A cabeça de um líder

Era novembro de 1989.

Excluído do 2° turno contra Collor por apenas 0,5% dos votos, Brizola recolhera-se a sua Casco Viejo, uma pequena casa de pedras e um telhado de amianto pintado de vermelho, sede de sua tão fantasiada fazenda no Uruguai, El Repecho (a colina, numa tradução livre).

Lambia as feridas, para empregar a expressão  que ele próprio costuma usar para o necessário período de restabelecimento, ainda mais depois de ter ficado a pouco mais de 450 mil votos do embate final.

Na tarde de 22 de novembro, uma semana depois do primeiro turno, o telefone – cujo número Ricardo Kotscho, assessor de imprensa do Lula havia me pedido – toca por lá.

Conversa curta, de poucas palavras e amabilidades quase formais.

Os dois combinam de se encontrar dia 25, um sábado, antes de uma “pajelança” – como costumávamos chamar reuniões amplas, com milhares de pessoas – do PDT.

Datas são importantes: faltavam, daquele domingo, ali exatas três semanas para o segundo turno das eleições. 21 dias.

A adesão à candidatura Lula não foi tranquila: o velho leão não entrega sem rugir a liderança ao leão novo, pouco experiente e ainda deslumbrado pela juba negra.

Mais ainda porque as estruturas partidárias e os militantes sempre tiveram rusgas, embate e, ali, ainda havia o ressentimento natural dos que víramos fugir por milímetros a dianteira do combate eleitoral.

Tão difícil era que, sabido, o velho Brizola teve de apelar para afirmação pela negativa,ao recordar a frase com que o general Euclydes Figueiredo, irmão do João  presidente, reagiu à sua eleição sete anos antes ao governo do Rio de Janeiro – “Brizola é um sapo, que a gente engole e depois expele”.

E disparou, sobre uma platéia ainda hostil a apoiar o petista:

– Pois não seria uma maravilha termos de fazer essa gente engolir outro sapo, e um sapo barbudo?

Começava aí uma avassaladora transferência de votos, quase ao ponto de não ficar um de fora: Lula chegou a 73% no Rio e a 68% no Rio Grande do Sul, somando toda a votação de Brizola.

21 dias, repito.

Verdade que o quadro era outro, verdade que Brizola pôde aparecer em comícios e na TV, recomendando o voto.

Mas Brizola e Lula tinham rusgas e “torcidas” bem pouco dispostas  a “vestir a camisa” do adversário de ontem, o que não é o caso de Fernando Haddad, sobre o qual, aliás, exceto o antipetismo, não vejo razões para ter os altos índices de rejeição apresentados em algumas pesquisas- e só algumas delas.

Por esta brutal transferência de votos, não há muitos que questionem a demora de Brizola em apoiar Lula e nem tão poucos que o critiquem por manter a corda esticada com as disputas com José Paulo Bisol, então o vice do petista.

Lula vai passar a Haddad o bastão da candidatura, não o da liderança política e  Haddad sabe que é receber o bastão de candidato é o que lhe dará a faixa presidencial, adiante.

Líder que não preserva sua liderança já não é líder, porque deixou de ser a montanha, a referência da população e, assim, perdeu a capacidade de orientar o povo.

Não é uma questão de generosidade ou desapego pessoal. É uma questão de capacidade de conduzir a disputa política.

E não de ser conduzido por ela.

 

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

14 respostas

  1. Pois é, naquela eleição eu votei em Lula, mas acho que Brizola poderia ter derrotado Collor. Ou não, porque a Globo poderia ter dado um golpe ainda mais forte em Brizola.

    Hoje a transferência de votos de Lula para Haddad é mais fácil do que foi de Brizola para Lula naquele 1989.

  2. Tem uma grande diferença entre o âmbito daquele fato e o de hoje. Acolá pensávamos que estávamos nos livrando da ditadura, agora sabemos que ela permanece instaurada entre nós. Não vivemos tempos de normalidade institucional. Não podemos normalizar essas eleições. Sem Lula, nao tem nenhum sapo para ser engolido, até porque o sapo genuíno permanece vivo a clamar por justiça .

  3. Brilhante como sempre, brito!
    Quem achou q lula não seria líder nesse momento de crise, não conhece o sapo barbudo.

  4. Ao cabo deste processo. Caso sairmos vitoriosos, como acredito que seremos, é necessário que o Fernando Brito, faça uma compilação de seus artigos carregados de esperança e certamente profético, que antecederam estás eleições.

  5. Dizer mais, o quê? Está dito em poucas palavas, com a sinceridade e o brilhantismo de sempre. Isso que aponta, que acontecia entre Lula e Brizola, que tinham muitos pontos convergentes, acontecia também entre Lula e Miguel Arraes.Esses dois velhos políticos diante do ainda relativamente jovem Lula não podiam deixar de afirmar suas lideranças, mas sem ofuscar o novo que surgia.

