Bolsonaro quer um TBT com os EUA? Não vai rolar…

A quinta-feira foi, como diz a juventude, de #TBT, dia de pretender voltar ao passado, com a incrível história do pedido de Jair Bolsonaro por um “help” de Joe Biden para continuar no poder no Brasil.

Bolsonaro não fala inglês; muito menos Joe Biden entende patavinas de português e, como um não tem qualquer confiança no outro, não obstante as recentes declarações cândidas que proferiram durante a Cúpula das Américas, havia muitos assessores de parte a parte no encontro “privado” entre ambos. O repórter Eric Martin, da Agência Bloomberg, valeu-se da regra de que, quanto mais gente, menos segredo, para obter o escandaloso relato de que, na reunião, o presidente brasileiro “pediu ajuda” ao norte-americano para evitar a eleição de Luís Inácio Lula da Silva em outubro, alegando ao “mister” que este seria “um perigo para os interesses dos EUA”.

Biden, diz a reportagem, teria desconversado e saído pela tangente.

À parte o desastre diplomático – ambos são ótimos em produzir desastres – o episódio guarda um ineditismo e humilhação daqueles que “nunca antes na história deste país” se fez de forma tão direta e sem intermediários.

Não é raro que políticos e governantes brasileiros sejam sabujos dos interesses norte-americanos, nem que governos dos EUA tentem interferir na política e nas eleições brasileiras. Mas nunca assim, face to face, sem outra intermediação que não a do necessário tradutor.

A experiência mais recente está para completar 60 anos, o golpe de 1964, ainda assim com o embaixador Lincoln Gordon servindo de intermediário entre os golpistas nacionais John Kennedy e, depois, Lyndon Jonhson, o sempre sabido e depois comprovado pelas gravações secretas divulgadas pela própria Casa Branca.

Daquela vez, os EUA mandaram aos “amigos” dinheiro, um porta-aviões e quatro navios de combustível. Desta vez, o que quer Bolsonaro?

Alguém precisa avisar que, apesar de todo o esforço ocidental para reviver a era da Guerra Fria, não existe a menor semelhança política com aqueles tempos e, embora bata continência à bandeira norte-americana, o atual presidente é um pária internacional, ao qual um eventual alinhamento de Biden seria uma tragédia para a sua já combalida imagem.

Mesmo com os problemas de visão que a idade a todos nos traz, não é possível que Biden não veja um chapéu de búfalo de Jair Bolsonaro.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.