A diferença é o povão

Está chegando a hora da primeira decisão, essencial para que se possa chegar em condições de vencer a segunda, aquela que resolverá se o Brasil será – com todos os defeitos imensos que tem o que resta dela – uma democracia ou deslizará para o fascismo, para o império dos esquadrões da morte, das milícias, da polícia e para a redução do povo trabalhador a uma escravização pela sobrevivência, sem direitos ou esperança, incapaz até de resistir à venda, por migalhas, de tudo quanto ainda é patrimônio da Nação.

É isso, e não menos, o que se desenha ameaçadoramente e que nos deve advertir.

Ninguém pense que os grupos fanatizados que, já agora, promovem espetáculos de barbárie e selvageria vão se manter nos cercadinhos das redes sociais e do whattsapp. Vão tomar as instituições policiais, as militares, sem que os seus integrantes que ainda queiram resistir tenham como fazê-lo. Daí para a formação de grupos de milicianos – não faltam embriões – é menos que um passo.

Mesmo que na cúpula haja alguma resistência, a quebra da institucionalidade nos fará viver tempos piores dos que o de 1964, quando o regime autoritário foi implantado a partir da cúpula das instituições armadas (e até contra parte de suas bases) e não havia um movimento como este, de microcéfalos sarados e de insanos querendo poder disparar contra todos os que achem “suspeitos”, “viados”, “drogados”, “feias”, “porcas” ou “comunistas” e uma sucessão de estigmas que, como a estupidez, é infinita e renovável.

Repito: é isso, e não menos, que virá se fraquejarmos.

De novo, explico a razão de, desde sempre, este blog ter assumido uma posição favorável à candidatura que representasse o ex-presidente Lula, que é agora encarnada por Fernando Haddad.

Não é e nunca foi petismo, e não preciso mais que minha trajetória pessoal para prová-lo, embora este tipo de “prova” ideológica, em si, já seja uma concessão ao preconceito e à estupidez. De qualquer forma, uso como atestado de que não estou, hora alguma, preocupado com “hegemonia petista” ou vantagens partidárias.

Mas estou, todo o tempo, preocupado com o significado que a disputa política toma para a população.

É a consciência que nutro, desde rapazote, de que não se faz transformações sociais sem povo, a partir de um grupo de puros e ‘iluminados’. Muito menos se defenderá a democracia pelos ‘doutos’, porque um regime de castas não a sustenta, pela iniquidade que exige.

E para o povo brasileiro, há mais de dez anos, é Lula quem personifica seus anseios e seus direitos.

Não compreendo que haja uma cegueira ao fato de que, com Lula candidato, este avanço do fascismo seria muito menor ou, talvez, existisse de forma apenas marginal. A direita, os dominadores do povo brasileiro e artífices do golpe jamais deixaram de ver esta verdade, tanto que tudo fizeram para persegui-lo, desmoralizá-lo, condená-lo, prendê-lo e, ainda agora, mantê-lo incomunicável com a população.

E fizeram algo, que alguns de mente fraca, na esquerda, agora adotam como “razão”: ou Lula cede e se retira ou “puxará cadeia pelo resto da vida”. Lula, que individualmente seria o mais prejudicado com isso, não cedeu porque sabia que isso seria entregar-lhes o país.

O que apontaram como “egoísmo” é, de fato, heroísmo e martírio.

Não pretendo “virar votos” e considero Ciro Gomes um homem digno, com todo o direito de candidatar-se. Também não o considero, mesmo com sua longa história de individualismo, que o fez transitar por sete partidos diferentes, um homem que coloque suas ambições acima de tudo.

Mas seria cúmplice  se silenciasse diante do uso de seu nome para atacar e desqualificar, com os argumentos que a mídia e o Judiciário querem fazer de “senso comum”,  aquela que será, a arma que teremos para enfrentar a ascensão fascista.

Há, na lei, a figura da tergiversação, que consiste em que alguém defenda na mesma causa,  partes contrárias.

