A incrível omissão do governo no caso da Ford

É inacreditável a inércia do governo brasileiro no caso do anunciado fechamento da fábrica da Ford em São Bernardo do Campo.

Para entender a importância disso basta imaginar o inverso: a festa que os governantes estariam fazendo se a montadora, em lugar de fechar, estivesse abrindo uma fábrica.

Mas não temos Ministro do Trabalho  para defender os 3 mil trabalhadores que, de boa-fé, fizeram um acordo em maio do ano passado para ter, entre outras vantagens, estabilidade no emprego.

Também não temos ministro da Indústria e Comércio, que pressione a empresa pelos benefícios tributários que recebeu a fim de funcionar e crescer.

Sequer temos um presidente disponível para falar com a alta direção da empresa, aqui e lá na matriz americana para reverter essa decisão que, noticia-se está ligada à intenção do CEO da empresa,  Jim Hackett  de reduzir ao máximo a empresa, acabando com os prejuízos e investindo onde há perspectiva de lucro.

O presidente está ocupado, tuitando.

Vrdade que o governador de São Paulo se mexeu, mas com uma história estranhíssima de vender a planta a outra montadora, diz-se que à GM, outra que anunciou  o fechamento de fábrica no Brasil, não faz muito, em janeiro.

Montadora de automóvel, quando diz que vai fechar, o faz por duas coisas: quer vantagens fiscais ou não acredita na expansão dos negócios e acha que faz melhor com uma estrutura menor.

Coisa estranha para quem diz que estamos senão em plena, às portas de uma retomada que, asim que os velhinhos estiverem com sua miséria garantida, vai despejar dólares e dólares sobre o Brasil.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

47 respostas

  1. Quando o governo existe só para desgraçar a vida dos brasileiros, é este mesmo governo que não existe para defender os brasileiros. Governo que tira dos pobres para dar para os ricos. Este é o governo do miliciano Bozo.

    1. Quando se dizia que o Golpe de 2016 e a Lava Jato haviam destruído um terço do Brasil, os efeitos desta destruição não viriam imediatamente. Eles vêm assim, aos poucos. Grandes e tradicionais empresas fecham suas portas. Vão embora do país. A indústria nacional vai acabar. Com o tempo, a miséria se alastrará, e não haverá mais qualquer razão para construir um metro sequer de infraestrutura. E o que foi construído se irá transformando em ruínas. O agronegócio vai se arrebentar sozinho, sem a ajuda do Estado, e será engolido pelas multinacionais, que levarão embora não apenas os grãos, mas também os lucros e o orgulho nacional. Sentimos muitíssimo, General Mourão, mas os mascates do neoliberalismo que vendiam um mundo dourado não querem que o Brasil se desenvolva. Só com a ajuda poderosa, inteligente e firme do Estado uma nação subdesenvolvida poderá sair do subdesenvolvimento.

    2. O anúncio do fechamento da fábrica da Ford hoje, deverá(ia) ser um sinal do que está por acontecer aqui. Anos de estagnação econômica, seguidos por medidas governamentais patéticas, que fragilizaram o trabalho a aumentaram sua precarização, tendem a ferir de morte muitos negócios destinados às classes média / alta ainda que, de início, isso pudesse parecer bom para esses mesmos segmentos da indústria e do comércio.
      Agora, temos um governo novo cujo único projeto de estado, de nação , conhecido é reformar a previdência. É muito pouco para um país.
      Se comparado a um navio, o Brasil está atravessando mares revoltos, em meio à grande tempestade, sem que tenhamos na ponte de comando alguém com qualquer experiência, mesmo que pequena. Agora, fomos atingidos por um iceberg que rasgou o casco. Será que tem jeito? Será que há alternativa para o navio, seus passageiros? Está feia coisa.

  2. ontem o Paulo Ghiradelli fez um vídeo aterrador
    ele desenhou o que signifca fechar essa fábrica – é uma reação em cadeia de decadência em larga escala de dificil recuperação

    1. Paulista adora atacar o nordeste por conta do bolsa-família.
      Comeram corda da classe média reacionária paulista.
      Não tenho pena.

    2. Sim, os vídeos do Guilardelli no youtube são ótimos. Vários por dia, sempre atualizados e ele mata a cobra e mostra o porrete. Prova com muito embasamento tudo o que diz.

  3. Nós não temos um governo, temos uma QUADRILHA DE VAGABUNDOS desgovernados na presidência.
    PQP !

  4. Está prestes a fechar também o que restou da fábrica da Mercedes-Benz em Juiz de Fora que montava o modelo “Classe A”. Pelo que se sabe ela vem se dedicando apenas à pintura de caminhões montados em outra planta fora de MG.

  5. Estranho, como de repente o Leandro Demori, do TheIntercept, que gastou um dia inteiro só com tweeters sobre a Venezula, agora sumiu com o assunto de sua página. Ele e a Lúcia Guimarães, que também adorava contar como favas contadas a derrubada do presidente venezuelano.

  6. Quantos trabalhadores da Ford votaram no Bostanauro? Esses devem comemorar pois é o q pediram para o Mico. Não foi não?

    1. Pelo que fiquei SABENDO, aí nesta empresa o REACIONARISMO é tão alto, que nem deixaram HADDAD e Manuela D’avila discursar na empresa na campanha política do ano passado, ficavam debochando com gritos de MITO,MITO.Agora é só fazerem dedinho de arminhas que passa.

  7. PARA CADA EMPREGO NA FORD MAIS NOVE SÃO GERADOS INDIRETAMENTE,SERÃO 30 MIL DESEMPREGADOS. ESSA É A RECUPERAÇÃO DA ECONOMIA? NA VERDADE TUDO É FEITO EM BENEFÍCIO DO PARASITA SOCIAL AGRONEGÓCIO E COMO TENHO DITO O BRASIL VAI SE TORNAR IMENSA FAZENDA DE SOJA E MILHO PELOS INTERESSES INTERNACIONAIS,PESQUISAS JÁ FORAM CORTADAS,TECNOLOGIA NEM PENSAR,ASSIM QUER OS ESTADOS UNIDOS,ROUBAM TODAS AS RIQUEZAS E EXIGEM QUE PRODUZIMOS O QUE PRECISAM. TEMOS DE DERRUBAR ESSES MILICOS,JULGA-LOS E CONDENA-LOS POR TRAIÇÃO E ATENTADO CONTRA A SOBERANIA NACIONAL,ESSES FATOS SÃO PASSÍVEIS DE PENA DE MORTE NO BRASIL.

    1. -Para agilizar,
      FORA militar!!

      -Chega de destruição,
      queremos eleição!!

      -Tudo está claro,
      FORA bolsonaro!!!

    2. Só que essa imensidão de soja, milho, arroz, será banhada com tanto agrotóxico que passarão a ser rejeitados pelos compradores internacionais… E vamos afundando…

  8. Graças á postura de apoio a partir de 2013, de muitos trabalhadores da Ford, da GM…, ao mito, milhões ficaram desempregados.
    Pois é.
    Agora é a vez deles.
    Phodam-se. Usem as mesmas garras para melhorar o pais.
    Já que o jogaram no lixo.

  9. Na verdade o governo que aí está não sabe o que fazer. Eles acreditam que as forças do mercado vão resolver tudo. E os trabalhadores que se danem! Lastimável!!

  10. E o coiso miliciano querendo guerrear com a Venezuela. “Triste, o fim de Policarpo Quaresma”, pois não se faz nada para preservar ou gerar mais empregos e ainda tem o desplante de falar em guerra com a Venezuela, atendendo não aos interesses nacionais, mas sim aos interesses dos americanos. Aonde estamos. NÃO QUEREMOS GUERRA COM NINGUÉM, MUITO MENOS COM NOSSOS VIZINHOS. FAÇA AMOR; NÃO FAÇA GUERRA. Governo nefasto e estúpido. Quer matar os velhos, sem aposentadoria, os de meia idade tem que trabalhar até morrer e os mais novos tem que guerrear com nossos vizinhos. Este miliciano adora nosso povo.

  11. A matilha que tomou conta do Brasil nunca teve e nunca terá projeto para o Brasil.

    O negócio de MATILHA é a NEGOCIATA do Brasil!

    Mas, 53milhões de IMBCIS votantes os legitimaram
    .

  12. Recomendo a leitura da entrevista de Luciano Coutinho, ex presidente do BNDES, para a DWelle, publicado também na Carta Capital.
    A tentativa de destruição do BNDES é o exemplo mais bem acabado de tiro do pé movido por uma mistura explosiva entre fanatismo político, mistificação ideológia e falta de escrúpulos. Parodiando o famoso economista inglês é como a aliança entre os que “não sabem que não sabem” (os meninos do mercado) e os que simplesmente “não sabem” mas repetem como se soubessem (os jornalistas “especializados”).
    https://www.cartacapital.com.br/economia/luciano-coutinho-bndes-e-integro-nao-funcionou-como-a-petrobras/

  13. Tenho uma sugestão para o Dória: Sugerir que na fábrica da Ford se fabriquem Lamborghinis, mesmo que sob licença.

    Com produção bem artesanal, seriam poucas unidades/ano, mas com um número similar de empregados.

    Afinal, com a concentração de renda cada vez maior – e principalmente depois da reforma da previdência – só existirão dois mercados sobre rodas: carrinhos de rolimã e superesportivos de mais de R$ 1 milhão.

    1. verdade. podem até aproveitar o knowhow daqueles coitados, que a polícia prendeu, por fabricarem réplicas de supercarros

  14. Passam os dias e fica mais claro o perigo que enfrentamos , a bomba social que acabará explodindo ,levando todos nós juntos.
    A análise da realidade nos mostra que hoje estamos pior do que ontem e melhor que amanhã.
    A economia desaba ,a perda de direitos é prioritária para esta quadrilha que nos governa ,temos a chance concreta de guerra do outro lado da fronteira e acabaremos respingados ou diretamente envolvidos ,a oposição não oferece alternativa nenhuma estão mais preocupados em garantir seu generoso salário no fim do mês.
    A liberação da venta de armas,(logo será o do porte) fornece instrumentos para fazer realidade a carnificína tão temida.
    O cara que podería chamar a um acordo dos sensatos,nacionalistas e humanistas ,está preso injustamente ,óbvio pelo que isso representa.
    Não vejo lideranças a alertar para esta realidade,todo se traduz em comentarmos as noticías do –dia– sem perceber que o buraco está ficando infinitamente maior do que tempo atrás.
    Acordemos !!!!!

  15. O anúncio do fechamento da fábrica da Ford hoje, deverá(ia) ser um sinal do que está por acontecer aqui. Anos de estagnação econômica, seguidos por medidas governamentais patéticas, que fragilizaram o trabalho a aumentaram sua precarização, tendem a ferir de morte muitos negócios destinados às classes média / alta ainda que, de início, isso pudesse parecer bom para esses mesmos segmentos da indústria e do comércio.
    Agora, temos um governo novo cujo único projeto de estado, de nação , conhecido é reformar a previdência. É muito pouco para um país.
    Se comparado a um navio, o Brasil está atravessando mares revoltos, em meio à grande tempestade, sem que tenhamos na ponte de comando alguém com qualquer experiência, mesmo que pequena. Agora, fomos atingidos por um iceberg que rasgou o casco. Será que tem jeito? Será que há alternativa para o navio, seus passageiros? Está feia coisa.

  16. O anúncio do fechamento da fábrica da Ford hoje, deverá(ia) ser um sinal do que está por acontecer aqui. Anos de estagnação econômica, seguidos por medidas governamentais patéticas, que fragilizaram o trabalho a aumentaram sua precarização, tendem a ferir de morte muitos negócios destinados às classes média / alta ainda que, de início, isso pudesse parecer bom para esses mesmos segmentos da indústria e do comércio.
    Agora, temos um governo novo cujo único projeto de estado, de nação , conhecido é reformar a previdência. É muito pouco para um país.
    Se comparado a um navio, o Brasil está atravessando mares revoltos, em meio à grande tempestade, sem que tenhamos na ponte de comando alguém com qualquer experiência, mesmo que pequena. Agora, fomos atingidos por um iceberg que rasgou o casco. Será que tem jeito? Será que há alternativa para o navio, seus passageiros? Está feia coisa.

  17. Algumas semanas atrás, a Ford e a GM (Chevrolet) anunciaram lucros altíssimos no ano de 2018. E que, por conta disso, vão encerrar a produção de carros pequenos, para focar única e exclusivamente em pickups (Ranger, S10 e similares). Isso lá nos EUA, eles também fecharam fábricas lá.
    Com esse governo vira-lata, o que me surpreende é ninguém estar aplaudindo, tamanha submissão ao tio sam.

  18. Prática comum entre elas que seria também para obter cash$$ e com isso comprar outras de outro ramo…

    Ex. disso pode ser visto no Documentário “Roger e Eu”, de Michael Moore, acerca da GM…

  19. Tudo vai se encaixando, as montadoras americanas, seguindo a orientação de Trump, elas devem priorizar investimentos nos EUA, se país sede. Como o governo Lambe bosta do Tio Sam, instalado no Brasil, caminha para um acordo de livre comércio com os EUA, ótimo para o Tio Sam; produzem lá e exportam sem impostos para idiotas brasileiros…viva a idiotia nacional com proteção verde oliva.

  20. O texto foi muito bem ao citar as vantagens que ela ganhou para operar. E o governo pode tirar as vantagens que ela tem com caminhonetes, por descumprir acordos.
    Mas, faltou desconstruir os argumentos do Guedes que a Ford (e outros) querem vantagens fiscais absurdas. Se 1 bolsominion me disser que a Ford quer incentivos fiscais de US$ 1Bi (ou outra fortuna) do governo, o que eu digo?

  21. Chicago Boy Guedes não tem plano nenhum, então, vai incentivar as empresas para fecharem. Dessa maneira ele passa a vender os recursos naturais. Mais ou menos o que era na época da extração de pau brasil. Ele não sabe como criar empregos porque é do mercado financeiro. Ele não entende nada de produção, distribuição e consumo.

  22. O neoliberalismo é uma fraude. Criaram uma religião econômica, com dogmas e liturgias. Desde David Ricardo existe um pensamento petrificado em torno dessa doutrina econômica, pois é a que melhor se aplica ao capitalismo selvagem. Pra quê Estado? Dizem eles! O mercado se auto regula! Países sem indústria precisam permanecer sem indústria para aproveitar suas vantagens comparativas! Eles querem que o Brasil volte a produzir somente matérias primas e gêneros agrícolas, pois as “escrituras” precisam ser cumpridas.

  23. Que a GM e a Ford fechem fábricas no Brasil é algo inédito. São empresas que estão ligadas ao desenvolvimento industrial do país. Elas fazem parte do ideário de consumo do brasileiro. A praia Placafor em Salvador deriva seu nome de um anúncio (placa) da Ford Motor Co do Brasil que existia no local nos 1950. As empresas multinacionais são apátridas. Seu coração é o lucro, que é repartido entre a matriz e a subsidiária. Qualquer empresa, em qualquer país pode se tornar multinacional e agir dessa forma. Contudo, as multinacionais produzem riqueza. O que é riqueza? É bem adicionado. Ao consumidor. Pelo menos é assim que deveria ser. Os governos pré golpe favoreceram a instalação de uma nova indústria automobilística. Grandes marcas vieram. Investiram. Querem lucro a ser repartido. Digamos para quem não entende, que o lucro quando é socialmente repartido, gera bem estar. Guedes e bolsonaro (este não acha nada porque é um bocó) da vida acham que o lucro gerado pelo trabalho que é o que gera a riqueza, deve ser dado aos bancos, especuladores, rentistas, doleiros e outros. Quando um povo não entende que seu trabalho gera riqueza e que essa riqueza é sua e que só pode ser negociada com seu aval, há duas alternativas: morde ou leva no loló.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.