Tem batata na chaleira no negócio do apartamento?

“Olha, tem batata nesta chaleira”, dizia o velho Brizola quando uma história que lhe era contada parecia “não bater”.

A “história plausível” sobre a venda do apartamento por Flávio Bolsonaro, confirmada pelo comprador, Fábio Guerra, continua esbarrando em diversas inconsistências que, até agora, a imprensa não foi capaz de levantar, mesmo com as entrevistas do senador eleito e do ex-jogador de vôlei que fez negócios com ele.

Pela escritura, a compra do apartamento “na planta” em Laranjeiras  foi em dezembro de 2016, e o valor de R$ 1,7 milhão. A venda, pela qual teria sido pago o “sinal”no dia 24 de março de 2017, por R$ 2,4 milhões. Uma valorização de 41% em quatro meses, algo extraordinário.

Nem no boom imobiliário, que dirá nos piores momentos da crise.

De qualquer forma, as guias de pagamento do ITBI emitidas pela Prefeitura podem confirmar se houve tal variação de preço, pois o cálculo, hoje, é pelo valor de mercado.

Segundo, como levantou a Globo hoje, no Jornal Nacional, a escritura, lavrada em agosto, não detalha a forma de pagamento do sinal que, em tese, foi pago em março, no contrato de intenção de compra, embora seja incomum que não se pague o sinal nesta ocasião, até porque a desistência obriga a devolução em dobro ou a perda do pagamento.

Terceiro, que o comprador “não se lembra” de quanto pagou em dinheiro como parte da compra, a teor do que disse, da própria boca, ao JN:

“Dei o dinheiro em espécie. A média foi isso aí. Não posso falar ao certo, porque de repente foi 70, 80, foi 120, 110, entendeu, mas a média foi isso aí mesmo. O resto foi tudo depósito”.

Qualquer repórter mediano teria imediatamente perguntado: “o senhor não lembra quanto pagou em dinheiro?”

Qualquer habitante da Terra, tendo de pagar em grana viva “70, 80,  120, 110″ mil reais lembra perfeitamente de quanto foi.

Igual também não se perguntou porque ele pagou em dinheiro, aceitando-se passivamente que “alguém” pagou este valor em espécie também.

Em se tratando de pessoas de boas posses, aptas a fazer negócios no valor de milhões, é crível que não tenham contas bancárias?

Como o dinheiro vivo foi levado a Flávio Bolsonaro? Em casa, na Assembléia, por portador? Ninguém anda com R$ 20 mil ou R$ 30 mil no bolso ou na pasta sem cuidar de sua segurança. Dois ou três mil reais em dinheiro no bolso já deixam qualquer um de nós com os cabelos em pé.

Desde o início desta história, as explicações são sempre parciais e duvidosas.

Fabrício Queiroz disse na entrevista ao SBT que não daria detalhes por “respeito ao Ministério Público”, a quem entregaria os papéis. À Record, Flávio Bolsonaro disse o mesmo sobre os contratos e escrituras que, supostamente, exibia, mas que fez questão de tirar do alcance no momento em que o repórter fez menção de pegá-los.

Se tudo estiver correto, nada melhor que exibir os papéis.

Se não estiver, acontecerá como em toda história montada: vai se afundar em contradições.

Porque, quando se abre a tampa, aparece a batata que estava na chaleira.

 

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

30 respostas

  1. Diretor de vendas de uma grande imobiliária aqui em Florrripa disse-me que recebeu malas com até R$ 500 mil em grana viva por terrenos no bairro chique na Ilha…
    Bostonauros são até patéticos.

  2. Essa história fede…fé de muito! Qual o número da versão? 4, 5, 6? Fede…

  3. Se o brazil tivesse uma imprensa minimamente interessada em fazer jornalismo e uma justiça interessada em fazer valer a lei, ao invés de fazer justissa com as próprias mãos, toda a família do Queiroz e do bozo já teriam sido chamadas pra depor.

    1. foram chamados, sim, companheiro. Não compareceram, não deram satisfação (exceto o Queiroz, que se internou no Posto Einstein) e ninguém se lembrou de uma coercitiva.

    2. foram chamados, não compareceram e ficou por isso mesmo

      necas de coercitivas – isso é só pra PTistas

  4. “Bolsonaro tem pelo menos cem frases que inabilitam para a vida pública”. Lembro desta frase do Haddad na sabatina da TVE Bahia durante a campanha de 2018. Ele foi eleito, apesar das frases desumanas ditas muito em função da naturalização da imprensa brasileira. O fascismo alcançou o poder no Brasil e a imprensa hegemônica tem muita responsabilidade nisso

  5. O “pobrema” aqui é a burrice e a safadeza. Eu tenho uma regra de vida e sempre que a quebrei me arrependi, não faço negócio nem com burro, nem com safado.
    Também costumo comentar que se você estiver diante a uma escolha inevitável escolha o safado. Desse você sabe o que esperar. Já do burro qualquer coisa é possível esperar e o inesperado, o impensável e o absurdo virão para surpreender-te. É o caso.

