A estratégia do Governo é “ou tudo, ou tudo”

O Globo anuncia que o governo tentará enfiar, outra vez, o caso da capitalização previdenciária no parecer a ser aprovado na comissão especial que analisa a PEC da Previdência.

Nas redes sociais, uma legião de incientes berra “queremos um trilhão, queremos um trilhão” e prepara outra manifestação bolsonazi para o dia 30.

Será possível que Rodrigo Maia e os líderes do Centrão não tenham compreendido que é inútil qualquer tentativa de acordo com o governo, porque para Blsonaro é “tudo ou tudo”, mesmo quando parece aceitar um acordo.

Vai buscar na pressão das matilhas, dizndo que é o que quer ou o caos.

Será que estavam acreditando que Paulo Guedes poderia ser uma forma autônoma e ponderada no processo de negociação? Faltaram todos no dia em que ele deu várias “engrossadas” com os deputados?

Não me digam que deixam de perceber que ele deixa a economia brasileira descer ao pântano, justificando sua inação com o “só depois da reforma”?

Esta cnversa de dizer que a Câmara tomou a reforma para sí só pode ser um delírio. Como ela não vai resultar em alívio da situação econômica, os deputados serão, óbvio, apontados como os culpados de não terem dado o que Paulo Guedes queria, embora tenham dado quase tudo.

Se para eles serve o “ou tudo ou tudo”, ficará lhes restando o “nada ou nada”, que é seguir sendo transformados nos vilões da nação.

Na “usina de crises”, não haverá gratidão nem piedade.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

8 respostas

  1. Para Guedes e os banqueiros, a estratégia é: NO MÍNIMO, A CAPITALIZAÇÃO.
    Claro que a capitalização é o que vai realmente quebrar o Brasil. O governo passará a arrecadar pouquíssimo, já que a maioria dos trabalhadores vão ser forçados pelos empresários a escolher o regime de capitalização. De onde virá o dinheiro do governo para pagar os já aposentados? Assim como em outros países que adotaram a capitalização, esses valores corresponderão a várias vezes o PIB do país.
    Mas Guedes e os banqueiros não se preocupam com isso. O governo que emita títulos para pagar essas aposentadorias. Assim, eles ganham nas duas pontas. A bem da verdade, nas três pontas. Porque, assim como no Chile, na hora de pagar as aposentadorias no regime de capitalização, os valores serão baixíssimos, pois os bancos incorporaram a maior parte do valor, por conta de taxas de administração e aplicações pouco rentáveis. Ai o governo da vez terá que entrar ajudando os aposentados em situação de miséria.

  2. O TUDO DOS DELINQUENTES É A CAPITALIZAÇÃO ,FOI O QUE PROMETERAM A SEUS PARCEIROS DE GOLPE E CASO NÃO CUMPRAM GANHARÃO UM INIMIGO.
    O resto não tem a menor importância ,qualquer proposta que os delinquentes façam sempre estará baseada na africanização do Brasil.
    A tal de capitalização não resiste 5 minutos de cálculos básicos de matemáticas,É UMA CANALHICE!.

  3. Quem vai financiar a manifestação bolsonazi para o dia 30. Porque jornalistas investigativos não investigam quem financia a manifestação zumbi? Ou não vem ao caso? Será o Itaú, Bradesco, ou Santander ou os 3 misturados com empresários escravocratas.

  4. O Bolsonaro cai logo depois que aprovar a reforma, rentista atraves da mídia correm contra o tempo, é só isso que eles almejam. Tropas na porta.

  5. Crises fabricadas em série para endurecimento do regime, entretanto o projeto fascista, herdado do golpe de 2016, de esticar a corda na certeza que vai arrebentar pro lado da esquerda parece ter saído completamente fora do script.
    O The Intercept e a própria desqualificação endêmica da sua base no congresso estão eclodindo ovos não só de serpentes, como de lagartixas e camaleões que estão fazendo sozinhas o serviço de inviabilização desse (des)governo dos milicianos.
    Uma legião de imbecis das bancada da bala, dos evangélicos, dos fascistas, dos lavajatistas, dos entreguistas, dos milicianos e demais escrotos empoderados não conseguem sequer articular qualquer projeto com o maia (!!!!). Melhor dizendo, a escória da direita não consegue se unir com a escória da extrema-direita para aprovar projetos comuns (que lesam a todos nós óbvio).
    Essa conversa mole do guedes talvez seja igual ao murro da mesa daquela general decrépito. Ameaça vã e tola como seu autor, sem respaldo nenhum.
    Deixei de duvidar do inacreditável desde 2013, mas a leitura atual leva a uma situação inusitada > uma radicalização autoritária, com intervenção direta dos milicos entreguistas, baseada na quebra da ordem institucional por obra da direita e da extrema direita.
    Definitivamente o Brasil não é para fracos.

  6. O Congresso tem que atentar para o fato de que a matilha do presidente é composta também de robôs e o quantitativo de seus seguidores não é nada perto de um quantitativo de mais de duzentos milhões de brasileiros. O Congresso tem que fazer alguma coisa pelo nosso povo freando os excessos e retrocessos deste governo. É o mínimo que podemos esperar dos parlamentares. O certo mesmo seria tirar essa escória da presidência da república.

  7. O bozzo tem lá seu fã clube,é inegavel,mas tambem não é bem assim ,sua manifestação no dia 30 se não for fracasso completo no minimo será uma meia bomba onde o unico preocupado será ele ao ver ao vivo e a cores que não tá com essa bola toda.

  8. Espero que os eleitores não reelejam os deputados que votarem a favor da reforma da previdência.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *