A entrevista de Moro tem tudo para ser um desastre

A entrevista convocada para terça-feira pelo sr. Sérgio Moro, a não ser que dê voltas sobre generalidades, será um momento para começarmos a descobrir se teremos um governo único ou, afinal, uma federação de feudos, sobre a qual brilhará uma figura demagógica, a fingir uma autoridade que se dedicará a promover-se com apelos patrióticos, religiosos e autoritários.

Afinal, dos “superministros” anunciados até agora, não se conseguiu saber rigorosamente nada sobre os planos que serão implementados a partir de 1° de janeiro.

Paulo Guedes, o ‘posto ipiranga’ da economia foi desautorizado pela enésima vez na quinta-feira sobre uma CPMF que substituiria a contribuição previdenciária patronal. Onyx Lorenzoni, o chefe da Casa Civil, também vetou as pretensões de aproveitarem-se partes do atual projeto de reforma previdenciária e o general Hamilton Mourão deu um pontapé na proposta “oferecida” pelo queridinho do “mercado”, Armínio Fraga.

Será que Moro será o primeiro a anunciar algo de concreto?

Não se imagina que ele seja capaz de anunciar uma política nacional de Segurança Pública, o que deveria se a primeira preocupação da nova e superpoderosa pasta. Nem que possa definir quais são as peças do “pacote anticorrupção” com que ele estrearia no jogo. Acaso vai falar da liberação da venda de armas de fogo, a mais vistosa das propostas de seu novo chefe? Difícil.

De quinta até amanhã, fechado em seu mundinho curitibano, com quem terá discutido – já nem digo o mérito, mas a viabilidade política – um conjunto de propostas concretas para o setor? Com Deltan Dallagnoll? Com seu amigo Zucolotto? Com a querida Rosângela “Moro com Ele”?

Mesmo a “grande obra” de acabar com a presunção de inocência e tornar obrigatória a prisão após sentença de 2a. instância – além da péssima imagem pública de que se trata de uma decisão “personalizada” para ajudar Bolsonaro a cumprir sua promessa de fazer Lula “apodrecer na cadeia” – é matéria que exige mudar a Constituição e isso não é tão simples quanto assinar um mandado de prisão.

Ao que tudo indica, portanto, não será uma entrevista para mostrar planos, mas para mostrar as garras.

Mas o evento tem tudo para dar errado e nada para agregar algo de positivo a esta montagem.

As explicações que lhe serão mais cobradas não serão sobre seus planos, mas sobre seus atos e suas juras de que não entraria para a política.

E sobre seus planos não para a Segurança, mas para uma cadeira no STF e para as eleições de 2022.

Vai ter de se equilibrar para não exacerbar as contradições entre o papel que teve nas eleições e o que terá no governo. E para afirmar que aceitou o cargo porque recebeu garantias de Bolsonaro de que será “o rei do pedaço” e que, portanto, é ele e não o eleito que governará esta área.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

58 respostas

  1. Sobre seus planos, acho que nem ele sabe ainda.
    Vai ter que ir pros States, perguntar para o tio.

  2. Brito desculpe, mas me lembrei agora da entrevista do Bolsonaro no Jornal Nacional, que você previu um fracasso. Qualquer coisa que esses caras falem dá certo. Se ele disser na entrevista que “batatinha quando nasce se esparrama pelo chão…”, os bolsominions vão aplaudir histericamente. Metade do Brasil enlouqueceu e não tem cura a curto prazo.

    1. pois é!! e este é mais que um posto Ipiranga…ele é refinarias..reservas do pré-sal … coveiro da Petrobras…depois vem o resto !!

    2. O problema não são os minions que leem, mas os que fazem perguntas sonsas ao invés de fazer jornalismo. Com certeza haverão mais perguntas sobre “o que sua mulher achou? já tem planos pra se mudar pra brasília?” do que perguntas sérias.

    3. Concordo Antonio, infelizmente essa grande população cega que votou no Boso não tem cura
      Estão contagiados e a cura demorará decadas.
      O Brasil afundará mais e mais.

    4. Concordo, o buraco é mais embaixo. Não interprete a reação da massa por sua própria racionalidade. Se Moro aparecer e não disser nada o rebanho vai ao delírio. Moro é o rosto que Bolsonaro botou na linha de frente para fazer demagogia quando começar sua guerra inevitável com o STF, OAB, setores da Mídia (a que não se “comporta direitinho”) e demais instituições que gritarão contra a escalada autoritária.

  3. Fracasso? A metade da mídia que não está lambendo o escrôto fascista estará mais assustada que balão em um agulheiro… quer saber? Deixa esses imbecis engatarem a terceira e saírem distribuindo sua ignomia Brasil afora… não existe Governo que se sustente sem oferecer alguma alegria à população, e esses caras não sabem sequer satisfazer a si mesmos. Em três meses estaremos todos desejando vê-los pendurados pelo pescoço.

  4. Sr.Brito.Saindo um pouco do tema,gostaria de comentar do seu blog,o seguinte.A política sem polemica,é a arma das elites.Pois eu acho que a arma das elites,foram e são as CLASSES MÉDIAS,hoje PEQUENA BURGUESIA,fazedores de propaganda e o serviço sujo.

  5. A Folha Universal é que vai fazer as perguntas ou a TV Record? Se perguntarem prá valer, ele vai fazer como sempre fez: “a entrevista está encerrada”. Pobre BraZil!

  6. Difícil imaginar que uma constelação dessas dê certo. É muita gente esperta para ser coordenada por um desequilibrado.

  7. Tudo bem, governar pelo Bolsonaro é previsível, Bolsonaro não sabe nada o que fazer, foi eleito com propostas de botequim que não cabem agora fora da cerveja, logo a pergunra é”: Quem governará?

    1. Por qie será que um general disse que existe um plano para matar o Coiso? Acho bom a esquerda ficar atenta. Vários militares serão empossados em estatais. O que isso quer dizer? Sei lá, apenas desconfio de algo maior.

      1. Também acho que a esquerda tem que ficar atenta. Um atentado de falsa bandeira não estaria descartado não. Até
        porque, o vice poderia ocupar o lugar do capitão. Os caras sabem que ele é louco. Em outras palavras: eles matariam dois coelhos com uma cajadada só.

  8. Será que vai ter algum jornalista macho capaz de perguntar sobre a condenação de Lula, a influência direta do dito magistrado nas eleições e agora sua participação no governo que ajudou eleger?

  9. Prezadíssimo Fernando Brito, você realmente crê que a entrevista será um desastre ? São os blogues e o “El País” que vão entrevistá-lo ? Vai ser difícil o juiz responder sobre o corte de cabelo e provavelmente sobre a cor do terno que usará na posse ? Algum jornalista mais ousado talvez até pegunte qual a sua, dele, preferência alimentar no café da manhã. Nadará de braçada,

    1. Já estou vendo os colegas ajoelhados ao redor da mesa do Sr. Dr. Juiz TodoPoderoso. Ninguém pergunta nada que magoe o bonitinho, não. O patrão não gosta e essa rapaziada que frequenta as redações tupiniquins de uns 20 anos pra cá, nunca soube o que é jornalismo

  10. teria, caro Fernando Brito se algum/a jornalista fosse cobrar alguma explicação. Pelo que temos visto, estão muito mais preocupados em edulcorar as lamentáveis figuras que estão vindo por aí. Talvez perguntem se ele vai cortar o cabelo em Curitiba ou em Brasília e, seja qual for a resposta, tecerão loas à sábia decisão

  11. Só existe uma certeza neste futuro desgoverno, vão estourar o que resta das reservas de quase quatrocentos bilhões de dólares produzidas nos governos Lula e Dilma. Ao fim de quatro anos estaremos de joelhos aos pés do FMI e o próximo presidente herdará o que restar, um país falido e profundamente dividido.

  12. Estou deverasmente preocupada (parodiando o prof Raimundo ) . Estou encantada com a “Sede Sapiens” dos cujos. Socorro

  13. Belo artigo que saiu no NYT, o Brasil de Bolsonaro tem tudo para ser a Hungria de hoje. O autoritarismo não quer uma imprensa leal e sim uma imprensa vil. A folha cheia de dedo para chamar Bolsonaro de extrema direita vai sentir o bafo quente do fascismo. A globo verá que não existe pacto com conservadorismo na economia e politica e liberalismo nos costumes (vide novelas). Vejamos.
    https://www.nytimes.com/2018/11/01/opinion/hungary-viktor-orban-press-freedom.html

  14. Sérgio Moro que se cuide, porque a história não é boa com os líderes periféricos que aparecem demais e ameaçam sombrear o poder total de governantes autoritários.

  15. Entrevista convocada por ele. Quem serão os entrevistadores? Precisamos saber, não é Brito?

  16. Já disse aqui e vou repetir. A gente tem q parar com a mania de se adiantar aos fatos. Deixem eles …. se o desmoronado chegar sem saber das perguntas dessa improvável entrevista coletiva sem imprensa , será um ponto a nosso favor. Se o fraga fose realmente nomeado ministro poderíamos jogar na cara do bozo … mas não… alertamos a ele … aí o sujeitinho não foi nomeado. Passamos por fakes e vida q segue. Precisamos de uma clandestinidade de ideias aonde eles não saibam nada do que pensamos.

  17. Quem viver verá um jornalista que seja fazer alguma pergunta espinhosa para o Torquemada ?!?
    Hahahahah Hahahahah Hahahahah
    Vai ser aquele “Rame Rame” de sempre a lá Coletivas do Tite
    Palhaçada!!!!

  18. Essa entrevista já está até combinada com a mídia velhaca. Não vão dar ponto sem nó.

  19. O ministro da justiça com sua super capa preta só combate o crime de um lado. O cara quer ser presidente.
    Se ele for para o Supremo vai dar vexame pq não tem conhecimento para isso, apesar que muitos lá parecem que não sabem muito de direito. Além disso será uma ciumeira lascada de juízes e desembargadores.
    Vai levar toda a turma da lava jato com ele. É mesmo um projeto de poder como dizem.

  20. Manter a trincheira e não arredar pé é necessário. Mas, é hora de economizar munição. Este processo só começa a mudar no médio prazo e temos que nos preparar para uma longa guerra.

  21. será que o chefe vai ter que dar pito nele também??!!…duvido-e-o-dó !! esse tem as costas quentes…é mais que um posto Ipiranga é uma refinaria e os campos de pre-sal que ele tem que defender…depois vem o resto !!

  22. Sou favorável a deixa-los de lado por uns tempos. Deixe que se matem, que falem asneira em cima de asneira, que ameacem guerras para as quais não tem sequer coragem suficiente, enfim que se lixem. E junto com eles o povo que os elegeu. Esperemos para saber o que restará do Brasil daqui a seis meses.

    1. Ótimo comentário, deixá-los de lado é uma excelente ideia, logo as classes ricas e médias que colocaram essa súcia no poder acordarão e o encantamento por si só cairá aos níveis mais deprimentes que esse país já assistiu, quem viver verá e o juiz que jamais seria um político, será o primeiro a ser defenestrado do Palácio da Alvorada!

      1. Acho que não, o Temer, ninguém o queria mas ficaram quietinhos durante todo o tempo em que ele sentou sua bunda na cadeira que não é dele. Nenhum coxinha foi pra rua reclamar. A pergunta era essa: onde andam os coxinhas? Com essa cambada que eles elegeram, pode ser a mesma coisa. Se se decepcionarem com os resultados, vão ficar quietinhos, inexistentes. Se alguém da esquerda fizer um gesto, eles acordam e se alvoroçam. Tudo, menos o PT, dirão os acéfalos.

    2. O pior é que o que restará será o Brasil de todos nós. Acho que ninguém tem o direito de retaliar uma nação durante os 4 anos que está presidindo-a. O Brasil não é de meia dúzia, é de milhões. Amo meu país e não suporto vê-lo tomado por esse bando de calhordas, cujo único objetivo é destruí-lo, reparti-lo e vendê-lo em troca de propinas e barganhas.

  23. Caros amigos, a ilusão é efêmera e os iludidos de hoje são os frustrados e ou os revoltados de amanhã. A racionalidade e a análise simples dos fatos levam-nos a olhar para o cenário com a devida ponderação, extraindo uma compreensão proporcional e ajustada à gravidade dos acontecimentos, de suas implicações e desdobramentos futuros.

    Então, vamos lá. Com o perdão da palavra, a merda tá feita. Mas, daí a achar que o mundo acabou é um salto de imaginação, uma antecipação do tipo morrer de véspera.

    Temos um governo protofascista, com tudo o que isso implica. Fato. Também é fato que não tem o apoio irrestrito ou mesmo o apoio da maioria da população o que pode atrapalhar seus planos de passar de proto para pronto.

    Vamos e venhamos, para que isso ocorra é preciso que se cumpram três promessas de campanha: 1ª – zerar o déficit ou ao menos reduzi-lo significativamente até dezembro de 2019 e fazê-lo sem que isso implique na falência imediata dos serviços públicos e da infraestrutura; 2ª – fazer a economia acelerar e reduzir o desemprego até o fim do próximo ano; 3ª reduzir a criminalidade ou ao menos aumentar a sensação de segurança.

    Há muitos outros desafios importantes, mas estes três são os que mais afetam a popularidade e, consequentemente, o apoio dado ao governo e a “autorização” popular para impor sua ideologia canhestra. Poderia estender-me sobre a improbabilidade que quaisquer destas promessas possam ser cumpridas face ao provável plano de voo desse governo, mas não. Sequer precisa. Olhemos para a evidência mais próxima e que mais se destaca. As pessoas.
    Não recordo de outro governo onde a mediocridade e o despreparo dos seus principais agentes fosse tão evidente, tão gritante. Talvez o de Temer, mas esse não é um governo, é um golpe passageiro, não conta. Faltam ainda muitos nomes, mas pelo que vimos até agora não podemos esperar pelo tal dream team. O que vimos, au contraire, permite dizer que o que está ruim tem tendência de piorar. Desafios como os que, ora, estão postos à frente exigem competência, habilidade e sensibilidade, sejam política, técnica ou de gestão. E, isto, meus caros conterrâneos e companheiros de viagem nessa jornada insana, não há. Basta olhar para o grupo que rodeia Bolsonaro e para o próprio. Temos o chamado óbvio ululante. Não há ilação, suposição ou preconceito nessa afirmação é fato inconteste.

    O que há é a conclusão inevitável: vai dar merda. Isso mesmo, mais merda. Mas essa será a oportunidade. Não para golpes, isso não ajuda a quem pensa em democracia. Oportunidade para manter esse governo no corner, apanhando por quatro anos tal como um boi na roça até ser substituído, na eleição, por um governo popular e desenvolvimentista que restaure as possibilidade do avanço econômico, político e social. Oportunidade para enterrarmos de vez por todas esse projeto neoliberal, excludente e antidemocrático.
    Será um trabalho árduo, difícil, penoso e não evitará prejuízos. Mas, essa é a realidade, não a que gostaríamos que fosse, mas como ela é. Então, mãos à obra, recuperar o Brasil da mãos dos bárbaros é tarefa que já se iniciou. Pé quente e cabeça fria galera, numa boa.

  24. Não adianta, indignação por antecipação! Deixe o cara se enforcar sozinho! Para Lula, sua nomeação foi um presente! Deixem esse F.D.P, acabar com a politica externa e trazer o isolamento diplomático e economico! Em um ano o boçal derrete, tornando-se mais um!

  25. Os adoradores do Super Ministro, vão querer ouvir o que ele já disse ter dito – mentira ou não – a Bolsonaro: que sua condição para aceitar o cargo seria o dele pôr em prática os 10 mandamentos contra a corrupção. Vai fincar o pé nisso. Vai meter o cacete em Lula, de novo, e vai dizer que quem prendeu Lula foram os desembargadores. Aliás, Sardenberg diz isso sorrindo, de forma jocosa, contra os petistas.
    Como a Globo está em disputa com a Record e se entende com Moro de forma fraternal, não duvido que antes da entrevista ela coloque aquela vinheta de Urgente, com uns microfones, embalada pela música de anúncio de defunto.

  26. MORO não tem confabulado com a turminha de Curitiba ..mas com os TUBARÕES do TRF4 e STJ ..e isso pra não dizer dos planos traçados pelos GORILAS das Forças Armadas com os quais o “juiz” já estava comprometido antes mesmo da Lava Jato

    Entenda nobre sagaz jornalista ..este golpe vem sendo tramado desde o MENSALÃO ..mama Vana, com sua inabilidade, só facilitou as coisas

  27. Proponho ao TSE implantar o sistema de validação dos resultados. A ideia é divulgar o resultado com a celeridade atual, ou seja, usando a transmissão em rede, e depois valida-los com um software eleitoral fora da rede. Neste caso, os cartórios eleitorais enviariam todos os cartões – mídias – de votação para a seção de informática dos tribunais regionais – imediatamente após as eleições – e os dados seriam inseridos. Antes disso, por precaução, todas as mídias seriam varridas com um antivírus poderoso. Daí eles matariam dois coelhos com uma cajadada só. Se hackers invadissem a rede e colocassem vírus no momento da transmissao a manobra seria descoberta depois , mesmo que eles apagassem todos os rastros. Por outro lado, o sistema de validação não seria contaminado com virus oriundo das mídias de votação, bem como seriam descobertas eventuais contaminações no sistema de totalização por ocasião da transmissão dos resultados. Daí, a segunda etapa do sistema de votação seria realmente segura. Tudo indica que não está bastando apenas as urnas serem seguras. O sistema de totalização também tem que ser igualmente seguro. Peço que alguém tente fazer essa sugestão chegar a toda a cúpula do TSE, porque senão nosso sistema eleitoral cairá mundialmente em absoluto descrédito e, portanto, se perderá completamente.

    1. Outra providência importante é os cartórios eleitorais passarem as mídias de votação por um antivírus poderoso antes da transmissão em rede.

  28. BRITO: a coisa é muito pior do que pensamos. O Brasil levará, no mínimo, quatro décadas (é isso mesmo: 40 anos) para voltar à uma normalidade democrática. Essa geração de hoje será o nosso governante de amanhã. A elite tomou o poder e, futuramente, os filhos dessa elite serão os “donos” desse BraZil! Essa elite não pensa num país justo, pois visam somente o lucro. A Reforma da Previdência e a Reforma Trabalhista só servem para que eles enriqueçam cada vez mais, com o sofrimento e a miséria dos trabalhadores. Ou alguém acredita qie desoneração de impostos e contribuições faz com que os produtos fiquem mais baratos? A direita, em todo o mundo, só olha para o próprio umbigo. O neoliberalismo, com esse papo de livre concorrência (engana bobo) tudo que fez foi dar condições para os conglomerados internacionais que concentram renda nas mãos de poucas famílias. O BraZIl, mais do que nunca, virou quintal das grandes economias mundiais.

  29. Completando comentário: outra providencia importante seria todos os cartórios eleitorais varrerem as mídias de votacao com um antivírus antes da transmissão dos dados.

  30. Eu acho que a hora de Moro seguramente vai chegar, e nós ainda haveremos de nos deliciar com a queda dele. Primeiro ele vai perder expontaneamente o cargo de juiz – cargo que nunca mereceu – , depois perderá o cargo de superministro. Muita coisa pode acontecer daqui para frente para o senhor meretissimo juizeco. Eu digo que ele nao vai conseguir a proeza de continuar sendo ministro de um governo que será deposto.

  31. Sugiro que alguém compare o salário de ministro de governo com o que o meretissimo juizeco ganha incluindo todos os acessórios, tais como o auxílio moradia. Perguntem a ele quem vai pagar a diferença já que não abriu mão sequer de um benefício imoral como o auxílio moradia. Perguntem se ele rasga dinheiro.

  32. Não nos iludamos,senhor Brito.Existe uma LEGIÃO DE MORISTAS,em quase todo o mundo.E desconfio,serem MAIORIAS.Particularmente,daqueles que falam,o que os PATRÕES MANDAM.Claro esta,que a

  33. CLASSE MÉDIA,,a PORTA VOZ DOS RICOS,que desde os GREGOS E ROMANOS,que inventaram uma ABSTRAÇÃO QUE DERAM O NOME DE DEMOCRACIA,e que múltiplas legiões,aderiram,mesmo sem discutir o que significa,mas que,até nossos dias,não resolveu NENHUMA,das muitas aspirações dos “pobres e oprimidos”,ainda que essas mesmas legiões,não discutem,nem ouvem os apelos de HUMANITARISMO,que ao longo da história,lhes foram apresentadas.,e todos aqueles que ,meramente cogitam discuti-las,são considerados “SUBVERSIVOS DAS ORDENS VIGENTES.Não nos iludamos,senhor Brito,tem poucos INOCENTES,nessa refrega.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.