Haverá dois lados, e todos terão de escolher aquele em que ficará.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

31 respostas

  1. Uma corrente da esquerda defendia que em razão do desgaste do PT a legenda não deveria sair com candidatura própria e sim apoiar uma outra como, por exemplo, o Ciro. Tenho certeza absoluta que se isso tivesse acontecido, o principal mote hoje dos golpistas seria Lula e o PT sabendo que iam ter uma derrota fragorosa neste pleito se acovardaram e resolveram se esconder atrás de uma outra candidatura mais viável. Esse é o primeiro ponto, Lula e o PT estariam assinando o próprio atestado de óbito por antecipação e dando munição para o inimigo desmoralizá-los. Não se pode esquecer que o principal mote dos golpistas era que depois de todos aqueles escândalos envolvendo Lula e o PT, o partido partia para extinção. Por essa razão, o PT jamais poderia fugir desse embate tinha que colocar a cara a tapa ou para confirmar os que os golpistas propagavam ou para mostrar como estamos vendo que o partido ainda tem muita força e seu líder mesmo preso ainda comanda parte do espetáculo. Não tinha para aonde fugir ou ia para luta ou se renderia aos argumentos dos inimigos, que querem sua extinção. O outro aspecto da questão é a conclusão que todos estão chegando, este pleito se resume no petismo e antipetismo. Então vejamos o que aconteceria, se o PT tivesse desistido da candidatura própria e apoiasse uma outra como do Ciro, Boulos ou Manoela, na certa qualquer um deles estaria hoje na posição ocupada pelo Haddad. Isso não tem como questionar, mas os apoiadores dessa vertente só falam no bônus, no lado positivo desse apoio de Lula e do PT a essas outras candidaturas a esquerda. Omitem ou por má fé ou cegueira mesmo o outro lado da moeda que é o antipetismo, que se atinge a candidatura do Haddad na certa atingiria da mesma maneira qualquer outro que tivesse o apoio lulista. Isso é cristalino aquele que tivesse o apoio de Lula logo passaria a ser o inimigo a abater e passaria a ser alvo da artilharia pesada dos bolsonaristas

    1. Tudo é fake na campanha do bozo…promessas fake, candidato fake. eleitorado fake, perfis de facebook fake…uma fraude completa.

  2. Prezado Fernando,

    É inacreditável que depois de tantas licoes que a luta política tem nos imposto, não tenha se transformado em aprendizado, e que ainda tenhamos que parabenizar pessoas com a sua postura e lúcida visão da nossa realidade.
    Sinto muito orgulho de você, queria que se multiplicador em milhares.
    Nao sei se entendi bem o que discorre acerca da personificação do Lula com o povo brasileiro. É certo que está identidade existe mas não se pode desconsiderar que o povo compreende perfeitamente a identidade de Lula e o PT .O povo sabe quem é Lula, o dirigente do PT, é uma simbiose, creio eu.

  3. Essa eleição é Lula e somente ele. Tudo gira em torno de Lula, a incontestável liderança nacional. Já se disse que Lula é um ” animal político” e que enxerga longe o que a grande maioria não vê. A decisão de não se entregar a uma embaixada e ficar imobilizado politicamente seria bom internacionalmente mas para dentro do país significaria pouco ou nada pois ele seria muito mais hostilizado e cerceado do que tem sido agora. Com sua decisão manteve o PT ativo e em busca de sua libertação, com crescimento de afiliados ( 2 milhões hoje) e com chances de bom desempenho nas eleições em todo o território nacional; os demais partidos importantes minguaram, alguns deverão chegar à beira da extinção. A direita, se não criar formalmente um partido fascista ( o nome pesa, será que terão coragem?) ficará com sua colcha de retalhos e é questão de pouco tempo para um brigar com outro por cargos, poder, espaço, diferenças religiosas e filosóficas. Isso tudo partindo do princípio que o capitão ganhará. Tudo indica nessa hipótese que o seu governo chegará ao fim rapidamente pois a expectativa é que não conseguirá governar ( Collor versão 2019) e tendemos a ter um novo golpe militar à frente. O PT permanecerá a menos que extingam os partidos como em 1964. Se o capitão não ganhar o PT continuará forte e o país poderá caminhar novamente. e dentro da nossas democracia com todos os seus defeitos. A esperança da vitória vem do fato de Lula ser povo e povo ser Lula; Haddad hoje é Lula. Essa a razão de não o deixarem falar á imprensa. Vamos homenageá-lo com nosso apoio e votos.

  4. O Brito não precisa de nenhuma explicação para justificar sua maneira de fazer jornalismo. É o verdadeiro jornalista e tenho orgulho de ler, todos os dias, seus textos. Já alguns ” blogueiros sujos,” tipo PHA, não merece esta consideração. Mudou para blogueiro imundo. Ele só gosta de si mesmo. E ele ainda fala mal do Fux, o Zé Bonitinho! Fora PHA!

  5. Na banquinha PT Haddad Lula Livre em Ipanema reta final 1º turno eleição

    É fim de tarde na Praça General Osório, perto da estação do metrô, muita gente saindo da praia, depois de um dia quente e cheio de sol. Três barraqueiros da praia puxando sobre rodinhas seus pertences de trabalho se aproximam. Um deles, chapeuzinho enterrado na cabeça, vem falando para um dos companheiros: Que Bolsonaro que nada! E pra gente: tem Lula Livre? Enquanto íamos fornecendo o que ele pedia incluindo material do Haddad, ele aceitando e pegando mais, o companheiro retruca: E você entende disso? E o nosso amigo: Entendo. Entendo. Ele quer acabar com o 13º salário. E o outro: E você tem 13º, cara? Por baixo da aba do chapeuzindo nosso herói responde: Homem, qual é o melhor mês na praia? Não é dezembro e janeiro? Porque o pessoal tá cheio da grana do 13º. E daí gastam muito. Pois é, isso é o nosso 13º.
    Genial, hein? Barraqueiro de praia dando aula de economia. Lula não teria dito melhor. É isso. O povão entende, e muito, de vida real. Mas o outro não pareceu muito convencido e aí falamos que se acabassem com o 13º agora, ele não teria chance de conquistar um dia, porque estavam acabando com os direitos do trabalhador. Daí ele disse: Bom, isso é verdade. Pois é e lá foram eles puxando os trastes e com muito material do PT para distribuir.

  6. Exato Brito, assino embaixo tudo o que escreveste e me identifico da mesma forma como voce como um não-petista a defender Lula e a candidatura que o substitui.
    Ninguem melhor que Lula representa neste momento no Brasil os interesses das classes trabalhadoras, das forças democráticas e dos interesses nacionais. Não é o único, é óbvio, mas Lula é a principal liderança do campo popular, democrático e nacionalista. E o povo sabe disso e é com o povo que devemos dialogar nestes dias decisivos. Esqueçam as elites. Devemos gastar energias dialogando com o povo trabalhador. Ir de porta em porta.

  7. Excelente artigo. Apenas discordo dessa parte:

    “(…)Lula, que individualmente seria o mais prejudicado com isso, não cedeu porque sabia que isso seria entregar-lhes o país.(…)”

    Com a facilidade de comunicações que temos hoje, Lula nesta hora estaria dando entrevistas e gravando vídeos que se espalharia pela web em questão de minutos. Seu refúgio inicial numa embaixada criaria um incidente diplomático e barulheira de perseguição política com alcance mundial.

    Alguns podem argumentar que isso criaria a narrativa de que Lula estaria fugindo. Para os coxinhas certamente, mas duvido que isso fosse mudar a percepção do povo que gosta de Lula, já que este mesmo povo já o tinha absolvido e condenado a perseguição da Farsa a Jato.

    O resultado prático desse martírio é apenas três: o martírio de Lula propriamente dito, o cerceamento da comunicação dele e a narrativa dos incorrigíveis coxinhas, de que Lula teve o que mereceu.

    É possível que Lula tenha dado ouvidos a tresloucados próximos que acreditaram cegamente nas instituições – isso num momento em que já havia fartos sinais de que a democracia havia ido para o saco e que o judiciário estava se comportando como uma máfia. Sim, os grandes líderes também erram, pois errar é humano.

    1. Essa tese do DE e do PCO é furada pq nega a essência do próprio Lula e sua profunda relação com o povo. É uma tese q se coloca distante do Lula e de sua trajetória. É só escutar atentamente tudo q Lula disse meses antes da prisão e juntar isso tudo ao elo indestrutível q ele tem com o povo para entender o q ele escolheu. Lula tbm explicou várias vezes as razões de sua escolha. É finalmente uma tese baseada em fuxico e falta total de empatia com o q Lula é e significa. Perdoe-me a repetição.

      1. Lula é o Povo e o Povo é Lula. Essa simples vdd é q é insuportável para os golpistas. Lula é muito sábio e resiliente. Uma força da natureza. Se estivesse numa embaixada teria perdido a presença do povo e os bom dia, boa tarde, boa noite, Presidente. Como não amar Lula? Veja como Moro só existe graças ao sangue do Lula. Os caras fazem tudo para silencia-lo mas a voz de Lula está cada vez mais cravada na nossa alma.

  8. Haddad vai passar ao segundo turno, mas correu um risco muito grande. Viciada em povo nas ruas, a campanha negligenciou o peso enorme das redes sociais, principalmente do WhatsApp. Não entendeu o terrível furacão que por aí desabaria sobre a população ingênua. Investiu com cavalaria contra tanques de guerra de última geração tecnológica. Ainda dá tempo de compor uma grande equipe para fazer frente a isso tudo. Foi assim que Trump, sem contar com nenhum apoio na grande imprensa, ganhou as eleições nos EUA. É uma campanha bilionária que despeja milhões e milhões de mensagens mentirosas e escabrosas. Vamos em cima deles, mas vamos também com caças furtivos de alta tecnologia!

  9. toda eleição é a mesma coisa, uma parte da “esquerda” malhando o pt, achando que vai ganhar esses votos, e acabam na verdade não ganhando nada ou ate perdendo votos. Fazem o serviço sujo da direita

  10. A partir das 20 horas de 27.10.2018 quando sair o resultado final Haddad 70 milhões de votos contra 30 milhões do peselista devemos caçar a fonte dos fakenews e persegui-los até que eles pensem em suicídio por todo mal que praticaram. Ou podemos sabotar a ferramenta do whatsapp até que um juiz do interior do Maranhão retire essa ferramenta anti-democrática do ar.

  11. Seremos salvos do fascismo pelo Povão. São aqueles/aquelas que foram salvos da fome mortal, da miséria absoluta pelos Programas chamados de assistencialistas/populistas por aqueles que não fazem ideia do que seja não ter o que comer; dessa gente que come tudo aquilo que rasteja para não morrer de fome; que bebe água barrenta e contaminada dos açudes para não morrer de sede; que bebe água do chique-chique, também usado como alimento; que nunca havia visto luz elétrica, mas sempre viveram a base de lamparina. É desse Povo sofrido que falamos. São os esquecidos, os invisíveis, os número zero na escala econômica. Não são centenas nem milhares, mas milhões de brasileiros e brasileiras nessa situação. São os milhões de Severinos. O Povo dos grotões e rincões votarão naquele único que conseguiu se manter até hoje no imaginário popular, e com toda razão, pois precisam sobreviver. Eles/elas são Lula, seu irmão mais velho. E Lula é Haddad.

    Somos muitos Severinos
    iguais em tudo na vida:
    na mesma cabeça grande
    que a custo é que se equilibra,
    no mesmo ventre crescido
    sobre as mesmas pernas finas
    e iguais também porque o sangue,
    que usamos tem pouca tinta.
    E se somos Severinos
    iguais em tudo na vida,
    morremos de morte igual,
    mesma morte Severina:
    que é a morte de que se morre
    de velhice antes dos trinta,
    de emboscada antes dos vinte
    de fome um pouco por dia
    (de fraqueza e de doença
    é que a morte Severina
    ataca em qualquer idade,
    e até gente não nascida).

    João Cabral de Melo Neto

  12. A classe-mérdia brasileira é uma atraso só. Obtusa, mesquinha, anti-povo. Acha que é elite, mas não passa de um bando de assalariados que reiteradamente vivem de costas para o Povo. O Povão dos grotões e rincões hão de nos salvar, como já fizeram outrora. Viva o Povo brasileiro! Viva o povo do Nordeste!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.