A segunda chance

Jair Bolsonaro voltou a fazer a defesa da ditadura e a “passar pano” para os crimes ocorridos no regime militar, debochando de quem foi torturado, que disse terem “a pele mais lisa que a Branca de Neve.”

‘Ah me quebraram os ossos todos’, tira raio-x do cara e vê se tem algum calo ósseo”

Ninguém pode surpreender-se com isso. Desde sempre ele o faz, sem que a democracia brasileira, em seu legítimo direito de defender-se, tenha imposto a ele a responsabilização devida pela defesa de crimes.

Quando se procuravam as ossadas dos desaparecidos do Araguaia, recorreu à frase do malsinado Major Sebastião Curió e colocou nos corredores da Câmara dos Deputados um cartaz onde se lia que “Quem gosta de osso é cachorro”. Depois, no plenário, ao votar o impeachment, deu ares de herói ao torturador Brilhante Ustra, pelo “heroísmo” de haver seviciado Dilma Rousseff.

Parecia apenas ridículo, afinal. Mas era e é trágico, pois o autoritário “folclórico”, o demodê defensor de ditaduras militares foi empolgando tudo o que há de pior e desumano entre nós e levando o porão mental nossa sociedade a espalhar-se, como zumbis contaminantes, nas ruas do Brasil.

Numa tóxica mistura de armamentismo, milícia e fundamentalismo religioso, surfa numa onda de intolerância que ameaça afogar este país.

Tivemos uma primeira chance de deter este processo, mas preferiu-se usar o monstro para “limpar a área” do PT e de Lula, achando que, destruídos estes, seria fácil retomar o controle da política. Nem os destruíram aqueles, nem retomaram esta.

Temos agora a segunda chance, e muito maior, embora ainda tenhamos de enfrentar um derrame de dinheiro de véspera de eleição como jamais se viu na história deste país.

Durante mais de um ano, a mídia e a “gente bem” do país se deu ao luxo de brincar de 3a. Via, de nem-nem, de “recusamos a polarização” e outros autoenganos que, pacientemente, com uma política de alianças que mais ampla não poderia ser, o ex-presidente Lula abriu a todos, com dignidade, e que, ainda assim, é rechaçada por gente que vai ficando sem votos, porque a população entendeu que não há outro caminho diferente.

Não haverá tão cedo uma terceira chance.

 

 

 

 

 

 

 

 

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *