Wuhan, 1 ano. Bloqueio funciona, mas não se for pela metade

Completa-se hoje um ano do bloqueio total imposto à região metropolitana chinesa de Wuhan, com seus 19 milhões de habitantes.

Bloqueio total, exatamente assim: bloqueio e total, por 76 dias.

A situação era, então, desesperadora. Morriam, imagine, dez (dez!) pessoas por dia com a doença misteriosa, da qual eram detectados 250 casos por dia naquele final de janeiro. Corria-se a montar hos´pitais modulares, vestiam-se médios e agentes sanitários com roupas de astronauta, drones com alto-falantes admoestavam quem violava ordem de ficar em casa e aviões, trens, ônibus e automóveis não podiam circular.

O G1 noticiava: “A província chinesa de Hubei, epicentro da epidemia do coronavírus 2019 n-CoV, registrou 42 novas mortes e mais 1.220 casos confirmados. Com esses registros, 213 pessoas morreram devido à doença na China, com 9.720 infecções”.

Hoje, os números da pandemia em Wuhan e em toda a província de Hubei (60 milhões de habitantes) dão inveja a qualquer habitante das grandes cidades do Brasil: menos de duas mil mortes.

Na China inteira, com seus 1,4 bilhão de habitantes, o último registro de casos foi de 88, 19 deles na província de Hubei.

Possivelmente não seria possível aqui um bloqueio tão intenso, mas apenas porque não se toma a decisão de fazer o Estado amparar plenamente as pessoas, um vez que, salvo engano, os chineses de Wuhan também comem, também vão à escola, também têm marcadores de luz, têm pequenos comércios, têm escritórios e empregos em fábricas.

Eles, aliás, nem tinham uma vacina no horizonte, como temos, ainda que o horizonte não seja próximo.

Manaus apareceu e chocou porque sua pobreza é exposta, é visível.

Mas o número de mortes lá, que está chocando a todos, é exatamente o mesmo, proporcionalmente, do que temos no Rio de Janeiro: 166 para cada 100 mil habitantes.

As medidas restritivas ou são mesmo severas ou não funcionam, exceto como paliativo e, encerrada a sua vigência, os níveis de doença voltam a disparar.

Durante muitos meses não teremos cobertura vacinal suficiente para mitigar o vírus, ainda mais se confirmadas as hipóteses de que as novas cepas são mais contagiantes e, como se levantou ontem na Inglaterra, mais letais.

Enquanto a praia, por aqui, encher mais que as carreatas de protesto, não haverá esperança de curto prazo.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *