Tudo pelos velhinhos. Os do Kentucky. Por Arnaldo César Ricci

kentucky

Do jornalista Arnaldo César Ricci, no Blog do Marcelo Auler, hoje:

Empulhação desmesurada

É admirável como alguns segmentos da sociedade brasileira são tão passivos diante de tanta empulhação.

Até a semana passada, o discurso do governo golpista e da sua grande aliada, as Organizações Globo, era que a reforma da previdência é essencial por se tratar de “uma exigência do mercado”.

Sem elas as contas públicas não se equilibram. Os empresários deixarão de investir no País e mergulharemos no mundo das trevas.

Apesar de tamanha dramaticidade, a camarilha de Temer e a mídia a soldo não tinham conseguido, até então, convencer os 308 deputados necessários para aprovar a “indispensável” reforma.

Por mais obediência que prestem a Temer, os parlamentares da base aliada sabem que as mudanças que pretendem fazer no sistema de aposentadorias são um tremendo “fio desencapado”.

Na quinta-feira passada (11/01), a agência norte-americana de classificação de risco Standard & Poor’s – S&P – rebaixou a nota do Brasil.

A demora em aprovar a reforma da previdência e conter os gastos públicos, de acordo com essa instituição, transformou o Brasil num local perigoso para se investir. Deixamos de ser um “bom pagador”.

Especialmente, para as “velhinhas do Kentucky”.

A expressão faz parte do jargão dos economistas. Refere-se a um grupo de professorinhas aposentadas daquele estado americano que, na virada do século, adquiriram o hábito de aplicar suas poupanças em títulos do governo ou em ações de empresas brasileiras.

Para quem já se esqueceu, a Standard & Poor’s não foi capaz, por exemplo, de prever, em 2008, o estágio de especulação predatória que tomou conta do sistema financeiro e do mercado imobiliário dos Estados Unidos.

A maior crise financeira deste século, por pouco, não varreu os bancos e algumas empresas americanas do mapa. Não fosse um aporte de quase 4 trilhões de dólares do Tesouro dos Estados Unidos tudo teria se transformado em pó lá por aquelas bandas.

O cochilo da “implacável” Standard & Poor’s foi tão vexaminoso que nem as “velhinhas do Kentucky” acreditam mais nela.

É bem provável que nem o vassalo Meirelles acredite nessa lorota.

Mas, ele e a camarilha do Planalto não se furtaram em usar o tal rebaixamento para pressionar a sociedade brasileira e os parlamentares no sentido de aprovarem a reforma de qualquer jeito, no próximo dia 19 de fevereiro. Mais um embuste contra os que precisam do governo para sobreviver na velhice.

Desde quando reformas dos sistemas previdenciários são feitos para atender o clamor dos mercados ou de agências de risco?

Nações que se prezam fazem isso, em primeiro lugar, para garantir a qualidade de vida de seus cidadãos e, depois, para ajustarem suas economias.

O rebaixamento do Brasil pela S&P já era esperado pelo Banco Central, por todo o sistema financeiro e pela Bolsa de Valores. Para quem é do ramo não houve surpresa alguma.

Só que o ministro Meirelles e o presidente da Câmara Federal, Rodrigo Maia (DEM-RJ) – ambos candidatíssimos a Presidência da República, em outubro vindouro – resolveram vir a público para trocar farpas.

O ministro acusa o deputado pelas vacilações na aprovação reforma previdenciária na Câmara.

Maia retruca dizendo que quem tem vacilado na matéria é governo. Até agora não conseguiu o número necessário de votos na Casa para aprovar as mudanças.

Enquanto esse teatrinho de horrores se desenvolve nas páginas dos jornais e nas telas dos telejornais, ninguém tem ânimo para tocar numa questão que incomoda profundamente o “mercado” e as Agências internacionais de “rating”: o tamanho da dívida das empresas com o INSS.

Pois bem, em 2016, os bancos e as empresas deviam ao instituto R$ 426 bilhões. Ou seja, três vezes o valor do apregoado rombo da previdência.

No rol dos grandes devedores/sonegadores encontram-se instituições veneráveis como: o Banco Itaú e o Bradesco.

Acontece que ferrar os aposentados é muito mais fácil do que obrigar os patrões de Meirelles meterem a mão no bolso para pagarem o que devem á previdência.

Haja empulhação!

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

8 respostas

  1. Essa reforma não passará! E não se precisa de Lula solto para impedir. O medo da represália nas urnas mexerá com cada deputado.

    Teremos um novo Brasil, sem Temer, sem Lula, sem Aécio.

    Não estou nem um pouco triste com isso, pelo contrário.

    1. Alícia/Kawarinha/Lulinha/Qualquer Porra

      E aí vadia ? Com a mesma prosa de sempre ? Não se cansa bonequinha?
      Mude seu repertório, cadelinha no cio!
      Tá sem assunto ? Sua candidata, Bolsonara, se fodeu ?
      Ela brocou você ?
      Brocou sua bundinha?
      Sua mãe e sua mulherzinha estão boas ? Fale com elas que estou com saudades. Elas vão saber do que estou escrevendo.
      Vagabinha !
      Impala de Thompson !
      Gazela Indiana !

  2. Esses coxas são engraçados mesmos.
    Antes eram: Somos todos Cunha, Não tenho culpa votei no Aécio, eu quero padrão FIFA..
    Agora são todos Bolsanaro…Isso até a rede roubo não detonar o falso machão. kkkkkkkkkkkk
    Lula 2018 não tem pra ninguém…ah, se não puder, vamos eleger aquele que o nosso grande presidente mandar, e no primeiro turno.

  3. Alícia/Kawarinha/Lulinha/Qualquer Porra

    E aí vadia ? Com a mesma prosa de sempre ? Não se cansa bonequinha?
    Mude seu repertório, cadelinha no cio!
    Tá sem assunto ? Sua candidata, Bolsonara, se fodeu ?
    Ela brocou você ?
    Brocou sua bundinha?
    Sua mãe e sua mulherzinha estão boas ? Fale com elas que estou com saudades. Elas vão saber do que estou escrevendo.
    Vagabinha !
    Impala de Thompson !

  4. O varinha no rabo vota em quem? Dória? Huck? Bozonazi? Hum… vais perder de novo, pela quinta vez. E, burro como é, não vai aprender nunca.

  5. Duas frases do excelente post,esclarecedor até para as velinhas da feira

    —-Para quem já se esqueceu, a Standard & Poor’s não foi capaz, por exemplo, de prever, em 2008, o estágio de especulação predatória que tomou conta do sistema financeiro e do mercado imobiliário dos Estados Unidos.——
    Isso me pareceu proposital,não fosse assim,o “deus mercado internacional” teria afundado com elas,em soma ,outra prova de que elas não passam de mais uma ferramenta de pressão sobre os países periféricos.

    —–A maior crise financeira deste século, por pouco, não varreu os bancos e algumas empresas americanas do mapa. Não fosse um aporte de quase 4 trilhões de dólares do Tesouro dos Estados Unidos tudo teria se transformado em pó lá por aquelas bandas.——–

    ESTA É A PROVA PERFEITA DE ATÉ ONDE CHEGA A IMBECILIDADE DOS DEFENSORES DO ESTADO MÍNIMO ,ATÉ NA “TERRA DORADA DO LIBERALISMO”,FOI O ESTADO ( os pagadores de impostos)QUE PERANTE O DESASTRE PROVOCADO PELO “LIVRE MERCADO” TEVE QUE SALVAR A ECONOMIA !!!!!!!!!!!!!!!!!!.
    VÃO SER IMBECIS ASSIM NO QUINTO DOS INFERNOS !!!!!!!!!!!

  6. ESSA REFORMA DA PREVIDÊNCIA É UM EMBUSTE ,NÃO FOI PROPOSTA POR NINGUÉM NO PROCESSO ELEITORAL,POR TANTO O NASCEDOURO É IMORAL (foi necessário o GOLPE para propor-la).
    OS VAGABUNDOS QUEREM QUE PAGUEMOS A CONTA QUE ELES NÃO PAGAM,OS EMPRESÁRIOS E GRANDES PRODUTORES RURAIS(ganharam um REFIS do cornudo do planalto),O GOVERNO QUE ANTES RETIRAVA 20 % DA ARRECADAÇÃO ,A PARTIR DO GOLPE RETIRA 30 % PARA O CAIXA DO GOVERNO.
    OS MILITARES,POLÍTICOS,TOGADOS FDP,MPF, NÃO SÃO ATINGIDOS.
    SE VC TIVER A DESGRAÇA DE PRECISAR DE UM AUXILIO DOENÇA E CAIR NAS MÃOS DESSES PERITOS FILHAS DA PUTA DO INSS,VC MORRE.
    LEMBRO QUANDO ERAM AGREDIDOS E ATÉ MORTOS, NADA MAIS MERECIDO.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.