22 mi de desempregados nos EUA em um mês. E vai subir mais

Os números recém-divulgados pelo Departamento do Trabalho dos Estados Unidos, fechando as primeiras quatro semanas desde o início da epidemia de coronavírus naquele país mostram o tamanho do estrago na economia, mesmo sendo apenas parte dos 50 estados do país.

22 milhões de novos desempregados significam, sozinhos, 15% de taxa de desemprego. Somados aos 4% anteriores, é possível dizer que 20% dos trabalhadores norte-americanos estão sem emprego. Como, evidentemente, as demissões continuarão por algum tempo e certamente não haverá contratações, que ainda se somem mais 15 milhões de demitidos nas próximas quatro semanas, aumentando em outros 10% a taxa de desemprego.

É um nível igual ou superior ao registrado na crise – esqueça a de 2008 – de 1929, a da grande depressão.

Evidente que uma parte, mas nem tão grande, destes postos de trabalho será recuperada com a retomada de uma vida – não se sabe quando nem quanto – normalizada. Porque há um sem fim de atividades, como o turismo, restaurantes, artes e espetáculos, transportes aéreos, que seguirão notavelmente deprimidos, mesmo então.

A (ainda) maior economia do planeta, arrasada, saltará sobre os capitais disponíveis da mesma forma que saltou sobre máscaras e respiradores de todos os países do mundo por estes dias.

E a devastação por lá se estenderá por cá e por todas as outras economias que apostaram nadisponibilidade de capital externo para financiar seu desenvolvimento, que virá menos ainda para sua recuperação.

A única fonte de capital disponível para começar uma reversão do quadro dantesco que teremos aqui é o Estado, e não faltarão mil e uma razões “fiscais” para impedi-lo de fazer o que terá de ser feito.

A mixórdia do pensamento econômico dominante – há exceções – acha, na sua capacidade cognitiva primária, que o que definirá a ruína da economia brasileira é o balconista e a faxineira voltarem a trabalhar na semana que vem.

 
<a href=”https://tijolaco.net/eu-quero-ajudar/”><img class=”alignnone size-full wp-image-77771″ src=”https://tijolaco.net/wp-content/uploads/2020/03/banner.png” alt=”” width=”600″ height=”157″></a>

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

3 respostas

  1. Antes do coronavírus, o Brasil tinha 12 milhões de desempregados, de acordo com o IBGE, e 35 milhões na informalidade, isto é, sem registro na carteira, fazendo bicos, quebrando o galho, “empreendedores” de acordo com os “especialistas” e “economistas” da mídia-de-merda. Com demissões já acontecendo em toda parte, além da paralisação de um série de atividades, é provável que o número de pessoas sem uma ocupação que garanta sua subsistência já ultrapasse agora os 40 milhões. Enquanto isso, os pedidos de ajuda emergencial continuam “em análise” e não se vê, por parte deste governo de incompetentes, qualquer estudo para a criação de medidas efetivas no sentido de amenizar a tragédia humana e econômica que aí está.

  2. Antes do coronavírus, o Brasil tinha 12 milhões de desempregados, de acordo com o IBGE, e 35 milhões na informalidade, isto é, sem registro na carteira, fazendo bicos, quebrando o galho, “empreendedores” de acordo com os “especialistas” e “economistas” da mídia-de-merda. Com demissões já acontecendo em toda parte, além da paralisação de um série de atividades, é provável que o número de pessoas sem uma ocupação que garanta sua subsistência já ultrapasse agora os 40 milhões. Enquanto isso, os pedidos de ajuda emergencial continuam “em análise” e não se vê, por parte deste governo de incompetentes, qualquer estudo para a criação de medidas efetivas no sentido de amenizar a tragédia humana e econômica que aí está.

  3. O corona é só um aspecto. A derrocada do capitalismo é inevitável como o esgotamento de um sistema onde o homem não vale nada, é só mais uma commodities. No comunismo era negada a individualidade, no capitalismo é negada a própria existência. Ambos ideações desumanas.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.