A ironia do “não temos prova, mas temos convicção”

É curioso como, tantas vezes, o feitiço se volta contra o feiticeiro.

Sérgio Moro justificou a divulgação dos grampos ilegais de conversas entre Dilma Rousseff e Lula dizendo que era mais importante discutir o conteúdo dos áudio que a forma pela qual foi obtido, já que se tratava de assuntos da administração pública e, portanto, de interesse público..

Deltan Dallagnol e outros promotores da Lava Jato, no dia da apresentação do malsinado powerpoint acusatório, disseram diversas frases que viraram o famoso “não temos provas, mas temos a convicção”.

As duas situações viraram-se, ironicamente, contra eles.

Tem pouca importância, neste momento, se as cópias de mensagens de texto, áudio ou vídeo contidas no dossiê que o The Intercept começou a divulgar ontem serão, no futuro, aceitas num tribunal.

Com sua veracidade reconhecida pelos protagonistas, elas passam a enquadrar-se nas ideias defendidas publicamente pelo ex-juiz e pelo promotor:  tratam de um processo judicial contra um ex-presidente, de claro interesse público, e ainda que declaradas como obtidas de forma ilícita, formam a plena convicção da parcialidade e dos desvios de conduta do juiz que o condenou.

Está – e vai ficar ainda mais – caracterizada a promiscuidade com que o caso foi conduzido e aquilo que à luz do Código de Processo Penal (art. 264, IV, e 564) conduz à nulidade do processo, a qualquer tempo.

Moro e dallagnol eram, ambos, e a um só tempo, acusador e julgador, o que vicia um valor supremo: o de um julgamento justo.

Geraldo Vandré, nos anos 60, escreveu sobre “a volta do cipó de aroeira no lombo de quem mandou dar”.

Trocadilhos à parte, o Aroeira chargista mostra que, afinal, a “organização criminosa” era outra.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

16 respostas

  1. Provas ilícitas obtidas por jornalista não existe, inclusive é garantido o direito de preservar a fonte. Prova ilícita se aplica apenas às adquiridas por agentes do estado. Quantas reportagens acabaram em denúncias e processos pelo mundo e no próprio Brasil? E essa conversa de hacker é lorota. Eles ficaram sabendo da bomba prestes a estourar e vieram com essa conversa.

    1. Bravo, interpretação perfeita. Inclusive os criminosos correram a dizer que os conteúdos são fidedignos.

      Sempre é bom lembrar que esses canalhas tentaram emparedar e ameaçaram grandes caciques do Congresso…..e agora ?? Com uma CPI pela frente moro ??

  2. Segundo Eugênio Aragão, a obtenção das provas não foi ilícita porque os celulares eram de trabalho e os procuradores e os ex-juiz eram funcionários públicos e suas conversas eram e são, então de interesse… público, ora!

  3. Excelente quadro… uma ratoeira que pegou dois ratos da ORCRIM do çupremo e tudo !!!
    Muitos ratos virão presos juntos na mesma ratoeira !

  4. Uma farsa montada é mais ou menos como aquelas casas que se constroem na beira do rio, cujos donos se esquecem de prever que a enchente um dia vem, inexoravelmente.
    A soberba desse juizeco e seus lacaios (ou parceiros de crime) do mpf, cegou-os quanto a capacidade de investigação da imprensa, tomando como base a globo e demais órgãos da mídia venal que os bajulavam. O Intercept estava fora do radar e, com a surpreendente abundância de provas sobre suas irregularidades, o ataque foi devastador.
    E é só o começo, segundo o Glenn Greenwald. Um pesadelo para a república de Curitiba.
    Uma CPI dessa tal de lava jato, anulação de sentenças associadas e Lula livre agora é obrigação.
    Sempre tivemos certeza dessa ação criminosa, só não poderíamos prever que as provas eram tantas e tão contundentes.
    Aguardamos a faxina moral, sob pena de extinção do estado de direito nessa colônia.
    PS.: A charge do Aroeira é sensacional!
    #LulaLivre
    #MoronaCadeia

  5. Dois crimes foram revelados, Perseguição Judicial Implacável e Ocultação de Métodos Criminosos com o objetivo de condenar um inocente sem provas. Equivalente a um homicídio com ocultação de cadáver. Na frieza da lei, chefe e comparsas togados na cadeia.

  6. Alguém aqui lembra do Protógenes? Foi exonerado teve cassado os direitos políticos no tempo do caso Daniel Dantas…

  7. Nada como um dia após outro. Mas triste é saber que Lula está preso e essa cambada de crimimosos empoderados na república ainda soltos.

  8. Eu já havia escrito e volto a repetir: eles estão sendo enforcados com as cordas que trançaram!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *