“Abafa” pró-Guedes vai se desfazendo

Paulo Guedes não pode reclamar da grande imprensa. Ela fez o que pôde para abafar ou minimizar o caso de sua offshore nas Ilhas Virgens Britânicas.

Mas, e já se previa, não deu.

É a própria crise econômica que se encarrega de levar à condição de escândalo o que escândalo é – o mais importante dirigente da economia nacional estar metido em negócios particulares no exterior.

Em meio a ela, o Ministro da Economia mostra-se completamente desorientado, acreditando numa recuperação que virá do nada, da sua inação e de sua falta de qualquer plano que não seja empurrar dívidas e vender patrimônio público.

Todo dia é uma derrota: ontem, o dólar subiu e a razão era o mercado mundial, hoje é o contrário e o dólar também sobe; o IBGE divulga amanhã uma taxa de inflação que deverá ser recorde para o mês de setembro em duas décadas; “ganhamos” do Banco Mundial a pior previsão de crescimento do PIB no ano que vem para a América Latina.

A cabeça de Paulo Guedes passou a ser, para os aliados adquiridos a peso, uma necessidade político-eleitoral para simbolizar alguma tentativa de recuperação econômica. Até mesmo para medidas paliativas, a sua presença no Ministério as desqualifica e reduz a percepção positiva.

Guedes só prossegue no ministério porque o grande capital ainda o vê, mesmo com limitações, como uma barreira a medidas do que chamam de “populismo”, com isso, de uma deterioração do cenário fiscal.

Bolsonaro deixará, tanto quanto possível, que caiam sobre Guedes a maldição de uma população afundada na pobreza que se sufoca, todo mês, com ondas de inflação.

 

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.