Weintraub e o conselho de Pinheiro Machado

A famosa ordem de Pinheiro Machado ao cocheiro da carruagem em que deixava o Senado, diante de uma manifestação hostil – “Nem tão devagar que pareça afronta, nem tão depressa que pareça medo!” – foi desatendida nos dois sentidos por Abraham Weintraub.

Sua saída do MEC, desde sempre necessária e imperiosa desde que sugeriu a prisão dos “vagabundos do STF” no bundalelê ministerial presidido por Bolsonaro em abril, foi, pela demora, uma afronta.

E a sua viagem para os Estados Unidos, onde pretende (só pretende, ainda) abocanhar a sinecura de luxo de um cargo – que todos adorarão se for fictício – de diretor do Banco Mundial, no mesmo dia de sua saída do cargo é, parece a todos, uma desabalada fuga de uma possível retenção de seu passaporte, como requereu o senador Fabiano Contarato.

Weintraub, afinal, depois de tantas demonstrações verbais de valentia, escafedeu-se como um poltrão, desertando do posto de general do exército bolsonarista.

Se fosse o último ato de torpeza, seria um fim à falta de altura moral do ex-ministro.

Mas ainda não é. Vai descer mais, muito mais.

Mas já se inscreveu como um dos personagens mais folclóricos da tragédia final do governodo do “Mito”.

 

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email