A “manchete cloroquina”

A Folha dá manchete hoje a uma “adivinhação” daquele padrão “Trump-Bolsonaro” de epidemiologia, aquele primeiro classificou de “gripezinha” a Civid-19 e, depois, arranjou a cura milagrosa pela cloroquina.

Como assim a curva de óbitos “sugere” uma “imunidade mais ampla” da população em geral em relação à doença?

Imunidade não se mede em número de óbitos, mas em número de casos, é evidente. Imunidade é resistência a contrair a doença, óbvio. Número de óbitos (sobre o número de casos) medem letalidade e ela, por aqui, é muito mais alta que na grande maioria dos países.

É claro que o grau de imunidade pode (e deve) estar crescendo, sobretudo nos primeiros locais fortemente atingidos e que isso produz, em tese, uma redução expressiva na propagação da doença, tal RO que você ouve os especialistas falarem em suas entrevistas.

Isso é uma progressão geométrica, onde uma pequena diferença na razão (neste caso, o “R0“) produz, ao longo do tempo, números muito diferentes. Faço um exemplo com razões de 1,5 e 1,7: com 1,5, os valores seriam os seguintes pelo número de pessoas que uma pessoa infectaria , a cada semana (entre parêntesis): 1(1); 1.5(2); 2.3(3); 3.4(4); 5.1(5); 7.6(6); 11.4(7); 17.1(8); 25.6(9); 38.4(10). No caso de 1,7 : 1(1); 1.7(2); 2.9(3); 4.9(4); 8.4(5); 14.2(6); 24.1(7); 41.0(8); 69.8(9); 118.6(10).

Mas é impossível conhecer ou até estimar quantas pessoas têm ou tiveram contato com o vírus, dado ao baixíssimo número de testes realizados no Brasil, um dos menores do mundo em relação à população. É isso o que fez descer, continuamente, a taxa de letalidade da pandemia, o que de fato tem ligação com os óbitos mostrados nos gráficos da reportagem. Mesmo com o número de mortes (o numerador da fração) aumentando, o número de casos detectados (o denominador) crescia, e continua crescendo, em ritmo mais acelerado.

Isso ocorre aqui e no mundo, cuja escalada de casos e de mortes vai aí ao lado, para não haver dúvidas de que o agravamento da expansão do vírus segue galopante e as mortes crescem, ainda que mais suavemente.

O problema da manchete da Folha é, aliás, apontado na própria reportagem, onde a microbióloga Raquel Pasternak diz que “ela (a suscetibilidade ao contágio) talvez já não seja tão grande, mas não sabemos. O que não podemos é tratar isso de forma que dê a impressão de um liberou geral [onde o vírus já fez muitos estragos].”

Infelizmente, mesmo atenuado com o tal “sugere”, o quadro de gravidade da pandemia é subestimado e isso é inacreditável num país que registra mais de mil mortos por dia e 40 mil novos infectados. Usar uma “possibilidade”, sem nenhuma sustentação científica, é igual ao, como disse, caso da cloroquina: wishful thinking é desejo, não é ciência.

E pode, tal como a droga predileta da dupla Trump/Bolsonaro, tem efeitos colaterais já em pleno curso: o “liberou geral” que a reportagem diz que “não provoca aumento de casos”.

Não, ?

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

5 respostas

  1. Assim como a golpista Cantanhede se orgasmava – até parecendo bêbada – ao falar da sua “massa cheirosa”, a manchete da Folha Amarela de São Paulo pode até lembrar a charlatanice da “cloroquina” do Militar Genocida de Brasília, mas, na verdade, fala da “cloroquina cheirosa” do Doria, do Covas e do califado paulista, “essa de liberar o comércio e demais atividades econômicas, pois a Paulistéia Borbagatiana já apresenta uma imunidade mais ampla”. As eleições estão chegando e, principalmente na Paulicéia desvairada, é preciso ajudar, com manchetes charlatãs, os amigos representantes políticos da Foia..

  2. Há uma semana foram divulgados 2 dados importantes sobre imunidade ao Coronovirus.
    O Instituto Karolinska da Suécia divulgou que uma número grande (não lembrio o dado exato) de “curados” não possuiam anti-corpos, e que a reação do organismo que levou à “cura” deve-se a resposta genérica à infecções pelas células T.
    Outro estudo, do ministério da saúde da Espanha, contstou que apenas 5% da população possuia anticorpos contra o coronavírus.
    Isto indica que a premissa/justificativa para o genocídio, de que expondo a população ao vírus, como defendem o bozo e o pinochetista guedes, não levam ao efeito rebanho que protegeria os sobreviventes à pandemia.

  3. Na verdade o governador botos e seu menino de recados que atende por prefeito são tão maquiavélicos quanto o presidente genocida, mantiveram uma mascara por um tempo, que caiu e revelou o que sempre foram……………na verdade a pandemia nunca foi enfrentada em são paulo, com feira livres abarrotadas e sem nenhuma higiene, lojas abertas, transporte publico lotados e quarentena ficticia…….afinal eles seguem a “ciencia”, e toca a usar eufemismos como “crescimento desacelerado”…….vergonhoso…
    Quanto aos jornais, nao servem nem para limpar o coco do cachorro….

  4. A FSP precisa passar um pano na gravidade da doença já que o candidato natural dela, o Doria, não pode ser isentado de responsabilidade no agravamento da crise uma vez que ele também apoiou o “liberou geral” no comércio com aquele papo furado de “isolamento inteligente”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *