220 mil mortos; 9 milhões de casos. Mais rápido, mais mortal

Na véspera de Natal, o Brasil chegou a 190 mil mortes pela Covid-19. 14 dias depois, em 7 de janeiro, somou 10 mil óbitos e foi a 200 mil. Outros 11 dias bastaram para irmos 210 mil em 18 de janeiro e, agora, apenas 9 para chegarmos aos 220 mil mortos.

O número de contaminados, na prática, chegou a 9 milhões (8.996. 876) e, no ritmo que vai, retomaremos da Índia, no início de março, o lugar de segundo país do mundo em número de infectados, mesmo com uma população seis vezes menor.

A vacinação, dentro do que é possível com a falta de doses disponíveis, vai ganhando ritmo, mas perdendo a disciplina que deve ter uma programa de imunização para ser chamado de nacional.

Prefeituras, como a do Rio de Janeiro, decidiram vacinar profissionais que pouco ou nada têm a ver com o combate ao coronavírus, como professores de educação física, veterinários e psicólogos, desde que tenham 60 anos ou mais, mesmo aqueles que não se encontrem em atividade. Nada contra, mas isso não é o critério nacional.

Já São Paulo quer abolir a reserva da segunda dose, contando com a disponibilidade de vacinas das quais nem mesmo chegou a matéria prima e que têm de ser reforçadas impreterivelmente em 28 dias – ou 18, se considerarmos a aplicação das primeiras vacinas.

A vacinação descentralizada na responsabilidade de municípios não quer dizer que o processo não tem coordenação e nem regras unificadas nacionalmente. que sejam respeitadas.

Não temos um plano nacional de imunização, apenas um sistema de distribuição de doses de vacina – e poucas – porque o Ministério da saúde transformou-se no que é a credencial de seu chefe: apenas um setor de logística.

Chegaremos ao carnaval “que não vai haver” com mais de 240 mil mortos e aí nos escandalizaremos todos com as aglomerações, baladas, festanças, porque não pode haver emergência sanitária num país que não tem governo.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *