Corrupção CCR-Alckmin: “lavagem de notícia” na Folha

A reportagem de Mario Cesar Carvalho, na Folha, contém todas as informações sobre a queda do executivo Renato Alves Valeque que presidia a CCR há 20 anos.

Mas o título, na Folha, “some” com o personagem central da história: Geraldo Alckmin que, segundo delações do doleiro Adir Assad seria um dos beneficiários da operação de troca de faturas fictícias por dinheiro vivo para a CCR, empresa formada pelas empreiteiras Andrade Gutierrez, Camargo Corrêa, Odebrecht, SVE e Serveng nos “bons tempos” de Fernando Henrique Cardoso e que abocanhou concessões a rodo desde então.

Com o dinheiro em papel, a CCR abasteceu a campanha de Alckmin pelo “caixa 2”:

A CCR também negocia um acordo de leniência com o Ministério Público de São Paulo no qual pretende contar que fez uma doação para o caixa dois da campanha do tucano Geraldo Alckmin em 2010, no valor de R$ 5 milhões, conforme a Folha revelou em maio.

Alves, diz a reportagem, era amigo de Paulo Vieira de Souza, o operador tucano que tentaram esquecer à beira do caminho. Mas o título, claro, evita o “Paulo Preto” conhecido de todos e o chama de “ex-diretor da Dersa”.

Geraldo Alckmin, como qualquer pessoa – exceto Lula, a quem parece que isso “não vem ao caso” – tem o direito á presunção da inocência.

Também para ele, é preciso que haja provas, não uma simples delação (o que, de novo, não se aplica a Lula).

Mas a edição da Folha é, com o perdão das palavras, “lavagem de notícia”. Ou seja, a dissimulação deliberada do essencial da informação: quem recebeu o dinheiro, porquê  e para quê.

Ainda mais que há, como se diz no jargão dos jornalistas, um “gancho” evidente: ontem,  Alckmin foi intimado a depor, mês que vem, sobre outro caso de caixa dois, os R$ 10,3 milhões que suas campanhas teriam recebido da Odebrecht.

Mas na Folha, como na lista da Odebrecht, Geraldo Alckmin é “Santo”.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

10 respostas

  1. Como disse o LULA, pra mídia tucana que se fantasia de “imprensa”, o dinheiro da corrupção desses golpistas fdp, sai diretamente das sacristias, portanto…

  2. Só rindo. O Santo é forte! Se fosse Lula, hoje já teríamos mais uns 4 processos contra ele. Somos mesmo o país da hipocrisia quando se trata de justiça. Ou da falta dela.

  3. Bandidos se protegem, agora é de conhecimento do publico geral que tucanos, pmdb e facçoes de direita nao podem ter o poder, pq alem de protegidos pelo judiciario são acobertados pela banda podre da midia. É o crime organizado que atua no brasil.

  4. Vergonha de jornalismo disfarçado, essa Folha já tá podre faz tempo, falta só virar adubo pra ver se brota algo melhor..

  5. Caixa 2 virtual

    “impulsionamento só pode ser feito pelo próprio candidato direto nas plataformas; se for por cartão de crédito o pagamento, tem que ser o do partido ou do candidato, e com recursos da campanha. Se há algum caso suspeito ou um indício de que não se usou todo o recurso declarado para esse serviço, pode-se pedir a quebrar desse sigilo. Se tiver uma requisição de dados, as plataformas são obrigadas a dizer quanto foi gasto e qual a forma de pagamento”, afi… – Veja mais em https://noticias.uol.com.br/politica/eleicoes/2018/noticias/2018/07/25/especialistas-alertam-para-caixa-2-digital-em-impulsionamento-de-posts.htm?cmpid=copiaecola&cmpid=copiaecola

  6. Alguém precisa dizer ao Lula que, melhor que ter bons advogados, é ter amigos juízes e barões da mídia. Trambiques do “Santo da Odebrecht”, a Folha #LavouTaNovoEInocente

  7. propina pra tucano não é crime. É direito inalienável. Provas vão sumir em gavetas e a convicção é fraca

  8. Como a editora Abril que editava a “óia”, a folha deve seguir o mesmo caminho: o fundo do poço.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.