Chamem o Pontes! Mourão está perdido no espaço

Temos, afinal, um governo composto por cientistas!

Jair Bolsonaro descobriu a cura do coronavírus com a cloroquina; o General da Saúde, Pazuello, colocou o Nordeste no Hemisfério Norte e, agora, o vice-presidente Hamilton Mourão inventou os satélites de “órbita translacional” que só passam sobre um local da Terra, como nos solstícios, uma vez por ano.

Na coluna de Lauro Jardim, em O Globo, ele diz:

— Só no ano que vem, quando vai passar o satélite de novo, vamos poder comprovar que nossos esforços para reduzir o desmatamento na Amazônia surtiram efeito. Até lá, é conversa de bêbado: eles dizendo uma coisas e nós argumentando outras.

General, desde quando um satélite leva um ano para orbitar a Terra?

Nem o Phileas Fogg, fleumático cavalheiro inglês de Júlio Verne em seu A Volta ao Mundo em 80 Dias foi tão vagaroso assim!

Mourão deveria dar um telefonema para o ministro-astronauta, Marcos Pontes, que realizou 155 órbitas em sua missão espacial de 9 dias, 21 horas e 17 minutos.

Existem vários tipos de órbita, desde a geoestacionária até a heliossíncrona, à qual o general devia estar tentando se referir, que é a o CBERS, o satélite sinobrasileiro, posto a operar desde o ano passado. Ele “varre” uma grande faixa do território brasileiro , em 15 órbitas diárias e repete o ciclo orbital – repetição de faixas – em apenas 26 dias.

Para ajudar o general, vai a explicação sobre como isso funciona, feita pelo próprio INPE:

Entre outros fatores, na determinação da configuração de um sistema de imageamento há um que diz respeito ao horário do dia em que deverá ser efetuado o imageamento. Em geral, os satélites de sensoriamento remoto possuem órbita chamada heliossíncrona, ou seja, sincronizada com o Sol. Isso quer dizer que a cada órbita o satélite cruza a linha do Equador no mesmo horário. Esta característica de órbita é importante pois assim todas as imagens são sempre obtidas aproximadamente no mesmo horário, e as variações entre imagens podem ser atribuídas às propriedades intrínsecas dos alvos, e não a influências de posicionamento angular do sol.

Mesmo antes disso o Prodes (que usa satélites Landsat, dos EUA, com taxa de revisita da ordem de 15 a 20 dias) já fazia este controle de desmatamento e foi, no governo Lula, completado pelo Deter que passava sobre a mesma área a cada 5 dias (quando era feito por satélite da Nasa) e está passando, com a parceria Brasil-China, para 3 dias, com capacidade de detecção de 3 hectares de desmatamento, oito vezes mais detalhado que o Prodes.

Aliás, esta rapidez é a razão de ser do Deter: permitir que o governo brasileiro aja rapidamente contra ações de desmate ilegal, enquanto ele está acontecendo.

Ninguém está dizendo que é fácil monitorar o desmatamento na Amazônia. Certamente é bem mais difícil que – como diz Eduardo Bolsonaro – mandar um cabo e um soldado de jipe fecharem o Supremo.

Mas essa de ter de esperar um ano “o satélite passar de novo” para saber se estão pondo a floresta abaixo é um vexame, general.

Em tempo: enquanto escrevia, sai a notícia de que a área sob alerta de desmatamento em junho na Amazônia foi de 1.034,4 km² de , recorde para o mês em toda a série iniciada em 2015. No acumulado do semestre, os alertas indicam devastação em 3.069,57 km² da Amazônia, 25% a mais que no 1° semestre de 2019, segundo o sistema de Detecção de Desmatamento em Tempo Real (Deter), do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais . O aumento foi de 64% no acumulado dos últimos 11 meses e, ano passado todos lembram o quanto já tinha sido grande.

 

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

21 respostas

  1. Será que o pau de cercar gado não estaria querendo dizer no ano que vem, quando a fumaça da próxima queimada se dissipar e pudermos enxergar alguma coisa…

    1. Perdido no espaço coisa nenhuma. Este é o plano genocida deles: arrebentar a floresta e liquidar indígenas por 3 anos, desmatando e incendiando o máximo possível, e dar uma pausa no quarto ano para conseguir uma reeleição, para continuar a devastação. Com tais declarações infames, esse general gorila apenas dá ao governo do Genocida o respaldo do exército parasita e lesa-pátria – R$ 120 bilhões este ano, e querendo R$ 160 bilhões ano que vem, segundo outro gorila ,o sinistro da defesa.

      E o gorila Mourão fala com autoridade, pois foi nomeado comandante (do conselho) da Amazônia exatamente para liderar a destruição, e, tão logo nomeado, a primeira coisa que fez foi submeter a domínio militar o IBAMA e outros órgãos CIVIS de defesa do meio ambiente e dos indígenas, e substituir todos os civis do conselho e entupi-lo de militares parasitas para faturar um extra bem polpudo acima dos soldos, sem fazer porra nenhuma de útil para o país, do mesmo jeito que, como praga de gafanhotos, já fizeram no sinistério da morte, com o outro gorila Pazuello…

      1. É o projeto Barão do Rio Branco, elaborado pelos militares ainda na ditadura, sendo levado a efeito. Mourão, Salles e Damares estão nesta desde o início, inclusive tendo participado da viagem à região que culminou com a demissão do então poderoso Gustavo Bebianno, conforme podemos ler nesta ótima reportagem de Setembro de 2019, da repórter do Intercept Tatiana Dias:

        https://theintercept.com/2019/09/19/plano-bolsonaro-paranoia-amazonia/?fbclid=IwAR0UWrTR8BRoqKJVvHE3W37bhUyyZTSWMKsquvT1C3kK5fQPSbsQaKkc5H0

        Os sinais sempre estiveram por aí, nós é que fomos descuidados…

  2. É estarrecedor saber que uma cavalgadura deste quilate possa se tornar general neste país!!!!!! O que pensar, então, dos que não conseguem passar da patente de capitão????

  3. É melhor deixar como está; nada de impeachment. Nada é tão ruim que não possa piorar. Declarações desse tipo ocorrem também em outras áreas de conhecimento pelos ” cientistas” governamentais.Enquanto isso já se forma 37,5% do mandato e NADA, ABSOLUTAMENTE NADA.

  4. O general precisa pensar melhor antes de emitir um conceito ou o que julga ser um fato consumado. O segredo de quem quer polemizar é justamente não se julgar infalível, e checar até mesmo aquilo que desde criancinha pensava que seria verdade.

  5. No mundo da lua. Kkkkk kkk general? Kkkkk será que sabe o que é leste ou oeste? Kkkkkkk De braços dados com Gal. Villas Boas, kkkkkkkk
    Se não fosse triste.

  6. Precisamos resgatar as FFAA das mãos deste monte de cabeças de bagres. Some-se que as FFAA têm uma missão extremamente confusa, pois como vão “proteger” nossas fronteiras, se eles têm visão aristocrática e servem à potencia estrangeira? Isso serve para o judiciário, policias, mp, midia, etc

  7. Quando não se domina determinado assunto ou tema, é melhor ficar de bico fechado.

  8. E, para provar que todos os ministros estão altamente preparados para nos envergonhar, o ministro das comunicações vem e diz que a floresta equatorial amazônica é “mata atlântica”!

  9. A precariedade intelectual dos generais de palácio, aqueles que têm na sala ao lado no palácio meliantes cometendo crimes com fakenews e nem sabem, né general heleno?, condena qualquer esperança para este pobre país.
    Despreparados e desastrosos, se meteram na política movidos pelo ódio e deu o que deu.
    Que incapacidade de qualquer coisa na área civil e política! Coitada da amazônia, gerenciada por mourão.
    Que desgraça! Destruíram o país.

  10. Tem que perguntar a esse apedeuta mal intencionado não “desde quando um satélite leva um ano para orbitar a Terra?” mas o que ele, o “clown” de vixeburrodente, andou bebendo…

  11. 1.034 dao quase 3 Belo Horizonte ou Salvador (q sao das menores
    capitais) e quase uma Rio ou SP. Ou uns quase 10% de Brasilia que eh a
    maiorzinha de todas..

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.