Uma questão de tempo

nero

Não fica aí remancheando, menino!

A palavra, em desuso, lembra-me minha avó ao me ver negligenciar o “dever de casa” na infância.

“Dever de casa”, com o tempo, passou a ter outro sentido, bem diferente de fazer a tarefa escolar. E sentido pior, o de seguir as ordens de quem nos domina e oprime.

Mas o remanchear – ou remanchar, para outros – foi ficando perdido nas décadas.

Ressuscitou-o, infelizmente, a Justiça brasileira após seu vergonhoso papel de fazer a “tarefa” que o status quo lhe deu: interditar o processo político eleitoral, mais do que nele interferir.

Em nome disso, o Poder Judiciário passou a viver o que nunca viveu: a perda, já quase completa, de algo que lhe será dificílimo recuperar, até porque, ao contrário do que ocorre com o Executivo e o Legislativo, ali não se trocam as pessoas e as hierarquias em pouco tempo.

A inércia do Supremo Tribunal Federal, desde que, em 2014, Sérgio Moro começou a conduzir de forma extravagantemente espetacular os processos da Lava Jato, desde logo equiparando-os à sua obsessão com a Operação Mãos Limpas italiana, começou esta jornada que, hoje, chega ao pântano da desmoralização.

O “garoto”, afinal, era um prodígio: veloz, destemido, assertivo, decidia em poucos dias o que outros levavam semanas ou meses e, sobretudo, era o general na colina a comandar as “tropas do japonês” em operações que se sucediam toda a semana, todas elas com nomes retumbantes, escolhidos com rigor publicitário.

Era a “esperança do Brasil”, o “Faz Diferença”, o “Anjo Vingador”. Até “mocinho” de filme virou. A Candinha, fofoqueira-mor da vila cantava todos os dias que aquele, sim, era um bom garoto, não a molecada da rua.

Muitos – os fracos, os vaidosos, as nulidades e os oportunistas – puseram-se à sua esteira. Deram-lhe doces, aplaudiram suas momices e afetações, encantaram-se com o seu sucesso na casa daqueles vizinhos que nos roubam as frutas do quintal e suas  e, sobretudo, trataram de não o contrariar, enquanto o podiam fazer.

O “basta” demorou, demorou, demorou e, afinal, já não pode ser dado sem arrastar a casa de roldão e isso ficou mais que evidente quando, há meses, o STF adia o ponto central de qualquer reexame que possa fazer dos “deveres” feitos pelo menino, pela via dos recursos, porque, com a execução da pena antes deles, Inês é morta ou, ao menos, presa.

Agora, o menino é todo dentes e já nem mesmo à formalidade do “benção” é capaz de pedir. Manda por tornozeleiras em quem foi solto e manter preso quem mandam soltar. Não precisa mais de autos para despachar, manda um e-mail de Portugal e é obedecido.

É evidente que isto não pode prevalecer, ao menos não num simulacro de democracia e institucionalidade.

O menino, birrento, mimado, malcriado, tornou-se inconveniente e acabará posto fora da casa., que por sua causa virou uma balbúrdia.

É uma questão de tempo, que exige apenas remanchear até as eleições.

 

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

17 respostas

  1. O judiciário brasileiro perdeu todo e qualquer respeito que um, talvez, tenha tido pela população. Hoje é uma VERGONHA nacional.

  2. O tempo corre veloz e é inimigo da esperança do povo brasileiro.
    A Justiça faz cera, cai em campo, rola, deixa o tempo passar…
    O juiz de vídeo esconde as provas, descumpre as regras do jogo.
    O juiz de campo só dá cartões vermelhos para um time.
    …e o povo?
    A plateia ainda aplaude, ainda pede bis!

    1. Isso mesmo, Lunes. Ontem fiquei muito triste ao receber, de uma amiga – formada em jornalismo – um “meme” relacionado à deficiência física de Lula com os dizeres, na “boca” do ex-presidente, lamentando ter faltado um “dedinho” para ele escapar da cadeia. Como você mesmo diz: “A plateia ainda aplaude, ainda pede bis!”

  3. Eu acho, infelizmente, que este processo não termina nas eleições. Não termina sem um trauma ou um fato novo muito forte. Porque a necessidade de tutelar o próximo presidente permanecerá. O golpe TEM que continuar no poder, ele sim. Só mudariam as coisas se tivéssemos um presidente com legitimidade e força, mas isto não ocorrerá sem Lula na eleição. O próximo presidente corre o risco de ser um Temer “enfeitado”, “limpinho” pelo menos no início.

    1. Foi o que o sumo sacerdote do golpismo que trabalha na Jovem Pan disse, indignado com a ordem de soltura do Lula: “Esta eleição não vai resolver nada! Esta eleição não vai resolver coisa alguma!”. Para quem lê nas entrelinhas, este e outros golpistas estão elaborando um plano B para o caso das eleições não saírem como eles querem.

    2. Só Lula… Independente de convicção política, só Lula tem força para tomar de volta o poder. Pq só Lula tem o apoio da classe trabalhadora, sindicatos, movimentos populares e apelo junto as camadas mais miseráveis da população. Só Lula tem a “credibilidade” para suportar os canhões da mídia.

      Lula Livre

  4. Que seja assim, Brito. Mas tenho minhas dúvidas se ainda restam escrúpulos entre os donos do poder. Temo que mesmo nesse pós eleições Lula continue encarcerado em Curitiba.

  5. Isso se um tal capitão (tá mais pra recruta zero) não o nomear ministro do STF na cadeira 12 e quem sabe a versão carioca (e evangélica) do tal menino mimado para a cadeira 13. Nada é tão ruim que não possa piorar…

  6. Entreouvido nas redes sociais: “Êta juiz macho, sô! Aí é maaaachô, atê debaixo d’água! O home tava na praia, de férias, quando foi avisado que o desembargador ia soltar o Lula! Ele saiu espumando de raiva, pegô o celular e bateu um fio pro delegado: Olhe, quem fala aqui sou eu! Você não solte este preso de jeito nenhum!” – “Mas dotô, o home é desembargador… Está tudo dentro da lei…” – “Não interessa o que ele é, pode ser até o Papa! Aí quem manda sou eu! Não solte de jeito nenhum, estou dizendo e pronto. Vou mandar um documento agora mesmo me responsabilizando por tudo.” E voltou para tomar seu Sol. – Isso é que é ser macho, sô! Passou por cima de tudo, dessa constituição desmoralizada, dessa tal de hierarquia, dessas lei de meia tigela, e mandou ver quem é que manda!”

  7. SERGINHO MORO NÃO É APENAS UM CANALHA BIRRENTO… ELE É O ESBIRRO TRUCULENTO E FASCISTA QUE REPRESENTA O PODER DO PENTÁGONO SOBRE O PARTIDO NAZI-JUSTICIALISTA DO BRASIL!
    JUDICIÁRIO BRASILEIRO AFUNDANDO RÁPIDO…
    QUANDO A DEMOCRACIA VOLTAR…. SERÁ NECESSÁRIO LIMPAR MUITAS CABEÇAS…

  8. Mas também uma casa onde tem, ex-advogado do pcc, empresário com faculdade de Direito, Ministro que tem casa própria junto com a filha e ganha auxilio moradia vai querer o que de uma Instituição dessa?

  9. Todas as autoridades da (periclitante) República estão acovardadas e amedrontadas por uma turba de celerados fascistas. Desta maneira, estão se subordinando, abaixando suas cabeças e aceitando a “nova ordem”.
    Aonde estão os VERTEBRADOS deste país?
    Ninguém mais tem responsabilidade pela preservação do Estado de Direito e da Constituição Federal?
    Quem se calar e não se levantar HOJE estará aceitando a ditadura e abrindo mão de seus próprios direitos e liberdades.

  10. Lindo texto.Contudo,convém ressaltar que,esperança em eleições,é ingenuidade.GOLPISTAS,não gostam de votos,por isso,dão GOLPES.E o “IMPOLUTO JUDICIÁRIO GOLPISTA,da suporte INCONSTITUCIONAL ESTRATÉGICO aos aventureiros que se somam a eles.E não nos iludamos,tem muita gente,que apoia o GOLPE.Lembra 64? Milhares,foram às ruas,saudar o GOLPE,ou QUARTELADA da época.

  11. As conjunturas são distintas, tanto que o impeachment-golpe foi dado com os militares apoiando na penumbra, através do Legislativo, sob comando do Judiciário, tudo tudo com apoio da mídia, Globo à frente, que arauta e defensora dos interesses do grande capital no Brasil, vale dizer do EUA, na realidade o planejador e financiador do golpe, como vem acontecendo em outros países pobres da América Latina. Na verdade, não há outro caminho político que signifique não seguir o script do golpe, que não seja insistir com a candidatura do Presidente Lula, mesmo preso, no limite da impossibilidade de realização do pleito sem a inclusão de seu nome, que tem apoio da maioria do eleitorado, dificultando as alianças dos que não aceitam o seu nome e procuram um candidato que os represente, capaz de, com a mídia e aliados de outros partidos e quinta colunas emplacar esse candidato. Está muito difícil para a ditadura fantasiada de democrata continuar com o disfarce, escondendo-se atrás do véu das eleições. Não demora a definição. Lula livre, Lula, lá, torcendo e tentando influir para que evitem aumentar o sofrimento do brasileiro, sendo vitorioso o caminho das eleições livres em outubro.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *