“Estadão” reconhece que comércio que abriu está às moscas

O Estadão, hoje, traça um cruel retrato do que tem sido a reabertura das lojas comerciais que, salvo em alguns poucos setores, tem sido – como já se previa, há tempos – apenas a confirmação de que ela é apenas uma ilusão de retomada e, pior, só com efeitos negativos para a expansão da doença e da crise que vivem.

As lojas, inclusive as de shoppings, estariam, diz a reportagem, com ” vendas médias 90% inferiores às de antes da pandemia“.

Fossem o dobro, sequer pagariam os custos da reabertura.

Para os que abrira, porque há ainda muitas lojas fechadas e comerciantes indecisos sobre se vale a pena abri-las.

O setor de serviços – o que menos pode funcionar, ao contrário do comércio, com vendas online – nem sequer “respirou” de abril para maio, embora ainda não tenha, como eles, alcançado queda de dois dígitos em relação ao ano passado.

Serviços, como se sabe, respondem por 70% do Produto Interno Bruto brasileiro.

As comparações mês a mês são enganosas, porque as bases de comparação são completamente descalibradas. O setor de transporte aéreo, por exemplo, caiu 27% em março, queda de novo de 73% em abril – sempre na comparação com o mês anterior e subiu 9,2% em maio. Mas, como você pode observar, 9,2% sobre uma base quase zero.

Estamos, portanto, num pântano estatístico, que só encontra algum apoio quando se comparam os números aos registrados em igual período de 2019.

Há um sinal de alerta que poucos perceberam: nosso saldo comercial, ainda que beneficiado pela desvalorização cambial do país, expandiu-se basicamente pela queda das importações que, na primeira semana de julho, caíram nada menos de 40% em relação ao mesmo período do ano passado.

Isso é um sinal de que a queda de insumos estrangeiros é resultado de um menor apetite da indústria de transformação, que respondeu por mais de 90% da redução de valor das importações.

Esta recessão não é só um buraco, ela é um vale – e profundo – que se estenderá até muito longe.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

12 respostas

  1. Inexplicável não é? Pleno emprego, salários estabilizados ou crescendo, segurança de renda pelos próximos anos, direitos garantidos e esse pessoal não vai às compras. Só podem ser bolivarianos ou até mesmo comunistas.

    1. Hahaha!! Verdade, Maria, coisa muito difícil de explicar. Fora o desemprego crescente, assim como o subemprego do tipo semi-escravo… triste Brasil…

    2. Inexplicável foi o Golpe de 2016… enfim, fizeram-no para quê?
      Agora, o fundo do poço nos espera!

      1. A mim parece que esse poço nem tem fundo,dia a dia uma desgraça após a outra,destruíram um País em 2013 com uma economia que iria ultrapassar o Japão,com pleno emprego e respeito internacional. O brasil era exemplo,hoje rejeitado,desprezado,ridicularizado,

      2. foi pra isso mesmo: acabar com a gente, nosso patrimônio, nosso presente e futuro. acho que temos o maior número de traidores/m² do mundo

  2. Todo resquício de empáfia e de orgulho vazio, toda falsa segurança de idiossincrasias idiotas, tudo isso vai se transformar em gagueira nervosa depois que o país atingir 150.000 mortos pela pandemia. E não vai demorar.

  3. Então os milicos estão de biquinho com Gilmar?
    Gilmar continua o mais canalha do STF mas é o mais valente.
    Os milicos dessa vez sem censura,mostram ao Brasil e seu POVO sua incompetência em gerir.
    Foram e são os mais corruptos no poder.
    Mourão,Heleno são exemplos de ladrões e desmandos éticos e morais.
    Sempre foram assim; corrupção,ignorância,arrogância,sadismo,experts em torturas e assassinatos nada além disso!
    Essa gente NÃO PRESTA e deles o Brasil não precisa.

  4. Só um ódio profundo ao Brasil e ao povo simples (que saia da merda secular que as elites sempre o colocaram) explica que Militares, empresários, artistas, políticos, servidores, jornalistas, médicos e etc terem golpeado Dilma e Lula.
    Todos sabiam que o Brasil avançava, que tinha entrado no rumo. Todos viram como éramos recebidos no estrangeiro.
    Da alfândega de Amsterdã, Chicago, Lisboa e Havana éramos muito bem recebidos. Tentavam até algumas palavras em português…
    Desgraçados esses letrados ricos e remediados.

  5. Não é por medo do Coronavírus que os comerciantes não tem ninguém para comprar. Junta tudo: Coronavírus, falta de dinheiro etc e etc. Quem tem uma reserva não quer se arriscar a gasta-la e ficando na tanga. A economia está arrasada.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *