Bolsonaro ‘acerta’ uma: “nada está tão ruim que não possa piorar”

Jair Bolsonaro deu pistas hoje, de que virá por aí um reajuste dos combustíveis, ao dizer que “não é por maldade”, mas porque é um fenômeno mundial, a alta de gasolina e a valorização do dólar, dizendo que “pode piorar”.

Sim, ele tem razão, porque o preço do petróleo ultrapassou os 75 dólares por barril e o dólar segue em alta, neste momento rondando os R$ 5,38.

E a malsinada política de “paridade de preço internacional” impõe uma lógica perversa, que torna o preço da gasolina uma gangorra que sempre sobe, ainda mais porque deve compensar um controle maior do diesel, para não abalar as bases bolsonaristas entre os caminhoneiros.

— Alguém acha que eu não queria a gasolina a R$ 4 ou menos? O dólar a R$ 4,50 ou menos? Não é maldade da nossa parte, é uma realidade. E tem um ditado que diz: “Nada está tão ruim que não possa piorar”. Não queremos isso porque temos o coração aberto, e tem uma passagem bíblica que diz: “Nada temeis, nem mesmo a morte, a não ser a morte eterna”

Se invocações bíblicas resolvessem problemas da economia, bastaria chamar alguns religiosos e a crise deixaria de existir.

O problema é outro: nossa moeda sofre de uma crise de confiabilidade, sofre com a acumulação de reservas de proteção (hedge) em moeda norte americana e ainda pagando o preço de uma baixa artificial da taxa de juros, que levou o dólar às alturas.

O lado externo só nos agrava isso, com dias decisivos para as pretensões de Joe Biden de modificar o orçamento norte-americano, os gastos sociais no país e fazer um programa de investimentos públicos em a transmissão elétrica, captação e distribuição de água potável, aeroportos, portos, internet de alta velocidade, transporte público e estações de carregamento de veículos elétricos. Coisa aí de US$ 1 trilhão.

Na Petrobras, venderam-se ativos que compensavam, pelo mix de ganhos, os prejuízos do conglomerado com defasagem de preços de venda de combustíveis, reduziu-se a produção das refinarias nacionais e aumentou-se a dependência da importação de derivados.

Bolsonaro teve uma reunião hoje com o almirante Bento Albuquerque. Provavelmente, para ser advertido de que haverá “necessidade” de elevar os preços na bomba.

Que, aliás, já sobem mesmo sem reajuste nas refinarias.

 

 

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.