Tosquia em verde-oliva

Já temos perto de um mês de “Jairzinho Paz e Amor”, se é que se pode ver paz ou amor no fato de terem sido provisoriamente recolhidas ao canil as matilhas que se aglomeravam a pedir “intervenção militar com Bolsonaro”.

O STF, apesar da condução para lá de tímida de Dias Toffoli deu, afinal, uma”trava” nos grupos fascistas, de um lado e, apesar de tudo, também nas ambições autoritárias da estranha patente militar de generais-de-palácio, uma espécie de “Força Tarefa” ad hoc – se não criada, ao menos inspirada pelo minúsculo general Eduardo Villas Bôas para recuperar, sob a democracia formal, a hegemonia dos militares sobre a vida nacional.

Ou quase, por seguir sagrada e intocável – ao contrário da Saúde – o controle da economia nas mãos do capital financeiro.

Neste período de trégua relativa, imposto pelo agravamento da pandemia e sua montanha de mortos, arrisco dizer que entre militares e bolsominions, os primeiros perderam mais poder que os segundos.

A expressão da estupidez negacionista, antes restrita ao próprio Bolsonaro e aos siderados que, nas avenidas, diziam que o vírus era uma fantasia criada por um complô sinocomunista estendeu-se para uma associação e aval militar para com uma política que, se não é genocídio por se voltar-se a um grupo étnico ou religioso, não deixa de sê-lo por suas consequências devastadora ssobre os pobres e os idosos.

Saem, pois, os militares com a fatia maior de uma conta – cujo total ainda está por ser fechado – que não lhes pertencia, mas que lhes veio às mãos por sua própria ambição.

Estão estropiados e perderam o grande argumento golpista: o de que , no poder, tudo resolveriam e nos tirariam rapidamente do desgoverno e da crise.

Já as matilhas, estas apenas hibernam, à espera que as elites que, embora torçam o nariz para seu aspecto tosco e fanático, sigam a preferi-los a uma aliança com partidos e políticos de esquerda e, sobretudo, com sua grande – apesar de tudo – referência, o ex-presidente Lula.

Não se pode medir os danos que ambos os pilares do bolsonarismo sofreram pela perda de cargos que cada um amargou, mas pelos desgastes que uma instituição, as Forças Armadas, tiveram por se mostrarem vergonhosamente manipuláveis, quando eram imaginadas como terríveis manipuladoras.

Foram buscar lã com Jair Bolsonaro e estão saindo tosquiadas.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

13 respostas

  1. A única hegemonia que existe de verdade no país é a hegemonia do PT e ela domina o campo da política democrática, o campo dos partidos de esquerda e o campo popular. Para destruir essa hegemonia foi preciso paralisar a economia e lançar o país na aventura de um Golpe de Estado impedindo Dilma de governar e impedido Lula de ser candidato. Quando se impediu Dilma, os golpistas não imaginavam que seria necessário prender Lula, quando prederam Lula, não imaginavam que seria necessário recorrer a candidatura Bolsonaro. Quando paralisaram a economia não imaginavam que seriam incapazes de recuperá-la e menos ainda que lançariam a economia na pior recessão da nossa história e numa longa depressão (vai ser superada agora com os efeitos econômicos devastadores da pandemia). Quando elegeram Bolsonaro, apesar de todos os sinais evidentes em contrário, não imaginaram que estavam elegendo um desgoverno e uma caricatura de autocrata (incapaz mesmo até de exercer a tirania). Ou seja de fomos no movendo de erro em erro, de jogadas cada vez mais ousadas e desesperadas, e agora nos encontramos atrapados no que podemos denominar armadilha da estupidez. Para destruir a hegemonia do PT foi preciso que nossos talibãs (1º o Mercado, 2º a Grande Imprensa e 3º seus representantes na arena política e nas instituições do Estado) lançassem seus “aviões” (a nada santa campanha contra a corrupção e seu nada santo tribunal) sobre o nosso “world trade center” (nossa frágil e Severina Democracia), isto é, foi preciso destruir o país, destruir suas instituições políticas, destruir as instituições jurídicas, destruir o próprio aparelho econômico do país, envolver uma vez mais nossas Forças Armadas num jogo que não é nem por direito nem por dever dela e quem sabe mais do que eles serão capazes. E o que é mais irônico é que apesar de toda essa destruição eles não foram capaz de destruir ainda a tal hegemonia do PT.

    1. Vamos ver em Novembro se ainda existe essa declarada hegemonia do PT. Sabemos que dentro do próprio PT há uma forte articulação para que o PT apoie o PSOL em SP. Dirigentes mais lúcidos sabem que o candidato do PT em SP não terá 5% dos votos. Que porra de hegemonia é essa ?

      1. Sou um destes eleitores que torcem pelo Boulos e Erundina e concordo que Gilmar Tatto seja uma alternativa viável, para dizer o mínimo. Mas hegemonia não é torcida, é um fato, ou uma determinada posição. O PT quer você goste ou não chegou a essa posição sabemos depois de uma longa história, e é fato também que até agora a destruição dessa hegemonia não favoreceu a democracia, o desenvolvimento e a equidade social ou qualquer outra alternativa progressista ou outro partido de esquerda. O PT cresceu organicamente durante 30 anos com muitas vitórias e muitas derrotas num complexo equilíbrio de tendências e lideranças e dos mais diferentes setores da sociedade. Não vejo nada parecido e duvido que algo que não tenha essas características possa exercer esse poder de aglutinação, posso estar enganado mas o PT continua sendo esse centro gravitacional da esquerda democrática. Também não me parece que uma esquerda não democrática tenha qualquer possibilidade real nessa quadra do tempo e da nossa história.

  2. FA? É a escola de formação de prepostos do satanás. Cultuam a morte até dos cidadãos de sua própria pátria.

  3. Parabéns ao Brito por mais um, entre tantos, artigo profundo e certeiro. Parabéns, também, pelo belo espaço que compartilha com todos. E não poderia, neste particular, deixar também de parabenizar ao “Policarpo” e a “Francisco de Assis” pelas suas, sempre, belas contribuições ao debate aqui travado. A todos, meu obrigado!

  4. Um retrato do parasitismo fardado, golpista e a caminho de se tornar genocida

    A remuneração média dos militares que estão na reserva (R$ 128.200 por ano, R$ 10.683 por mês) é mais de seis vezes (6,3) a de um aposentado do INSS (R$ 20.400 mil por ano, R$ 1700 por mês) e mais de sete vezes (7,4) a renda média do brasileiro, em geral, que é de R$ 17.300 por ano, R$ 1.442 por mês.. (https://economia.uol.com.br/noticias/redacao/2020/07/06/militar-inss-servidor-gasto-rombo-renda.htm)

    Pergunta: o que caralho faz um militar na vida para justificar diferença tão estúpida? Ordem-unida, ginástica e pintura de meios-fios nos quartéis, a soldadesca? Parasitar, subjugar e semi-escravizar o povo, entregar a riqueza do país, dar golpes na democracia e implantar e manter ditaduras, os generais e o oficialato? Já passou da hora de dar um basta nesta escrotidão, que, não bastasse tudo isso, agora resolveu caminhar para cometer um genocídio da nossa gente.

    Abaixo um retrato (em dezembro/2018) do custo desse parasitismo do generalato e oficialato no lombo da sociedade civil brasileira, antes, portanto, dos brutais aumentos de salários de 2019 e 2020, extorquidos pelo Genocida dos impostos pagos pelos civis.

    Estão levando do nosso suor nada menos que R$ 120 bilhões por ano e, achando pouco, pretendem nos roubar R$ 160 bilhões em 2021. Provavelmente para transformar o nosso suor em dólares na indústria armamentista estadunidense, a quem prestam serviços, com as devidas corretagens, para estimular ainda mais a matança interna e para fazer guerra a países vizinhos, repetindo a infame e genocida guerra contra o Paraguai e seu povo.

    https://uploads.disquscdn.com/images/f1cc3bf5043037a9fb4b5506ebf52ace80db11882d7235d94932b0c75d73e4e2.png

    1. as altas patentes civis e militares, são quistos de privilégios, mamatas, mordomias, e aqui apenas se servem dos cidadãos e nunca serviram aos cidadãos; vendedores de sentença, engavetadores, formatadores legais do arbítrio, inquisidores, força de ocupação e repressão, polícia política, se não bastasse tudo isso de tempo em tempo esses falastrões se arvoram em salva pátrias, varões da república, guardiões das armas e da lei, reserva moral da nação. Se existe algum sentido e utilidade para o termo do jargão neoliberal rent-seeking não vejo melhor aplicação do que para descrever a ação dessa “alta” burocracia. Mas com essa gente os neoliberais vivem em paz e harmonia não é mesmo. Usam essa casta para abater pobres coitados, funcionários públicos que são obrigados a viver com a escassez, a desorganização, o apadrinhamento políticos, e são estes com seus salários de fome os que realmente têm de prestar os serviços precários (segurança pública, educação, saúde e outros serviços) a que essa casta e de seus patronos condenam nosso povo.

      https://pt.wikipedia.org/wiki/Rent-seeking

  5. Esse fdp do Bozo estava ontem a noite com Netinho e um pouco do gado cantando Milla. É muito canalha, escroto, irresponsável. Nem contaminado faz isolamento. Um tapa na cara dos mortos por Covid, familiares, profissionais da saúde…

  6. Eu que passei pelas desgraças da ditadura,Sarney,Collor,FHC e começa a os governos do pt,e ver que as coisas estâo melhorando e que vai mudar.Vem uma desgraça de proporcoês imensa com o capetâo Bozo.

  7. Milicão (centrão militar): Conjunto de militares que se associa ao governo do Bozo com o objetivo de obter vantagens e privilégios. O Milicão já ocupa 6000 cargos do Executivo Federal com viés de alta. É o fisiologismo nas forças armadas, sobretudo o exército.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.