  6. Pois é: não perguntaram a fabio guerra quem teria lhe pago em dinheiro nem perguntaram se ele ou um portador teria levado o dinheiro até bolsonaro…E nesse imbroglio só tem nome de gente começando com “F” : fabio guerra, flavio bolsonaro, fabricio queiroz… bom lembrar que falcatrua também começa com F.

  7. Na hora em que todos os entendimentos estiverem realizados, a Globo joga o Adélio no ventilador e derruba o Bolsocoiso. A Globo trata com generais, não com capitãezinhos…

  8. Estou mais confusa que a história do filho: primeiro ele disse que os depósitos eram feitos pelos funciona´rios da loja da qual ele tem franquia. Aí já fica esquisito, pq não me consta que haja shopping nas imediações da alerj. Mesmo que fosse verdade, pq alguém sairia de algum shopping, seja na Tijuca, Leblon ou Barra pra ir depositar na alerj. Agora aparece o comprador do apartamento. Onde estava até agora? E o problema, na realidade, não é ele ter vendido, o que qq proprietário ´pode fazer e receber como quiser, parcelado, em coquinhos, picolé ou mesmo $. A questão é como comprou, como conseguiu um patrimônio milionário com o salário de deputado + faturamento de uma franquia. É muita competência no gerenciamento de sala´rio. Podia lançar umas apostilas, ensinando pra gente essa técnica de sucesso. Mais uma fonte de renda

    1. quanto mais falam mais se afunda na lama da mentira
      espero que o povo perceba isso

      1. Prezada Rita, o povo está lobotomizado. Cabe a nós, cada um de nós, tentar, no nosso entorno, micro-universo, mudar o curso da história desse desastre sem tamanho, pesadelo do qual não se consegue acordar.

  9. qualquer pessoa percebe que mentem de forma descarada
    aliás – é o que melhor sabem fazer – só sabem mentir, mesmo sendo desmentidos em seguida, e os minions gostam, e defendem – resta sabar até quando

  10. me lembrando aqui o fuá que fizeram com os tais recibos de aluguel do ap. que Lula usava em SBC
    mas nem depois da pericia constatar que eram verdadeiros ele pararam de falar

  11. Delinquentes ,até esse Fabio ,tem culpa no cartôrio.
    Quem e por qué faz negócios desse tamanho em especie senhor Fabio???

  12. E tem batatas assando também. Isso não vai dar certo. Quanta confusão em menos de 1 mês da posse.

    1. E no caixa eletrônico do Banco que estava aberto na hora do depósito!! E ainda tem otário bolsonete defendendo esse malandro ladrão de dinheiro público!

  13. Uma transação imobiliária envolve agentes, corretores, cartórios, despachantes, diversas transações bancárias e não pode ser resumida a pouca coisa. Será que escolheram das hipóteses de mentira a menos crível? Será que nem têm competência para, em uma emergência séria como essa, bolar uma mentira bem bolada? Será que desfilam de calças curtas crentes de que ninguém vai perceber? São tão confiados e incautos assim?

  14. Eles são dos tempos da caverna. Nunca ouviram falar em TED, DOC, cheque, transferência entre contas…devem até fazer escambo…armas, quem sabe?

  15. “Foi isso aí”. “É isso aí”. “Entendeu” Esses desqualificados recorrem o tempo todo a estes apêndices em suas “construções” mentirosas. É CLARO QUE EU ENTENDI!!! VOCÊ ESTÁ MENTINDO DESCARADAMENTE! LARANJA!

  16. 5 a 10 mins pra cada envelope, entre contar o dinheiro, preencher os dados manualmente e realizar a operação… Estamos falando de algo entre 240 a 480 minutos… mais ou menos de 4 a 8 horas… pra fazer 1 deposito??? Plausível! 100% Plausível… Nós esquerdistas precisamos parar de procurar pelo em ovo oras….

  17. O sujeito não sabe o quanto pagou em uma transação imobiliária cuja escritura foi lavrada há pouco mais de um ano? Não anotou os valores, as datas dos pagamentos, nada? Puxa… e os nossos repórteres precisam fazer algumas perguntinhas mais elucidativas, não? Ou recebem ordens para que não as façam?

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.