Terrivelmente traiçoeiros

A Folha dá em manchete que o Centrão trabalha para derrubar a indicação do terrivelmente evangélico André Mendonça para o STF e estaria articulando o nome de Alexandre Cordeiro de Macedo, o presidente do Conselho Administrativo de Defesa Econômica para a vaga.

Vaga que segue sendo ambicionada por Augusto Aras, terrivelmente jeitoso no trato com Bolsonaro e que oferece, como “brinde” a indicação da subprocuradora Lindôra Araújo, terrivelmente bolsonarista para substituí-lo na Procuradoria Geral da República.

Insepulto, mas já velado pelo mesmo Centrão, João Roma e Rogério Marinho, o ministro Paulo Guedes também estaria com o sucessor, Mansueto Almeida, terrivelmente pró-bancos, em banho-maria. Enquanto não cai, Guedes fecha a cara e o caixa para Onyx Lorenzoni, João Roma e Rogério Marinho, seus desafetos ministeriais.

O festival de traições em que se transformou o Governo de Jair Bolsonaro nada mais é que o retrato de sua desagregação, fruto de um comportamento tóxico que promove, onde quer que vá, a dissolução de qualquer grau de ética nas relações políticas e não só, porque amargamente experimentamos isso no próprio convívio da sociedade.

Nunca se ligou à dezena de partidos por onde andou e, quando teve o seu próprio, o PSL, encarregou-se de rachá-lo e não colocar nada em seu lugar, exceto o esquecido “Aliança pelo Brasil”, que jaz empoeirado em algum escaninho do TSE.

Bolsonaro é a encarnação da expressão do que, nos seus queridos tempos de ditadura, usava-se para rotular “esquerdistas”: ele, sim, é um elemento desagregador.

É o que sempre foi e que todos sabiam que seria, sem desculpas para quem acreditou ou fingiu acreditar que poderia domá-lo.

Brasília, que sempre foi um serpentário, tem hoje uma espécie de fila da facada nas costas.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email