Um mês de ‘Vaza Jato’: a lenta agonia de Sérgio Moro

Completa-se hoje um mês desde que o The Intercept trouxe à tona os diálogos que mostraram que a Lava jato foi uma operação na qual um juiz, ilegalmente, assumiu o comando de um grupo de procuradores para misturar combate à corrupção com disputa política e, ainda, um projeto de poder autoritário para o Judiciário.

Claro que em um país plenamente democrático e com instituições judiciais preservadas, o que apareceu até agora já seria motivo para punição aos envolvidos nestes abusos e distorções do poder legal que o Estado lhes deu e de anulação dos processos contaminados por isso.

A realidade, porém, é que a Justiça e a mídia, faz tempo, fazem com que nosso país não seja assim.

Se a Justiça passou a ser movida pela política, é pela política que se deve analisar se, o quanto e quando os acontecimentos políticos podem fazer com que ela volte ao seu leito.

E não há dúvida de que isso passa pela demolição, com fatos, o ícone desta construção disforme: Sérgio Moro.

Hoje, às 15 horas, vou falar sobre isso na TVT e, assim que possível, coloco aqui o comentário.

Mas adianto o essencial: o método de revelação dos fatos usado por Gleen Greenwald é absolutamente diferente daquele a que os jornalistas brasileiros se acostumaram a usar: revelar o principal e, após, ir enriquecendo o caso com seus detalhes.

O que estamos assistindo é muito mais semelhante ao timing da Lava Jato, embora com provas acumuladas em lugar de produzidas de acordo com as suas conveniências.

O The Intercept dividiu seu material com a Folha e a Veja, como forma possível de combater as alegações de que tudo seria falso usada pelos protagonistas do escândalo, transformada em campanha pela rede de fake news e robôs que serve de sustentáculo ao oficialismo.

Dividiu mas, há pouco risco em afirmar, guardou para si os pedaços de filé: os diálogos mais explícitos, os áudios, as situações diante das quais nem o maior cara de pau será capaz de dizer que se tratam de diálogos normais, embora sejam capazes de ver “normalidade” até em interferência em processos de outros países e burlas a acordos judiciais para revelar negócios da Odebrecht na Venezuela.

Está se aproximando a hora em que eles serão servidos à opinião pública.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

34 respostas

    1. O problema é que uma reação não pacífica, para funcionar, teria que ter o apoio de pelo menos metade da população. E, ao menos por ora, dois terços da população, que ainda considera esse governo ótimo, bom ou regular, não vai apoiar. Ao contrário, vão dar forças aos militares, aos policiais, aos milicianos e aos bolsominions fundamentalistas para exterminar de vez não só os que se rebelassem, mas toda a esquerda.

    2. Bravoooooo !!!!!
      Escrevi exatamente isso num coment do Alecs.
      Quando virarmos o jogo, não devemos ter a mínima piedade dos maus…..dos canalhas fascistas, dos filhos bastardos da cadela infernal.

  1. Se observarmos o precedente do caso Snowden, em que menos de 2% do conteúdo que poderia por em cheque o Deep State estadunidense foram de fato publicados pelo “interceptador”, controlado pelo bilionário franco-estadunidense Pierre Omidyar, este ligadíssimo ao Deep State, as “bombas” anunciadas por Glenn Greenwald et caterva se reduzirão a tiros de festim ou no máximo de calibre 22, que contra “corpos bombados do nazibozo-miliciananismo” causam apenas escoriações, sem atingir qualquer órgão vital.

    Como a degola da Previdência Social já está oficializada e precificada, os tiros de maior calibre, só serão disparados pelo “mosqueteiro/mosquetão/interceptador” depois que a fatura estiver liquidada no plenário das duas casas parlamentares; isso se não for adiada para quando toda e qualquer estala relevante e estratégica – como os Correios, a Petrobrás, a Eletrobrás, o BB e CEF – já estiverem nas mãos de gringos, mediante uma comissão paga em paraísos fiscais.

  2. O mais estarrecedor disso tudo é o silêncio ensurdecedor das autoridades, ou seja, de quem deveria tomar a frente para apurar e enquadrar a quadrilha togada do Moro. Esperar que esse bandido togado renuncie ou reconheça seus crimes é acreditar em Papai Noel. Isso só confima o que disse Romero Jucá o golpe com Supremo e tudo.

    1. Igualmente estarrecedor é ver que a maioria da população parece concordar (=compactuar) com a falta de providências das autoridades.

    2. É cedo, é muito cedo. Por enquanto, só se vê espanto e paralisia. Para botar esta locomotiva para andar, será preciso queimar ainda muita lenha. Mas ela vai andar. Até outubro, ela vai disparar e não tem quem a possa deter.

  3. Estuprar a esquerda e o povo brasileiro é fácil. Eles fazem isso há mais de 500 anos. Mas Moro buliu com Maduro, da Venezuela, lá não tem essas facilidades, tanto que o traidor saiu de licença ou foi pedir mais segurança.

  4. Glenn está guardando a parte relativa ao TRF4 e a Juizeca plagiadora “Gabriela Haselmann Hardt” e isso provavelmente virá com áudios e tem tb os documentos que ele falou que tem…e tem, sabemos disso. Glenn corre atrás de seu segundo Pulitzer.

  5. Um terço da população do mundo é naturalmente boa.
    Um terço da população do mundo é naturalmente má.
    Um terço da população do mundo não tem discernimento, nem opinião própria. São papagaios, que aceitam e repetem o que ouvem com mais frequência ou eloquência, sem refletir se são verdades ou mentiras.
    O planeta está passando por uma fase muito ruim, pois as vozes do mal vêm se sobrepondo às vozes do bem.
    Por isso, todas as terríveis revelações que estão vindo à tona no Brasil não só não causam o horror que deveriam causar, como estão sendo aceitas pela maioria da população com naturalidade, como se fossem males necessários ou justificáveis.
    Temo que essa fase custe a passar,

    1. Esta fase passará com rapidez relativa, já que, mesmo com a aceleração progressiva de tudo, o tempo da história não é vapt vupt. Mas vai passar já, já, depois de um último suspiro maligno de tentativa de endurecimento, que será um fracasso total.

  6. O que vemos? Muita gente procurando deixar o lado de lá e buscando abrigo em méritos do passado que tinham antes de passarem a funcionar do lado da desgraça. É o caso do Fachin.

  7. Não há nada de novo nas atitudes e atividades políticas do judiciário brasileiro. É político, rasteiro, injusto e partícipe de tudo que aconteceu na História do Brasil. Elitista e contaminado pelo racismo e preconceito, sempre foi lugar de ricos e dinastias. Participou de golpes e ditaduras. Qtos juízes foram presos e processados por participação em torturas? Por processos ” legais” nas ditaduras? Triste entender que somente uma revolução nos porá de volta à democracia e soberania.

  8. Todos aqueles que moveram, promoveram, permitiram e contaram com as ilegalidades e arbitrariedades da “operação” são os verdadeiros mandantes, os autores intelectuais desse crime contra a Democracia, o Estado, a Economia Nacional e a nação brasileira. Todos eles e não só os meninos e as meninas e outros velhacos da “operação” deveriam responder perante um tribunal Internacional da mesma forma que os criminosos nazistas, sérvios e croatas, tutsis e hutus, responderam pelos crimes perpetrados por aquele regime e pela guerra que promoveram. Pode parecer um exagero mas o nível de destruição política, econômica e institucional que causaram permite esse tipo de comparação. Não podemos continuar permitindo que os inimigos da democracia brasileira , mesmo essa nossa franzina e severina, continuem sendo sempre inimputáveis ou anistiados. Se queremos a paz é preciso combater aqueles que promovem a guerra, a intolerância e os Golpes de Estado.

  9. Sobre as alegações do advogado do sargento envolvido no aerococa presidencial de que houve armação no incidente, sendo que as mesmas coincidem com as insinuações do Carluxo de que o general Heleno é incompetente e a ABIN estaria por trás do ocorrido, digo o seguinte: se eventualmente houve mesmo uma armação no contexto, está mais fácil ter sido coisa do próprio Carluxo para derrubar o general Heleno. O rapaz parece mais desequilibrado do que o pai. É visível que não mede as consequências dos seus atos. Ele acha que elegeu o pai e que por isso tem direito de governar com ele ou até mais que ele. A quebra de protocolo de desfilar no carro com o seu pai no dia da posse diz muita coisa sobre essa simbiose. O garoto quer mesmo é ser ministro no lugar do general Heleno. Sabe que se derruba-lo o pai – igualmente doido e irresponsável – pode vir a segurar a onda de nomea-lo ministro no lugar do general , o que faz sentido , já que o capitão resolveu peitar os pares dele. Ou o capitão não passa de uma marionete do Carluxo ou está na jogada com ele. Vai saber né. O general Heleno até baba por causa do capitão numa subserviência que acho muito difícil de compreender vinda de um homem idoso e vivido. Será que ele não percebeu ainda que o capitão é um traíra? O filho e ele são pessoas que, no mínimo, deviam estar no divã de um psiquiatra e que ainda por cima são inclinadas às canalhices. Assim fica difícil especular sobre as intenções deles. Fica esperto general Heleno. O capitão não serve de referência para nenhum militar quanto mais para um general.

    1. De qualquer forma, mesmo que fosse armação, aliás, principalmente se fosse armação, o “armador” teria que driblar a segurança. O que significa que teria que ser alguém muito ligado ao presidente. Carluxo se enquadra nessa categoria. Teria também que ser alguém muito burro, pois com certeza o maior prejudicado pela má repercussão do fato foi o próprio presidente, principalmente no exterior. Carluxo, mais uma vez, se enquadra na categoria.

      1. Mais do que burro Carluxo sofre das faculdades mentais. O resultado da soma de burrice, canalhice e loucura é nitroglicerina pura.

  10. No livro A MORTE DA VERDADE, de Michiko Kakutani, Ed. Intrínseca Ltda, a autora :
    ” Agora a ignorância está na moda ” e cita um acadêmico chamado Tom Nichols:
    ” Quando não têm interesse em se informar em nível básico sobre os assuntos que afetam suas vidas, os cidadãos abdicam de ter controle sobre esses assuntos, gostando deles ou não. E enquanto os eleitores perdem o controle sobre estas importantes decisões, correm o risco de que suas democracias sejam sequestradas por demagogos ignorantes, ou de que suas instituições democráticas sejam corroídas, de forma mais gradual e silenciosa, até se transformarem numa tecnocracia autoritária”
    Observemos que boa parte dos eleitores que elegeram o fascista Bolsonaro para a presidência nada sabem quais são os elementos políticos que afetam suas vidas. Acreditaram e continuam acreditando nas mentiras divulgadas pelos grandes jornais e canais de televisão, além do vírus que se espalha tambem, diariamente pelo face book,twitter e demais mídias existentes.
    Essa turma que está no poder acredita e semeia suas mentiras com tal velocidade e quantidade de fakes news de tal modo que os incautos e ignorantes e os que tiveram a mente lavada pela propaganda enganosa, julgam que os atuais detentores do poder são os ” novos missionários da nova moral social ” e enquanto essa doxa é repetida diariamente, os direitos sociais e o nosso patrimônio é tirado de todos nós e ficamos acovardados, possuidos pelo medo, em vez de reagirmos à altura.
    Estamos vivendo um período fascista da nossa história; por enquanto só perda de direitos e liberdade, logo, logo, será perda de vidas, pois, a história demostra que um povo só faz revolução ou por consciência política ou por excesso de miséria.
    Bolsonaro, seus ministros e seguidores são elementos perigosos para a democracia. Eles estão demonstrando diariamente que não respeitam opiniões divergentes e tudo farão para sufocar a oposição. São traidores do povo brasileiro e do Brasil, são entreguistas das nossas riquezas e do nosso patrimônio ao capital estrangeiro. Têm o panurgismo como modo de vida e demostram que o seu chefe é o atual presidente americano e não o povo brasileiro .

  11. O The Intercept está prestando um grande serviço ao país. E Moro tem o troco da série infinita de etapas da LJ, pelas quais alimentava diariamente a imprensa.

  12. Gisele Siqueira, assessora de Serginho Narciso Moro, Ministro em Re-ernegização do Ministério da Justiça acaba de Peedir Demissão….
    Vem GLENN GREENWALD aí gente!
    Acho que SERGINHO NARCISO não volta!

  13. Hoje mesmo com a demonstração de como a esquerda estava certa em afirmar desde o primeiro momento a imparcialidade e ilegalidade dessa operação ainda tem liberal e o restante do esgoto quieto.

    Quando irrompem o silêncio para mostrar que “Nossa, eu sou centrado” é colocando em pé de igualdade um homem que teve a sua vida revirada, numa busca ensandecida nunca antes feita na história desse país e que só ratificou sua inocência e hombridade; e um pé de rato que se sobrou alguma dignidade há de pedir desculpas a cada brasileiro e brasileira pelo que fez.

    João Doria, “símbolo da Nova Era” falou “Se moro cometeu algum erro, terá valido a pena para salvar Brasil da corrupção” se esquecendo de que um julgamento justo e humazinado é o pilar de qualquer democracia e de que não se combate corrupção com mais corrupção.

    É uma tática ser estúpido, ser retardado. Que assombro viver nesse país, vontade constante de desistir. Se eu tivesse o mínimo de condições fugiria imediatamente. O país que relativaza trabalho infantil; que é contra homossexuais; que é abusivo no uso de agrotóxicos; que presta homenagens dignas a um indigno como o “MC” Reaça e não faz nada de relevante para honrar a memória de João Gilberto não é o meu país. Que tristeza.

  14. A exemplo da primeira tentativa do Fachin, muitos passarão pro lado de cá. Usarão o disfarce do lobo em pele de cordeiro. Mas, jamais deixarão de ser o que são.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *