Vai-e-vem ministerial: a máquina de trapalhadas de Bolsonaro

A Folha noticia a inacreditável história de que o General [Luiz Carlos] Ramos resiste a entregar Casa Civil a líder do centrão às vésperas de reforma ministerial de Bolsonaro.

No Metrópoles, Igor Gadelha diz que Bolsonaro vai tentar fazer com que Ciro Nogueira aceite a Secretaria de Governo, em lugar da Casa Civil.

Possibilidade de que isso aconteça: algo perto de um milésimo, ainda assim porque o perfil dos parlamentares brasileiros está, faz tempo, mais abaixo de zero que os termômetros neste inverno.

Para Ciro, aceitar um cargo quase decorativo, destinado apenas a conseguir vantagens parlamentares para Jair – ou talvez nem isso, porque não pode garantir nada quem aceita ser rebaixado de posto entre o convite e a posse – não é algo que o habilite a posar -ou ser – o dono da máquina.

Mas é menos importante o que irá acontecer (ou não), que é a entrega do posto-chave das nomeações governamentais, do que a atitude de Jair Bolsonaro de recuar – ou tentar recuar – de seu primeiro grande lance de partilha de poder.

Para os nossos malandríssimos parlamentares, é aviso mais que suficiente que não há acordo possível com Jair Bolsonaro, porque este quer cuidar – e cuida – sempre antes dos seus do que dos compromissos que assume.

Não o enxergam como parceiro, mas como xepa de ocasião.

A coalizão PP-Bolsonaro é assim, de curto prazo, enquanto houver o que entregar.

Não chega ao segundo trimestre de 2022.

Ou enquanto durarem nossos estoques.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *