Alô, classe média: a precarização do trabalho vai pegar você

classmed

A classe média, tola como é, acha que a precarização do trabalho vai atingir apenas os “inferiores” – faxineiras, vendedores, a turma sem qualificação – faria bem em ler a entrevista do  sociólogo Ruy Braga, professor da Universidade de São Paulo, na Folha deste domingo.

Ele antecipa o que, no jornalismo, já sabemos que vem crescendo, a precarização do trabalho: não temos mais emprego, mas apenas trabalho sem direitos, em troca do benefício “imediato” de ser “pessoa juridica”.

O que nos faz de um momento para outro, não ser sequer “pessoa”, mas lixo atirado à rua.

Leia um trecho:

‘Precariado’ tende a se alastrar no
Brasil como nunca antes, diz sociólogo

Ruy Braga, em entrevista a Fernada Perrin, na Folha

Folha – O aumento da flexibilidade do emprego parece gerar uma tensão entre ganho de autonomia e perda de estabilidade. Como isso deve afetar o trabalhador?

Ruy Braga – O código de trabalho é uma espécie de armistício entre as partes, porque você define ali os limites de consumo de uma mercadoria muito especial, que é o seu trabalho. Se você não tem esses limites, você vai ter uma situação explosiva no país. Do ponto de vista do trabalhador é bom ter limites, mas como ocorre agora com a nova CLT o que você vai ter vai ser esse modelo: o garçom entra às 7h, faz uma jornada na parte da manhã, fica a tarde sem fazer nada e depois volta à noite para terminar.

Como regular a chamada “gig economy”, ligada a plataformas online, que ao mesmo tempo em que gera empregos, não garante cobertura trabalhista?

O exemplo típico [da gig economy] é o Uber, é o que talvez melhor expresse essas novas tendências na economia de compartilhamento. Em Londres e São Francisco hoje existe uma legislação específica para regular o trabalho do motorista de Uber. A mesma discussão está sendo levada adiante em Nova York. São cidades de países desenvolvidos com economias bastante modernas, que já começaram a rever essa liberdade total que é você ter um trabalhador que é dependente de uma empresa multinacional do setor de tecnologia, mas que na aparência ele está trabalhando para si próprio. Isso é uma falácia, porque ele depende dessa empresa.

A questão é como proteger o trabalhador dessas tendências que são deletérias. De fato, a tecnologia permite que você trabalhe 24 horas por dia. Mas isso é aceitável socialmente, é desejável? Esse é o problema que vivemos. É claro que a tecnologia permite várias coisas, a questão é o que vamos fazer como sociedade com esses horizontes. Precisamos definir o que é aceitável ou não.

A reforma trabalhista buscou adaptar uma legislação dos anos 1940 às novas tendências econômicas. Ela foi bem sucedida?

É uma falácia dizer que a CLT é dos anos 1940. Um estudo muito minucioso feito pela USP demonstrou que dos mais de cem artigos alterados, nenhum deles datava da década de 1940. A CLT foi passando ao longo das décadas por constantes revisões e alterações. O que a reforma fez foi uma desestruturação daquilo que estava mais ou menos pacificado no direito com aumento da insegurança jurídica, porque eles alteraram tanto a CLT em itens tão importantes, que isso entra em contradição até com a Constituição. Isso vai criar uma série de disputas, o que não é bom para o trabalhador e nem para o empregador.

O que você chama de “precariado”, hoje ainda mais ou menos restrito à base da pirâmide do mercado de trabalho, tende a se alastrar para as outras ocupações?

Não tenho dúvida. Basta você ver a questão da ‘pejotização’. Até recentemente, você tinha duas grandes tendências de precarização: o trabalho subalterno, que ganha até 1,5 salário mínimo, exercido por famílias de baixa renda vivendo em bairros mais periféricos, e a outra é o PJ [pessoa jurídica], exercido por setores profissionais, pessoas que foram para a universidade, que falam várias línguas e são qualificadas. Hoje ele tende a se alastrar como nunca antes.

Essa multiplicação aponta para uma tendência de polarização nesses setores profissionais onde você encontra as classes médias: publicidade, jornalismo, arquitetura, professores universitários. Você também tem isso na área de saúde, como no caso de enfermeiros e psicólogos. A tendência de ‘pejotização’ afasta essas pessoas da aposentadoria, dos direitos trabalhistas e sociais em benefício de uma renda insegura e jornadas muito longas.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

41 respostas

  1. ESTES SETORES DA CLASSE MÉDIA ESQUECEM QUE SÃO INSTRUMENTOS DE OCASIÃO. DEPOIS DE USADOS TEM O DESTINO DO PAPEL HIGIÊNICO

    1. A classe média burra não sabe nem fazer conta.
      Em país tão desigual como o Brasil, é ela quem tem dinheiro para pagar o pato aos mais ricos, donos do golpe. Dos pobres, corta-se, mas tem pouco o que cortar. O bolso mais depenável e cobiçado pelos mais ricos é o bolso da classe média. Não é a toa que ela foi induzida ao longo do tempo a pagar por educação privada, por plano de saúde privado, por previdência privada, é quem mais paga impostos e quem mais paga tarifas.

  2. Vai em frente e torne PJ você vai trabalhar h 16:00 por dia não terá férias não terá décimo terceiro não recebera em dia sou PJ e funciona mais ou menos assim fim do mês eles geram uma autorização de faturamento pra você o pg sai normalmente é 30 ou 45 dias depois
    Ai quando você recebe mesmo sendo um pouco mais que o salário vai tudo para pagar multa e juros de contas atrasadas mas seja feliz bem vindo ao mundo do PJ individual .seja um empreendedor é boa sorte

    1. O Mal Amado e FEIOSO continua falando com seus fantasmas ? (rindo muito! sujeito burro!). Uma piada esse bufão cafajeste. VAZA bufão !

      1. A BESTA ISKRA Bosta continua pagando mico!!!! Os homens aqui veem como o COVARDÃO não tem vergonha na CARA. Cai fora BESTA AMBULANTE que teus fantasmas devem estar puxando teus pés. Mico pulha e burro continua estrebuchando e falando sozinho !!!! hihihihi

  3. Beep beeo boop
    E com os avanços tecnológicos – automação e robos – empregados nas linhas de produção, serviços, etc

    Beep beeo boop

  4. 36 mortos para cada policial, adoro essas matérias bem feita por sociólogos que nunca enfrentaram um bandido armado e quando vão se é que vão mandam alguém na favela é para comprar uma ervinha ou um pó mágico para abrir a mente, concordo em exageros ,cometemos infelizmente mas eu espero que quem escreve ou goste dessa matéria não nos chame tenha fé para que o militante ou como vocês dizem desfavorecidos não coloque na agulha e apontem para a cabeça de vocês ou algum familiar e puxem o gatilho, porque na manhã esses mesmos jornalistas, sociólogos e familiares só irão pedir uma coisa justiça, aí eu quero ver ir na favela é falar para o dono da favela e pedir justiça e eu quero ver traficante ter consciência social e ajudar

    1. Por suas colocações e muito mais é que considero polícia um *mal necessário*. Não preciso passar fome para saber como é.

  5. Retrocedemos no tempo. Estamos na Idade Média quando grassava a escravidão. Naqueles tempos o cidadão endinheirado comprava um trabalhador que era pobre (geralmente negro) e o tal endinheirado tinha poder de vida e morte sobre o infeliz. Quando surgirá um novo Marx?

  6. Trabalho como autônomo há 18 anos. Pago salários, aluguel, demais despesas. Não entendo esse conceito de que o trabalho vai precarizar. O meu já é precarizado por vida e estou vivendo.

    1. “Trabalho como autônomo”, toma vergonha nessa carinha de sacana. Você considera essa MERDA de escrever asneiras num blog , trabalho? Você é uma vagabunda!
      Isso sim !

        1. É resultado do tratamento do Dr. Almeida. Ele está começando a perceber que aqueles comentários enormes e recheados de palavrões eram ridículos. Também está deixando de projetar seus desejos nos outros e começando a se assumir. Note que Alecrim pode ser “a” Alecrim.

        2. Arnestinha e Alícia

          Não quero papo, vagabundas !
          Não pensem que se livraram de mim.
          Eu sou a SARNA de vocês !
          O ano de 2018 vai ser longo para vocês !

    2. Ahahah “Trabalho há dezoito anos”… Quer dizer: como você está se fodendo, quer que todo mundo se foda também. Agora, você alega que trabalha há dezoito anos, portanto já deve ter mais de trinta. Você já é um caso de burrice consolidada. Mas o que parece mesmo é que você é mesmo um moleque cooptado pelos fascistas.

  7. E já começaram reportagens falando que MEI causa rombo na previdência. Daqui a pouco vão aumentar a tarifa e inviabilizar os “empreendedores” mais humildes.

    1. Alícia
      Cê tá fodida menina !
      Suam mãe tá boa ? Sua mulherzinha ?
      Lembranças às duas.
      Elas vão entender.
      kk

    1. Pô, Bessias, de novo essas tuas “declarações bombas” que não dizem nada. Para de levar a sério esses blogs fajutos, rapaz.

      1. Arnestinha Pederasta

        Você se acha muito engraçada, porém, não passa de uma palhaça otária.
        Você não se cansa ? É sua obrigação diária ?
        Pare de escrever TANTA merda, xibunguinha.
        Suam mãe tá boa? Sua mulherzinha ?
        Lembranças.

  8. O pato pateta caiu na panela curtido aguarda TEMERroso o plim plim do seu fim. Qua qua qua kkkkk!

  9. Não se pode dizer que o Brasil havia encontrado o equilíbrio ideal entre capital e trabalho para o desenvolvimento pacífico da sociedade brasileira. Mas esteve bem perto disso. Com uma legislação que foi se fazendo e se moldando às lutas e aos tempos, conseguiu estabelecer condições de respeito mútuo entre as classes e de mútuos benefícios que propiciaram um forte e saudável crescimento econômico por doze pródigo anos. Quebrar tudo isso para implantar a ferro e fogo, sem o aval do voto popular, fórmulas de funcionamento da economia que não provaram sua excelência em lugar algum, é quase, por assim dizer, um crime desmesurado. Está liquidada a pacificação e o respeito mútuo, e os desastres advindos de uma sociedade conflagrada não tardarão a emergir e convulsionar o país, porque as condições conquistadas anteriormente pela classe trabalhadora serão um referencial que jamais será esquecido.

  10. O preconceito, o tal preconceito. Não conheço o esse Rui Braga, mas só pelo título, um vendedor ou faxineiro tem mais qualificação que ele bastão não terem preconceito, pois pelo motivo de se acharem classe média, não significam terem “QUALIFICAÇÃO”, logo um faxineiro faz limpeza portanto é qualificado, logo um vendedor representante de toda cadeia produtiva do país deve ter “QUALIFICAÇÃO”, baixa remuneração não significa Desqualificação. Tem tanta gente na classe média vive de dinheiro e de trabalho que algum costa larga arrumou num jeitinho ou um político corrupto o enfiou no cargo como é clássico no meio, é por isso que o país está onde está, falta “QUALIFICAÇÃO” nos estudiosos, só isso, simples assim “QUALIFICAÇÃO”.

  11. “Para quem quer ser apenas subalterno, é uma merda porque o mercado é assim: não existem garantias.” (Torreal Leandro)

    Ele é tão fundamentalista, tão fanático em sua crença no tal “Mercado” ou “Livre Mercado”, que não consegue ver ou não quer ver que, há poucos dias, a dupla Temer/Parente nos ofereceu uma demonstração a mais de que tais conceitos não existem, não passam de miragem. O que existe, sim, é a decisão política que vai dizer se você terá algum amparo ou ficará a “ver navios” no ambiente de barbárie do capitalismo sem rédea alguma.

    Essa dupla desprezível garantiu “indenização” a “investidores” estadunidenses que teriam sofrido prejuízos no investimento em ações da Petrobras.

  12. Sem contar que trabalho terceirizado já existe há décadas! A reforma da clt é um escândalo por eliminar o mínimo de proteção e direitos.

  13. A classe mérdia,ao menos na América Latina carece de ideologia política .São as eternas massas de manobra da direita que aproveita seu “sonho” de pertencer a classe abastada para eleger com seus votos os candidatos que eles desejam.
    Já quando a merda por causa dos governos concentradores bate no nariz desses BOSTAS,tipo a gauchinha ernesto , a realidade se faz presente e é aí que lembram dos caras da esquerda ,não por ideologia mas ( como sempre) por conveniência.
    EM SOMA AQUI COMO EM OUTROS LUGARES (Argentina é outro exemplo)O PÊNDULO DA CLASSE MÉDIA GERADA A PARTIR DE GOVERNOS PROGRESSISTAS , ACABA SENDO A CAUSA DO FIM DESTE GOVERNOS.

  14. A tal classe média , não passa de massa de manobra para fazer o serviço sujo dos golpistas de ontem e de hoje.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.