  6. Segundo o TSE, o PT tem até amanhã (11) para substituir Lula por Haddad na cabeça da chapa do partido. Já o PSL tem até o dia 17 para fazer a mesma coisa, ou seja, substituir Bolsonaro ou sair da disputa apoiando o PSDB do Alckmin. O problema está no vice. Será que o general aceita ir para casa? Ou vai impor sua candidatura como cabeça da chapa. Parece que o general tomou gosto pela exposição aos holofotes e vai fazer de tudo para permanecer iluminado. Mas quem seria o vice se isso se confirmar?

  7. Belo texto, rica memória. Brizola sabia das coisas… é um discurso quase profético!
    Parabéns pelo texto.

  8. Brizola sempre teve razão!!!

    O Lula, Ciro, Haddad, etc… Deveriam seguir mais os ensinamentos do Brizola!!!

  9. Ah, Fernando Brito! Que pena, ver um brizolista e guerreiro como você ser forçado a defender o plano B, mesmo sabendo que a forçação de barra beira a chantagem.

    Comparar dois líderes políticos, guerreiros (cada um a seu modo), lutadores, como Leonel Brizola e Lula, a uma pessoa cuja experiência na política se resume a cargos de Secretário de Ministro da Justiça (na época Tarso Genro), Ministro de Estado da Educação e depois Prefeito de São Paulo por um mandato, cuja tentativa de renovação, na eleição de 2016, lhe rendeu a mais humilhante derrota, já no 1o turno, para o lobista e marqueteiro João dória Jr, sem que vencesse o pleito em qualquer distrito eleitoral da capital paulista, como é o caso de Fernando Haddad? Sinto muito, Brito.

    A impropriedade é ainda maior porque em 1989 Brizola estava em liberdade, disputou o 1o turno da eleição, sendo eliminado da fase final da disputa por uma pequeníssima margem (0,5 % dos votos válidos – pouco mais de 450 mil naquela época) e com graves indícios de fraude na totalização dos votos na região de MG que faz divisa com o RJ, onde a influência de Brizola era muito grande. Hoje o Ex-Presidente Lula é preso político, há quase 6 meses mantido numa solitária, na fria Curitiba. No cárcere político Lula sofre todo tipo de pressões, chantagens, coações e ameaças; enquanto resistia à prisão, no Sindicato dos Metalúrgicos em São Bernardo do Campo, entre os dias 5 e 7 de abril de 2018, um primo do Ex-Presidente Lula foi brutalmente assassinado em Pernambuco. O assassinato foi noticiado como se cometido por motivo fútil e apenas até o dia 9 de abril; depois o caso foi abafado e não se noticiou qualquer investigação para apurar o caso.

    Preso político, o Ex-Presidente Lula é brutalmente perseguido pelo sistema judiciário (lawfare) e pela máfia do “PT jurídico-judicial”, que tentam forçá-lo a desistir da candidatura. TODOS os direitos de Lula são solenemente desrespeitados pelos que deveriam ser fiéis fiscais (MP) e aplicadores (juízes) das leis brasileiras e das decisões de comitês, tratados e tribunais internacionais de que o Estado Brasileiro é signatário, dando às essas decisões caráter supralegal, portanto ACIMA das leis brasileiras. Agindo como ORCRIM, policiais, procuradores e juízes lavajateiros, bem como desembargadores do TRF-4, ministros do TSE, do STJ e STF, acintosamente descumprem as leis brasileiras e decisões internacionais que o Estado Brasileiro, voluntariamente, se comprometeu/obrigou a cumprir.

    Ao entrar no cárcere político, o Ex-Presidente Lula estava com boa saúde e sem reincindivas do câncer de laringe de que se tratou e foi curado há poucos anos. Não há notícias de que Lula esteja gravemente enfermo no cárcere. Mesmo preso político, Lula tem a preferência de mais da metade dos eleitores brasileiros que votam em algum candidato – mais de 50% dos votos válidos. Lula, e mais nenhum outro que venha substitui-lo, tem potencial para vencer a eleição presidencial no 1o turno. Fernando Haddad nada mais é do que o candidato imposto (ou consentido) pelos golpistas ao PT; ele é uma espécie de Emmanuel Macron tupiniquim, com pitadas de Lenín Moreno e Michel Temer. Negar esses fatos, essas verdades, é insistir no auto-engano, na cegueira deliberada, na disfunção cognitiva.

    Os defensores de Fernando Haddad bem que tentaram construir uma narrativa favorável, mas ele foi massacrado pela tropa de choque, pelo pelotão de fuzilamento da Globonews. Polìticamente ele é muito fraco e está comprometido com os golpistas.

    1. Teoria da Conspiração a essa altura. Fala sério, né ??
      SOU LULA, HADDAD, MANU, SOU POVO BRASILEIRO.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *