Almirante das Minas e Energia é boa escolha de Bolsonaro

Apesar da mais que justificável preocupação com a “ocupação militar” do Governo, a escolha do Almirante Bento Costa Lima Leite de Albuquerque Junior, ex-diretor-geral de Desenvolvimento Nuclear e Tecnológico da Marinha, para o cargo de Ministro das Minas e Energia dá, à primeira vista, a ideia de que a Petrobras terá alguma defesa contra aqueles que pretendem desmontá-la.

Albuquerque Júnior sempre foi um defensor da capacitação do Brasil em desenvolver tecnologias e meios para defender-se, apoiou o Projeto Amazônia Azul, o programa de submarinos nucleares (o Prosub) e teve um comportamento digno quando os histéricos da Lava Jato arrastaram na lama o Almirante Othon Pinheiro da Silva, ao menos na entrevista que deu à CartaCapital, onde reconheceu que ele, já posto em desgraça,  é o grande responsável pelo nosso domínio do ciclo nuclear.

O almirante sabe, e por experiência própria, como os nossos irmãos do norte são quando se trata de vetar o domínio e a posse de equipamentos e materiais de ponta por estas nossas bandas. E que se os gringos não deixam, melhor que  os criemos nós.

Em matéria de pensamento de independência e desenvolvimento científico-tecnológico está a anos luz da tragicomédia Marcos Pontes.

Embora seja impossível esperar que ele assuma uma posição de completa resistência à alienação de nossas reservas do pré-sal – do contrário seria inimaginável que participasse de um governo como o atual – é provável que não concordará com o completo “depenamento” da Petrobras.

Num governo que bate continência à bandeira norte-americana é algum alívio que esteja, ao menos à frente da exploração das nossas riquezas minerais alguém que o faça para a bandeira brasileira.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

16 respostas

  1. O anúncio desse Almirante para MME parece uma espécie de “compensação” e repartição, para que a Marinha (a mais fraca das três armas e até agora alijada do poder desses governos de ocupação) receba ao menos carne de 2ª, de 3ª ou “muxibas” desse cadáver cujas carnes nobres rapineiros reservaram para os chefes a que servem (Deep State estadunidense e finança transnacional), depois de tirarem para si a comi$$ão que lhe garanta (até uma 3ª ou 4ª geração) usufruir de luxos e riquezas sem esforços.

    Não tenho menor ilusão ou confiança com qualquer das três FFAA.

    1. Os investimentos na área de energia somam dezenas de bilhões de reais. São investimentos em infraestrutura. Se isso se pode chamar de compensação, imagine se não fosse.

  2. Pois eu tô achando que o Coiso está arrumando sarna pra se coçar e isto é ótimo. Algumas indicações e recuos verificados até agora, mostram que o governo é um saco de gatos (e ratos). Vai dar encrenca na certa, porque parece que há militares tentando segurar a destruição nacional. Confesso que estou na filosofia do “desgraça pouca é bobagem”. Tomara que explodam todos.

  3. Pode começar a mudar a ideia a respeito do milico! Simplesmente ,quando chamado, vai bater continência pro chefe!

  4. Espero que os ministros militares consigam segurar o impeto entreguista de Paulo Guedes, e a submissão incondicional do Bolsnaro aos EUA, submissão essa provavelmente causada por intromissão dos EUA na campanha do Bozo, como revelado pelo escândalo do patrocínio das empresas estadunidenses de fake news que inundaram as eleições.
    A oposição deve sair de seu estado letárgico e investigar esse vínculo com potências estrangeiras que é uma traição à pátria e logo passível de impeachtment.

  5. Tomara que esta andorinha naval solitária faça algum verão neste inverno glacial de trevas que é o futuro governo Bolsonaro…
    Dentro da Ciência & Tecnologia brasileiras nada é mais avançado e merecedor de um orgulho fundamentado no esforço de gerações de oficiais de Marinha, com a liderança do lava-jateado Alte Othon, e que tiveram consequência na realidade com o apoio decisivo de estadista de Lula quando autorizou e deu condições ao projeto do submarino nuclear brasileiro.
    Iniciativa aliás que só relutantemente prosseguiu no desastrado governo Dilma sem a metade do apoio do presidente anterior, mas já prosseguiu além do ponto de não retorno.
    Fica aqui minha observação sobre esse apoio quase folclórico de Bolsonaro ao Trump como guru político…
    É justamente no prosseguimento e na finalização do Submarino Nuclear Álvaro Alberto nos próximos quatro anos é que teremos a certeza ABSOLUTA se o servilismo político do governo eleito aos EUA é REAL ou só mais uma parcela visível do mis-en-cène político de ultra-direita do “MITO”…
    O servilhismo objetivamente observado e ativamente demonstrado não deixara espaço para que mais a diante as forças do Pentágono peçam ao presidente americano para interferir na conclusão do projeto do submarino atômico brasileiro.
    O que decorrer daí não permitirá ao já empossado Presidente Jair tergiversar, ou cumpre o mandado americano ou se opõe e mantém o projeto tecnológico militar brasileiro mais importante e significativo…
    A nomeação do Alte Bento Aibuquerque Junior deve ter irritado e surpreendido bastante os assessores militares americanos dedicados a observar os movimentos do novo presidente eleito no Brasil…
    Um primeiro bom e solitário sinal depois de uma avalanche de sinais ruins e péssimos…

  6. Será? Veja o live do Nassif sobre os puxa sacos. Como tem gente passando vergonhosamente para o outro lado. Até aquela coisa do Ernesto Araujo já defendeu a política externa brasileira nos anos dos governos Lula e Dilma

  7. Que conhecimento pode ter um almirante sobre mineração? Respondo , nenhum. Será mais um idiota a seguir o delírio do Bozo sobre as ‘ maravilhas’ do grafeno.
    Ontem o patético Temer nomeou a diretoria da Agência Nacional de Mineração. Para que , se quase certamente será substituída , se não for extinto o próprio órgão.
    Discordo totalmente quanto ao acerto desta escolha .

  8. As nossas Armada e Força Aérea são enxutas, o contingente mal dá para cuidar de todos aqueles brinquedinhos caros que eles tem! O Exército que é o problema! Apesar de 90% ou mais dele ser formado por meros jovens de 19 anos q deixariam o país cair em mãos inimigas em horas, em caso de uma guerra! Mas o q sobra ainda é em número considerável! Li de um historiador argentino q uma das consequências da Guerra do Paraguai teria sido o fato do Exército Brasileiro ter se afastado de D. Pedro II e passado a ter vida própria. A ser mesmo verdade ali foi o início de toda letra M q vivemos até hoje! E eles nunca pararam de pensar assim… Tantos milicos apenas confirmam o q para mim sempre foi evidente, a nossa democracia sempre foi de meia tigela. E a presença deles no novo governo é o retrato do nosso fracasso em criar uma democracia de verdade. Não fomos capazes de criar instituições fortes e nem de educar um povo q talvez educado tivesse outra mentalidade. O mais lógico seria torcer para q tudo dê errado e o mais depressa possível. Do contrário eles nunca mais sairão do poder e a tal da AMAN passará a ser uma fábrica de ministros. Por outro lado vivemos aqui e tb sofreremos na pele os fracassos deles! É um dilema! Mas não vejo futuro para um país tão complexo e multifacetado como o Brasil sem q seja num ambiente plenamente democrático (mas democracia de verdade e não a pantomima das últimas décadas q acabou dando na letra B).

    1. Você tem razão! A relação histórica das nossas forças armadas com o povo é a de tutelar, reprimir, bater, prender, torturar e matar brasileiros. Quando ficamos sabendo que o professor emérito do exército ´é o que é um lambe botas ignorante, fica a pergunta: Quem contratou ou autorizou um boçal como ele para ser professor da Escola Superior de Guerra.
      E com um professor desses imagine o que são seus alunos.
      Não que devesse ser excluído, mas deveria haver outro com outras posições para se contrapor as ideias retrógradas desse espertalhão que tem essa sinecura e arrumou outra, ministro.
      Os oficiais do exército na imensa maioria são oriundos do interior geralmente classe média baixa que veem no exército uma possibilidade de carreira e ascensão social. Bolsonaro é um exemplo claro dessa minha colocação.
      Ele e tantos outros, xucros, mal sabem ler e entram no exército e pegam pela frente um energúmeno como o Colombiano e outros.lambe botas.
      Esse é o nosso exército e apesar das dores e do sofrimento, torço para que Bolsonaro atenda o pedido do seu filho e de Trump para entrar em guerra com a Venezuela.
      Vão tomar uma coça de perder o rumo de casa!
      São valentes quando estão armados e em grupo.
      Pudera, o que esperar de uma força armada que tem como patrono um genocida?

  9. Verdade, sob esse ponto de vista, é bom. Mas vamos ver como ele se comportará a respeito dos direitos das populações locais, licenciamento ambiental e expansão das usinas nucleares (se vai levar adiante a ideia de colocar algumas no Nordeste…).

  10. Não concordo!
    É parte da porcaria de forças armadas que temos e que se calaram quando Temer o Anão Imoral vendeu o país, tirou deles o submarino nuclear e vendeu a Embraer.
    Mais um espertalhão que encontrou uma sinecura, ao menos temporária.
    Onde estava esse almirante quando Moro fez o que fez com o Almirante Othon, esse sim um patrióta.
    Por tudo que diga esse é mais um a se engajar no clã que substituirá a quadrilha em 1° de janeiro.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *