Bolsonaro ‘cumpre tabela’ na TV no jogo perdido sobre o coronavírus

Há mais de um mês que qualquer pessoa sensata sabe que o coronavírus tinha tudo para se tornar uma pandemia, embora a Organização Mundial de Saúde, com medo e colocar lenha na fogueira da economia, não a declare assim.

O Brasil tem uma estrutura e protocolos médicos que sabiam compreender isso e se mobilizarem para uma chegada da doença ao Brasil, como parece ter acontecido.

No entanto, o presidente da República, no seu pronunciamento em rede de televisão, deu a impressão de estar aparecendo ali por aparecer, a fim de não se mostrar omisso, apenas.

De providências práticas, nenhuma informação se deu, senão o apelo a união (logo de quem!) e à providência divina.

Aliás, a “solidariedade” do sr. Bolsonaro em relação aos que são ameaçados pelo coronavírus ficou bem clara quando ele se recusava a trazer de volta brasileiros presos na China e só o fez depois de intensa reação pública.

Gastou-se uma fortuna em propaganda da reforma da Previdência e não há uma campanha, que nem precisaria ser paga, por utilidade pública, para ajudar a identificar os sintomas e a procurar orientação médica.

Não há pânico entre a população – ainda – mas o presidente da República não cumpriu seu primeiro dever, que era o de dar informação e orientação.

Não e colocou – mesmo que fosse como uma cartela sobre as imagens, a informação de que há um aplicativo – que relatos apontam como muito bem feito – do Ministério da Saúde, com esclarecimentos e atitudes a tomar diante da doença. Pusesse o seu exército e robôs e zumbis a disseminá-lo

Apelo à união é apenas uma bobagem ou uma “casquinha” política que Bolsonaro tira, talvez para não ser criticado por deixar o país para um encontro meramente promocional com Donald Trump.

Mas, do jeito que a coisa anda, parece já ser muito Bolsonaro não ter feito mais uma de suas “gracinhas” sem graça.

 

 

 

 

 

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

11 respostas

  1. Não há pânico, mas a preocupação pode ser medida pelo fato de não se achar álcool gel em lugar nenhum.

  2. Não há pânico, mas a preocupação pode ser medida pelo fato de não se achar álcool gel em lugar nenhum.

  3. Mesmo que o quadro técnico responsável pelo controle de epidemias e pandemias no Brasil tenha uma estrutura perfeitamente adequada para cuidar da questão do coronavirus, isso não vai acontecer. O responsável pelo ministério vai ter que acatar ordens da presidência para fazer e gastar o mínimo possível com isso, só o necessário para fazer figuração. E não é só a questão do dinheiro. Esse governo é composto por sociopatas, que gostam de tragédias. Assim como apoiam extermínio de opositores e de pobres, devem achar que pandemias, assim como as guerras, servem para reduzir e manter sob controle a população mundial. Tampouco se preocupam com as chances disso também atingi-los.

  4. O que Bolsonaro vai tratar com o Trump? Como se sabe, Trump está furioso com ele, porque ainda não conseguiu que o Brasil rompesse relações comerciais a China ( O Trump sonha alto!), e também com a Rússia. Tanto, que conseguiu rebaixar conjuntamente os três (China, Rússia e Brasil) da categoria de “país em desenvolvimento”, que os isentava de certas pressões econômicas e os distinguia com certos privilégios. Agora talvez Trump lhe peça no mínimo uma escaramuça pesada com a Venezuela. E também, se convir, não colocar obstáculos à deportação de brasileiros condenados pela justiça estadunidense, como poderá ser o caso dos chefões da XP, que em breve serão julgados por lá.

  5. O que Bolsonaro vai tratar com o Trump? Como se sabe, Trump está furioso com ele, porque ainda não conseguiu que o Brasil rompesse relações comerciais a China ( O Trump sonha alto!), e também com a Rússia. Tanto, que conseguiu rebaixar conjuntamente os três (China, Rússia e Brasil) da categoria de “país em desenvolvimento”, que os isentava de certas pressões econômicas e os distinguia com certos privilégios. Agora talvez Trump lhe peça no mínimo uma escaramuça pesada com a Venezuela. E também, se convir, não colocar obstáculos à deportação de brasileiros condenados pela justiça estadunidense, como poderá ser o caso dos chefões da XP, que em breve serão julgados por lá.

    1. Acho que este encontro Bostanaro+Trump é, nos USA, o popular “dating”. Um almoço ou um jantar, um drinque no apê e, bem cantado, alguém é comido por alguém. Nem é preciso muita imaginação para saber quem vai ser o comido depois daquele apaixonado “I love you” na ONU…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *