Vox: rejeição à reforma é maior nas questões concretas

Os resultados da pesquisa Vox Populi, encomendada pela Central Única dos Trabalhadores, mostram que será “uma pedreira” conseguir os votos para a aprovação dos pontos centrais da proposta apesentada pelo Governo.

Embora a pesquisa mostre uma rejeição de 65% à reforma como um todo –
26% são a favor do texto da reforma e 9% não souberam ou não quiseram responder -, é quando seu conteúdo é questionado diretamente que são maiores os níveis de reprovação.

A idade mínima absoluta – hoje ela se articula com o tempo de contribuição – é recusada por 73% dos entrevistados e aprovada por apenas 19%.

Alcançar o rendimento integral só ao atingir 40 anos de contribuição é ainda mais rejeitado: 81% contra e só 12% favoráveis.

É a maior taxa de recusa, da qual só se aproxima a redução das pensões por morte (que podem ser até menores que o mínimo), rejeitada por 79% dos entrevistados e apoiada por somente 14%.

Mudanças na aposentadoria rural, item que parece já sepultado pela reação do Congresso, alcança 72 de rejeição, contra 19% de aprovação.

Na mesma situação de dificuldade entre os parlamentares, a ideia de mexer com os benefícios de prestação continuada a idosos e deficientes vai a 79% de recusa, contra apenas 13% de aprovação.

Na lista das propostas praticamente natimortas, a capitalização é a menos rejeitada, com 69% contrários e 19% a favor.

O descontentamento com as propostas do governo é maior nas regiões Nordeste e Sudeste e menor na Região Sul. Cresce entre as mulheres e os católicos, embora entre os evangélicos os índices sejam bem ruins. E não há variações significativa quando consideradas faixa etária, renda ou grau de instrução.

A íntegra da pesquisa pode ser vista aqui.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

6 respostas

  1. O sul maravilha e sua alienação política .Pior !!! os gaúchos se definem como o povo mais politizado !!!!pqp

    1. Já foram o povo mais politizado. Mas aconteceu por lá um fenômeno tucanocéfalo chamado “Yeda Crusius”, e depois disso piraram na cuia grande. Nunca mais se recuperaram.

  2. resumo básico. todo mundo rejeita tudo, seja por região, escolaridade, sexo, renda ou idade.

    só quando separado por grupos (contra, pró e neutro), só os bolsonazi que apoiam a reforma estão quase empatados com os que rejeitam.

    os contra e os neutros rejeitam por ampla maioria

  3. O que eu acho disso? Acho que o Sul do Brasil é uma Suíça, ou pensa que é.
    Temos aqui uma população onde apenas 54% não dispensa a aposentadoria. O restante somos empreendedores de sucesso, profissionais liberais com a vida ganha, altos executivos com plano de previdência privada pagos pela companhia e com direito a golden parachutes e stock option.
    A outra opção é sermos uma tropa de burros, concentrando o maior índice de estupidez e de autoilusão do País.
    You call the shots, pal.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.