Censura ao ‘Porta dos Fundos’ é uma caricatura de uma caricatura

Particularmente, ateu desde criança, não me agrada o humor com ícones religiosos. É iconoclastia fácil, seja com Alá, seja com Jesus Cristo.

E humor fácil é muito menos engraçado.

Não vi e não me atrai ver o “especial de Natal” do grupo Porta dos Fundos, embora não veja diferença entre isso e o “Código da Vinci”, todo baseado na hipótese de um filho natural ( e gerado por ato sexual, portanto) de Jesus.

É minha opinião e, portanto, não vai além de ser minha opinião, jamais ser uma determinação ao comportamento e ao gosto dos outros. (Título, aliás, de um ótimo filme da francesa Agnès Jaoui sobre diversidade, tolerância e respeito)

Esta história é velha para nós, que a tivemos com mais arte e metáfora na proibição do “Je vous salue, Marie”, de Jean-Luc Godard, em 1985.

Repare, 35 anos atrás.

O que era um discussão metafórica, como a do filme, está, hoje, numa discussão sobre caricatura.

O desembargador que a censurou deve seu cargo a uma governadora explicitamente evangélica, Rosinha Garotinho, que o indicou ao Tribunal e Justiça quando era um advogado integrante do tribunal da….CBF. Campanha na qual, segundo está nos anais do Conselho Nacional de Justiça, teve o apoio de ninguém menos que Eduardo Cunha, segundo consta em publicações arquivadas no CNJ.

Quando a censura se afina com seu pensar, aplica-a. Quando a ofensa é proferida contra quem acha desprezível, como as que fez Jair Bolsonaro aos homossexuais, no CQC, quem afina é ele, dizendo que, como é humor, pode tudo:

“Não vejo como, em uma democracia, censurar o direito de manifestação de quem quer que seja. Gostar ou não gostar. Querer ou não querer, aceitar ou não aceitar. Tudo é direito de cada cidadão, desde que não infrinja dispositivo constitucional ou legal”.

É a este tipo de gente que se está dando espaço para posar de defensor “da família” e “da moralidade”.

Como são desumanos, agarram-se a uma pretensa defesa de Deus.

As lutas dos anos 80 pela liberdade de expressão estão francamente ameaçadas por esta submissão de ordem pública à religião e aos picaretas que dela se aproveitam.

É obvio que essa liminar idiota vai cair em poucas horas.

Ainda somos, apesar de tudo, o país que gerações lutaram para tornar livre.

Mas que o moinho do obscurantismo está se movendo, isso está.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

13 respostas

  1. Se essa liminar não cair será um endosso da bomba no Porta dos Fundos, endosso que aliás combinaria perfeitamente com esse governo miliciano e pretensamente evangélico.

  2. “Ainda somos, apesar de tudo, o país que gerações lutaram para tornar livre.

    Mas que o moinho do obscurantismo está se movendo, isso está.”
    Isso mesmo, Brito.
    Por outro lado , esse desembargador, é um HIPÓCRITA e um gigantesco monte de BOSTA JURÍDICA.

  3. Também não assisti o “especial de natal” do PDF, mas, pelo que se diz, a zoeira não foi sobre o cristianismo, mas sim sobre aqueles religiosos, em especial os evangélicos, que pregam uma coisa e praticam outra. Por isso, muita gente “cristã” não gostou.

  4. Eu sou ateu também e concordo com a crítica do humor fácil , prefiro meus heavy metals que atacam diretamente a religião.
    Porém não há nada mais anti-cristão do que a ideologia liberal de direita , Cristo pregou a caridade e até disse para um jovem rico doar metade de seus bens.
    Se amanhã proibirem um show do Iron Maiden vou rir desses “headbangers” que votam na direita , quem apóia a lacração agora? Hahaha
    Esse vídeo não é nada comparado ao meu livro de cabeceira , o Anti-Cristo de Nietzche.

  5. Não creio que somos livres. Estamos caminhando a passos largos em direção a uma era obscurantista e inquisitória, cada dia que passa mais o direito à dignidade humana é solapada. Fico até cabulado ao desejar “feliz ano novo” pra se ter uma idéia do quão pouco otimista estou.

    Eu vi o especial e sabe a real, Brito? Com o perdão do spoiler, no final Jesus vira uma espécie de super-herói para derrotar Lúcifer. O alvo do deboche do especial é a hipocrisia da “família tradicional” que geralmente transborda na ceia natalina. É por isso que os censores estão furiosos: falam, falam e falam de Jesus da mesma forma que você escreveu em se agarrar em Deus para esconder sua desumanidade.

  6. No fundo, no fundo, isso aí não é censura ao Porta dos Fundos e nem ao que eles fizeram. É, isto sim, uma retaliação em cima do Gregòrio, pelo EXCELENTE trabalho que ele faz na HBO.

  7. “O que era um discussão metafórica, como a do filme, está, hoje, numa discussão sobre caricatura.”
    Pois é… dizem que a História se repete, primeiro como tragédia, depois como farsa.
    Estamos nitidamente no “depois”.
    Farsa e palhaçada servindo de cortina de fumaça ao fascismo que, cada vez mais, se instala.

  8. Não ataco ninguém. Cada um acredita no que quiser. Eu creio que os parafusos e as porcas são deuses porque mantêm a unidade quando associados de forma correta. Alguém já pensou que o parafuso pode ser gay? Qual seria a saída para tal desmando? E se a porca disser: aqui você não entra? O mundo iria para o brejo. Jesus oferece uma visão divertida para gente mal arranjada. Não estou interessado se o cara é filho de deus, se ele é deus, se vai alugar a franquia. É bulha que não compra uma briga séria. Deixa o homem em paz, Ele que seja gay, leão de chácara, comedor das madalenas…

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.