Traficantes de vacina?

A cada dia fica mais evidente que a história da compra, por grandes empresas, de nada menos que 33 milhões de doses – o triplo das que temos no país, hoje – era uma farsa desavergonhada. A manchete do Valor mostra que as empresas não querem ver seus nomes metidos nesta pantomima.

Mas foi estarrecedor ver, agora cedo, na Globonews, o presidente da Associação Brasileira da Indústria de Máquinas e Equipamentos, José Velloso, confirmar que a cúpula do empresariado brasileiro estaria mesmo negociando com um personagem misterioso – cuja identidade não pode ser revelada – a compra de três lotes de 11 milhões de doses da vacina Astrazêneca e que o vendedor deveria permanecer secreto para não sofrer o assédio da imprensa e a pressão de governos.

Hein? Vendedor de vacinas “incógnito”, feito -ou literalmente isso – traficante de drogas?

Aliás, diante da negativa peremptória do laboratório de que tenha vendido ou planeje vender doses para o setor privados, mas apenas para governos e instituições multilaterais (como a Covax-OMS), o que garante que a “trouxinha” de vacinas que está sendo oferecida é original e eficaz?

O pior é que uma vergonha como essa é apoiada pelo governo brasileiro e pelo próprio presidente da República, mesmo quando a Astrazêneca – a fonte de abastecimento deste atravessador de colarinho branco – não entrega a matéria prima para fazermos a vacina aqui e nem antecipa, em doses prontas, o imunizante que poderia evitar milhares de mortes.

Como cidadãos e como governo, o Brasil não pode dar apoio a uma suposta venda clandestina de vacinas, a não ser que, como fazem as milícias, ache legítimo cobrar – para quem pode pagar – cobrar ágio para comprar botijão de gás, como ocorre nas áreas “dominadas” do Rio de Janeiro.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email