A lição da garotada

Uma multidão de meninos e meninas se posta à frente do Colégio Militar do Rio de Janeiro, que passa a vergonha de passar o seu 130° aniversário na presença de quem despreza a educação de qualidade que aquela escola dá.

É coisa de apertar o peito de quem, quase meio século atrás, fez o mesmo que estes guris para defender a escola pública a quem deve tudo o que é.

Não é hora de dar de “sabido” e falar em índices, em custeio, em orçamentos.

É só de seguir o coração para saber onde está a verdade, a decência, a humanidade.

Podem falar o que quiserem deles, é só olhar em seus rostos e ver que são exatamente o que fomos.

Estão lá os meu colegas tardios da Escola Técnica Federal , os “cepê-doispaus” – como chamávamos os alunos do Pedro II – os dos Institutos Federais de Educação, coisa nova, recente, e necessária para o mundo do trabalho moderno.

Para recebê-los, só fileiras de soldados da Polícia do Exército.

Com a perseguição do olavista Abraham Weintraub, o dinheiro só dá para suas escolas funcionarem até agosto, setembro.

A cobertura fotográfica do G1 – veja aqui – é comovente.

É só o começo. A gente sente quando um movimento é espontâneo e vai se alastrar.

Pena que Bolsonaro é surdo, porque ele poderia se lembrar de uma musiquinha de propaganda da ditadura que tanto louva, que dizia que “ninguém segura a juventude do Brasil”.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

13 respostas

  1. As imagens da rapaziada do Pedro II são revigorantes. Foi assim, lembro muito bem, que começou a luta contra a ditadura de 1964. Com a juventude nas ruas exigindo mais recursos e mais respeito para a Educação. Isso alastra, felizmente, e alastra rápido.

  2. Para combater um tal de “marxismo cultural” – coisa que nem mesmo esses celerados sabem definir – eles procuram difundir e aplicar o “macartismo cultural”.

    Em tempo, o Colégio Militar também vai sofrer cortes? Não precisam me responder, já sei a óbvia resposta. :)

  3. “A gente sente quando um movimento é espontâneo e vai se alastrar”
    Já há algum tempo, podem ser visto os sinais claros da revolta cada vez maior do cidadão comum com o governo Bolsonaro, inclusive no carnaval. Infelizmente nossas “lideranças” supostamente ainda não acordaram para isso e, em vez de trabalhar na mobilização e organização do povo, preferem dar entrevistas, soltar notinhas ou ficar no twitter com frases de efeito.

  4. Olho! Esses cortes também têm outros objetivos, talvez maiores.
    O desgoverno está preparando um lockout orçamentário, tendo como pretexto a “regra de ouro”, para criar artificialmente a “tempestade perfeita”. O objetivo é arrancar da sociedade e do congresso uma carta branca para que os ultraneoliberais façam tudo o que quiserem. É, de novo, a técnica de encurralar pela crise.
    Ninguém, nem mesmo na mídia alternativa progressista, está dando atenção a essa possibilidade. Fernando Brito, por favor, dê uma pensada sobre isso, mesmo que você resolva que não convém publicar este comentário.

  5. Gostaria que esta lição de cidadania e de revolta contra o que o Bolsobosta e sua trupe representa se espalhasse pelo país, num movimento legítimo e avassalador. Pena que há tantos alienados no meio, que prosseguem acreditando na besta-fera eleita em 2018.

  6. Penso que somente com uma Frente Ampla poderemos recuperar o Estado Democrático de Direito. Muitos dizem que isso é uma obviedade. Pergunto: se é óbvia e necessária, QUEM impede a formação dessa Frente ?
    Fernando: porque todos os jornalistas democráticos (você inclusive) escondem o nome desse obstáculo e a razão do impedimento à formação da Frente ? Revele-nos os bastidores da política, em vez de pedir honra a militares entreguistas.

  7. BELA LIÇÃO AOS DITOS POLÍTICOS DE ESQUERDA QUE NÃO TIRARAM A BUNDA DE SUAS POLTRONAS E OS DEDOS DOS TECLADOS, SÓ GARGANTA.

  8. A Academia Militar das Agulhas Negras, a Escola Naval e a Academia da Força Aérea sofrerão cortes também? Afinal, são escolas públicas de ensino superior. Ou não?

    Bacharelado
    em Ciências Navais – habilitação Administração, oferecido pela Escola
    Naval da Marinha do Brasil;

    Bacharelado
    em Ciências Militares – oferecido pela Academia Militar das Agulhas Negras
    (AMAN) do Exército Brasileiro;

    Bacharelado
    em Ciências Aeronáuticas, oferecido pela Academia da Força Aérea (AFA), da
    Aeronáutica.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *