Vai vacinar com o quê?

A manchete do Estadão mostra o quanto são incapazes as cabeças que gerem o Orçamento público.

É evidentemente inexequível uma previsão de gastos para a Saúde, no ano que vem, que corte nada menos que R$ 7 bilhões do magérrimo orçamento do setor estimado antes da pandemia do novo coronavírus.

Nenhum epidemiologista acha que, antes do primeiro trimestre de 2021 – a não ser em caráter experimental – haverá solução vacinal para a Covid-19. Portanto, a tarefa (e o custo) de vacinar 220 milhões de brasileiros será, basicamente, suportada pelo Orçamento de 2021.

Isso sem contar a hipótese provável que, durante os primeiros meses do ano tenhamos de continuar fazendo frente ao atendimento de pessoas que terão a doença e precisarão de suporte médico-hospitalar.

Também fica fora da conta o “tirar o atraso” do sem-número de procedimentos que, em razão da pandemia, foram adiados ao longo de 2020.

É evidente que não há a menor chance de que isso passe pelo Congresso, mas só o fato de ser proposto desta forma mostra que os dirigentes do Ministério da Saúde, das duas uma: ou não têm a menor capacidade de planejar ou, pior, não têm a menor intenção de fazer com que o Sistema Único de saúde funcione, ainda que com todas as suas precariedades.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *