Vermes na academia

Entrei na universidade nos anos 70, em plena ditadura militar.

Nem naqueles dias seria imaginável que uma instituição de ensino, que goza de autonomia, abrisse uma sindicância para investigar o lançamento de um livro de seus professores.

Muito menos que se prestasse a interroga-los sobre se houve “manifestações de desapreço e contra o Presidente Temer e integrantes do poder judiciário-MP?”, como consta do questionário enviado aos professores Gilberto Maringoni, Giorgio Romano e Valter Pomar por uma “Comissão de Sindicância Investigativa” da Universidade Federal do ABC, onde lecionam,  por terem lançado o livro “Lula – A Verdade Vencerá” dentro da universidade.

O livro, lançado com tiragem de 30 mil exemplares – imensa, para os padrões do mercado editorial brasileiro – e já traduzido para outras línguas, como você vê na imagem da vitrine de uma livraria italiana – é, na essência, uma longa entrevista concedida por Lula aos jornalistas Juca Kfouri e Maria Inês Nassif, ao professor Maringoni e à editora Ivana Jinkings, fundadora e diretora da editora Boitempo.

Os meganhas acadêmicos querem descobrir – uau! – se foram vendidos alguns exemplares dentro da Universidade.

Se quiserem, podem vir me prender, também, porque em meus tempos de Centro Acadêmico cansamos de vender livros dentro do prédio da UFRJ, na Praia Vermelha!

O que é isso, sabujice ou medo de que algum “gravatinha” do MP ou delegado da PF, por conta deste “crime”, venham pegar os dirigentes da Universidade – criada e inaugurada, aliás, pelo “monstro” que o livro retrata – e fazer o que fizeram ao reitor da Federal de Santa Catarina, Luiz Carlos Cancellier, conduzido por homens armados, despido, humilhado e dolorido ao ponto de, dias depois, ter se suicidado?

Desculpem, quem não tem independência e dignidade não presta para um ambiente acadêmico.

A história foi revelada ontem pelo blog Nocaute, do jornalista Fernando Morais, e não está na grande mídia, que só gosta da autonomia universitária quando os governos são de esquerda.

O fascismo, no Brasil, já não é calouro nas universidades.

 

 

 

 

 

 

 

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

23 respostas

  1. A situação é tão humilhante para uma Universidade que terá reação digna e proporcional após virar escândalo na mídia estrangeira, por que a mídia canalha e submissa do Brasil jamais dará destaque a essa incrível história.

    1. Repito o que escrevi, no artigo anterior do Fernando Brito, sobre esses vermes:

      MP já há algum tempo quer ser muito mais que um 4o poder. Avoca os 3 poderes para si, investigando, acusando (essa sim a função dele), julgando e executando.

      Um poder quase que absolutista reforçado por essa imagem falsa de paladinos da ética e justiceiros. Estão sujeitos à corrupção tanto quanto qualquer outro ser humano!

      1. Pior que o MP são os sabujos, indignos de serem chamados “acadêmicos”, que obedecem a ordens manifestamente ilegais.

        1. É capaz de fazer palestras remuneradas para empresas que poderiam ser objeto de ações judiciais e especular com imóveis do Minha Casa Minha vida.

  2. Estamos vivendo a ficção que George Orwell concebeu no seu livro “1984”. E isso só está acontecendo porque o Judiciário brasileiro está empoderando e cobrindo os fascistas, sabe-se lá com que intenções. De qualquer forma, deixaram de ser guardiões da Constituição, se converteram em golpistas.

  3. Que vergonha!!!! Covardes idiotas! Perderão muito mais com sua atitude rasteira, do que se tivessem um mínimo de dignidade!

  4. O apetite do Estado Policial em curso no Brasil é insaciável, já não se contenta com as Redações da Grande Mídia, Delegacias e Fóruns Judiciais, agora adentra às Universidades, como a do ABC, ironicamente inaugurada, dentre muitas outras, no governo do monstro a que se refere o livro, um tal de Lula, o brasileiro que mais foi agraciado com Títulos de Doutor Honoris Causa pelo mundo. #EstadoPolicialEmMarcha

  5. É um absurdo! Se quiserem me prender também não tem problemas. Eu vou comprar o livro, e for dentro de uma universidade, é ainda melhor. Chega de medo dessa galera que ameaça diariamente a democracia!

  6. Estamos vivendo a ficção que George Orwell concebeu no seu livro “1984”. E isso só está acontecendo porque o Judiciário brasileiro está empoderando e cobrindo os fascistas, sabe-se lá com que intenções. Deixaram de ser guardiões da Constituição, se converteram em golpistas.

  7. É com muita preocupação que estamos, outros professores universitários acompanhando esse episódio. Fiz parte de um grupo que ministrou a disciplina sobre o golpe de 2016. Se o lançamento de um livro gera processos…. Mas que me faz escrever aqui é a vontade de dizer o que escrevi num esboço de texto sobre a questão. Como pode a ouvidoria de uma universidade dar prosseguimento a um telefonema dessa natureza? O que essa gente que trabalha numa universidade entende de liberdade de pensamento e de pesquisa? Nossa capacidade de pensar está definhando a passos largos. Como pode uma propaganda vulgar como o escola sem partido ter mais influência do que sua crítica?

  8. E simplesmente vergonhoso o que estes canalhas estao fazendo com o nosso Brasil.Depois leio nos jornaloes que so servem para embrulhar porcarias, que certos candidatos a algum cargo eletivo, defenda este governo hipocrita e sem condiçoes de ser sindico de predio de um so morador.

  9. tem que expor o nome de quem abriu essa sindicância, quem enviou esse questionário… os alunos deviam esculachar essas figuras e obrigá-las a se retirarem com o rabo entre as pernas…

  10. Pensando tratar-se de um vídeo atual, há dois dias assisti ao NOCAUTE, com Fernando Moraes falando sobre o impeachment de Dilma, e outras, quando verifiquei que a filmagem se deu em 2016. Mas, vi tudo, inclusive quando o autor de OLGA diz que seu livro sobre Lula começaria com a prisão dele em 1980 até seu último mandato.
    Como também sou seguidora do Nocaute, observei, então, que Fernando Moraes mudou seu projeto. Agora ele diz que o início é o mesmo, mas vai mais adiante, e o livro está sendo uma promessa de uma baita reportagem sobre a vida do maior líder brasileiro das últimas décadas.
    Fernando também é muito indignado com essa situação horrível por que passa o Brasil.
    No fundo, estamos sentindo tudo que houve durante a ditadura, mas de um jeito mil vezes pior, porque não tem general ou armas na parada, embora tenhamos visto mortes, fuzilamentos, atentados contra a vida de alguns, suicídios num shopping de Florianópolis, entre tatas coisas mais.

  11. Não consegui entender o que aconteceu. A comissão foi uma iniciativa da própria Universidade (o que torna ainda mais grave o quadro) ou é algo “imposto” pelo MP? Quem elaborou esse questionário fascista? Veio do MP? Quem são os membros desta comissão? Outros docentes? Que horror! Quase nada nos distingue mais da ditadura!

  12. Em breve, grande queima de livros com Bolsonaro. Ele mesmo acenderá a grande pira em frente ao STF.

  13. Esta instituição de ensino existe graças a Luis Inácio Lula da Silva, os boçais que não conhecem tal fato, deveriam ter a honradez de, ao menos, enaltecerem a figura do ex presidente, por terem emprego, graças a ele. Parabéns aos docentes pela coragem em revelar a sociedade, o fascismo da reitoria desta universidade, aliado ao do Ministério Público.

    1. Um minuto de silêncio para o cérebro desse espécime peculiar chamado “servidor público de direita”…

  14. O escândalo trazido à luz é mais um indício de aprofundamento da ditadura. São as perseguições políticas que se seguem ao golpe. Foi assim com o macartismo que se seguiu ao golpe de Truman contra os democratas de Roosevelt, na década de 1950. Foi assim também na Ditadura que se seguiu ao Golpe de 1964.
    É preciso denunciar, reagir, resistir e lutar contra o avanço do fascismo.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.