Um país condenado a ser Liliput

Quando vemos o presidente brasileiro ir ao exterior prestar-se ao sabujismo mais desavergonhado e lembramos que, há dez anos, o mundo se voltava para o gigante que, afinal, despertara, a charge do Luiz Gê é um doloroso e genial resumo do que nos condena a sermos a Liliput, imaginada por Jonathan Swift.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

4 respostas

  1. Era impensável que um presidente de um País igual o Brasil fosse sabucar o cu de um Presidente americano. É muita baixeza. O xara já está completando quase três meses de mandato e até hoje não disse a que veio. E os Milicos estão esperando u q mesmo? Tudo a mesma sopa. Aias, eu acho que esta turma deve rodar que nem aquilo vive boiando na água e nós deixar seguir nosso destino. Os caras ainda nem disseram a que veio!

  2. Um homem diminuto, uma família comprometida com o que há de mais criminoso nesse país, vale tudo para aqueles ambiciosos, desde que levem vantagem pessoal, cargos de reforço de soldo, que se dane a pátria que os paga e que teoricamente os justificam. Traidores.

  3. A liberdade de Lula mostra-se simplesmente imprescindível. Devemos parar todas as máquinas e dirigir nossos esforços nesse sentido. Lula Livre transcendeu o fato de se fazer justiça ao maior presidente que o país já teve e tomou a dimensão simbólica de resgatar o país do obscurantismo e do retrocesso, recuperando a economia, o emprego, a democracia e a dignidade que esses criminosos nos tiraram. Soltem Lula, seus canalhas ignorantes!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.