A fumaça da banana

Está estranha, muito estranha, esta fixação do presidente da República com a banana do Equador.

Se temos um problema não está na importação, mas na falta de exportações do produto.

O Brasil produz sete milhões de toneladas de banana por ano.

Exportamos pouco menos de 70 mil toneladas, grosso modo, ou menos  de 1% da produção nacional, quase nada.

E importamos 177 toneladas, segundo publica hoje a Folha.

Do Equador, ano passado, 61 toneladas, salvo engano da reportagem, algo como três carretas. Algo tão exressivo quanto a nossa “ajuda humanitária” à Venezuela.

Um centésimo de um milésimo da produção nacional.

O idem, mostra Vinícius Torres Freire, nem aparece isoladamente nas listas de importações do Equador, país de que compramos oito vezes menos do que vendemos.

E do qual nem mesmo estamos comprando banana, agora, por razões fitossanitárias.

Então, qual é a razão de ter sido um dos principais temas da “live” presidencial?

Pode ser, claro, fruto da limitação mental  de Bolsonaro, como querem seus admiradores menos insanos, que, diz Freire, o perdoam pela ideias “restritas à paróquia mental do presidente, sem efeitos maiores ao menos na política econômica”.

É possivel, ainda, como sugere Janio de Freitas, que seja para agradar “parente e amigos querem também a garantia da liberdade de pulverização das suas plantações [de bananas] com agrotóxico.

Mas pode ser também a contrapartida “fake” – nacionalismo com quinquilharias – é uma entrega da economia no que é sério.

Afinal, podemos entregar uma fábrica de aviões de sucesso mundial, mas não podemos importar três carretas de banana, talquei?

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email