Bolsonaro diz defender vacina, mas retorna à cloroquina

Bolsonaro não é “imbroxável”, é incorrigível.

Hoje, para tentar obter exposição na mídia e contrapor-se ao discurso – entrevista de Lula, improvisou uma cerimônia de sanção ao projeto de compra de vacinas (inútil, aliás) aprovado pelo Congresso, apareceu de máscara, sacolejou outra vez uma penca de promessas de compra de vacinas e ainda anunciou intenção de exportá-las para nossos vizinhos latinoamericanos.

Mas o roteiro da peça de marketing foi por água abaixo no final do ato, quando a força gravitacional da estupidez atraiu o ex-capitão ao seu velho discurso da cloroquina, invermectina, Anitta e ainda descreve o”ensaio científico” do Planalto, onde teriam ocorrido 200 casos da doença (sinal, aliás, da falta de máscaras obrigatórias) sem maior gravidade, pois todos tomaram as mezinhas do “Doutor Jair”.

Um”cavalo-de-pau” nos movimentos de Bolsonaro é sempre possível, pois nem ele, nem seus seguidores tem qualquer compromisso com a coerência.

Aguardemos a sua defesa do lockdown. Quem sabe, até, com o uso do “seu”Exército.

 

 

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.