Lula quer combate, mostra entrevista

Lula, na primeira entrevista na condição de inocente – independente da suspeição de Moro já não há condenações contra ele – mostrou que, se não vai deixar de cultuar acordos e entendimentos, heranças de seu passado sindicalista, está longe de se oferecer, para 2022, como um candidato “Lulinha Paz e Amor”.

Não era preciso que”se lançasse” candidato: ele é, tenha o desejo de sê-lo ou não.

O que era preciso mostrar, o da posição de polo inquestionável da esquerda e que essa é sua posição natural e aquela na qual ele se torna o estuário da insatisfação com o atual presidente.

Não fará a figura do “paizão” compreensivo com os “arrependidos”, nem que vá dourar, com seu peso no povão, a pílula de um fiscalismo e de mais desmonte do Estado, ao contrário.

Não foi concessivo com as privatizações – chegou a avisar para”ter medo” quem se aventurar a comprar patrimônio da Petrobras- com o mercado financeiro especulativo. Mas acenou com conversas com o empresariado, até pré-eleitorais.

Mostrou-se sem rancores dos sofrimento pelos quais passou – as “chibatadas”- mas não em relação aos feitores – Sergio Moro e Deltan Dallagnol.

Mas, sobretudo, mostrou-se preocupado com os problemas dramáticos do cotidiano popular:a pandemia, a vacinação, a elevação dos preços, o desemprego e a fome. Acenou com a experiência de quem fez para mostrar que pode fazer.

Sem deixar de lado a projeção do Brasil no exterior, um dos pontos altos de sua gestão. Citar dirigentes estrangeiros solidários ao seu martírio foi uma forma de ilustrar sua capacidade de retirar o país do isolamento em que se encontra.

Enfim, exibiu um esboço da atuação de governo que teria.

E, para ser governo, é preciso ser candidato. Mas isso é que os franceses chamam de ça va sans dire, aquilo que não precisa ser dito.

 

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.