo se tratando de uma decisão crucial para o governo do qual o partido é oposição?

Por isso, não dá para levar muito a sério esta história de que Ciro vai “suspender” sua candidatura. O que é “suspender” uma candidatura extra-oficial e sem os mecanismos próprios de comunicação de uma campanha (rádio, tv, impressos, material de campanha em geral).

Não é nada, senão uma frase de efeito para os tolos, porque nem mesmo vai se trancar em casa e não fazer visitas, palestras, entrevistas e tudo o mais que, nesta fase, é “campanha”.

Diz que fica “suspenso” até que os meninos governistas que emporcalharam o PDT mudem de ideia e, na votação de segundo turno, “votem direitinho” e passem na “segunda época”.

Além de inverossímil, a explicação de Ciro, se for verdadeira, indica uma completa incapacidade política de agregar e dirigir. Como não saber que algo tão grave está se passando dentro de uma bancada de apenas 25 deputados, dos quais 21 estiveram na votação e 15 aderiram a Bolsonaro?

Mesmo que pretenda, não vai “consertar” o governismo de mais da metade dos deputados de sua base. Brizola, a quem repugnaria uma atitude destas do partido que criou e organizou nacionalmente lembrava sempre do dito gaúcho de que “cachorro que comeu ovelha não tem mais jeito.

Pois é, deputado que comeu emenda também não.

Aliás, vejam que vergonha as bancadas dos outros candidatos da 3ª via: governismo escancarado.

 

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.