Columbine vai ser aqui?

Para os alucinados que acham que a farta liberação de armas não vai ter efeitos monstruosos: um menino de nove anos feriu-se na perna ao disparar, na escola, a arma mantida em casa por seu pai, um agente Secretaria de Justiça e Segurança Pública do Mato Grosso do Sul.

As informações sobre o fato, ocorrido no Colégio Adventista, localizado na região nobre de Campo Grande, são poucas, mas as versões são de que o garoto queria exibir-se com a pistola, algo que virou “moda” desde que Jair Bolsonaro passou a fazer e incentivar crianças a fazer a simulação, por gestos, da empunhadura de armas de fogo.

Mesmo que tome todas as precauções, é virtualmente impossível ter 100% de certeza de uma arma em casa não será, num momento de descuido, acessível a uma criança, ainda mais quando ela vira um fetiche e objeto de exposição.

Nem se pode imaginar uma situação onde a escola faça revista corporal em centenas de crianças, na hora da entrada, para procurar revólveres ou pistolas, como neste caso, uma 6.35, arma pequena, do tamanho da palma da mão de um adulto.

O que, até agora, pode ser chamado de acidente, com armas para todo lado, pode virar tragédia, quando algum adolescente, em estado de desequilíbrio, resolver fazer uma fuzilaria entre os colegas, como no episódio retratado em Tiros em Columbine, nos EUA, tema do famoso documentário de Michael Moore.

E quem acha que não tem nada a ver com isso, lembre-se que seu filho ou seu neto frequenta uma escola.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

15 respostas

  1. Quando um menino se aproximar, todos os brasileiros ficarão calados e aterrorizados pelo medo. Este era o cenário na Alemanha nazista.

    1. Aliás, o grande ausente nesta quadra de agonia e morte da democracia, foi o Teatro. Este ambiente de terror diante de um menino é um dos pontos altos da peça do Millôr Fernandes, “Liberdade, Liberdade”, que terminou sendo proibida pela ditadura em 1966. Pelo menos, deveriam ter reencenado agora esta peça que foi considerada na época pelo New York Times como “o mais ambicioso dos espetáculos de protesto”.

      1. Sim, tive a oportunidade de ver uma representação na igreja matriz de S Bernardo do Campo, à época, sai muito impressionada.O texto é ótimo, não lembro do nome do grupo que a encenou. Realmente importante.

  2. Isso é só o começo do que ainda está por vir, quando o coisa ruim assumir o poder, isso tende a ficar muito… Que Deus nos proteja

  3. Lembrando que isso não foi na periferia violenta e sim em um bairro nobre, frequentado pela classe média alta …
    Daqui a pouco teremos uma revista na escola (caso o aluno não tenha arma, ele recebe na entrada) …

  4. E os pais que irão buscar e deixar as crianças na escola/creche com a arma na cintura? O porteiro vai tentar impedi-los??? Vamos ter que conviver com gente com arma na cintura em todo lugar.

  5. Com a educação à distância esse perigo não existe mais! Basta o professor particular usar colete a prova de bala.

  6. Nos anos 60, meu pai era médico numa pequena cidade mineira (12 mil hab. na área urbana). Raríssima era a semana que não apareciam crianças vítimas de bala.

  7. Vai ver que é por isso que o bolsonaro também pretende eliminar o ensino presencial e fomentar o ensino a distância…

  8. Há os que pagam e os que se calam diante da campanha do Bozo.
    O Brasil será um Egito, uma Angola, um Porto Rico ou um misto dos três?
    Se Haddad não vencer, os Coturnos pisarão em toda sociedade!

  9. A liberação de armas propalada pelo verme fascista,É BALELA .
    Existe um empecilho imenso ,instransponível,as FA.
    Em que se baseia o poder desses ENTREGUISTAS ? na posse das armas ,uma massa armada é uma granada sem pino pra eles,É PAVOR,É DESEPERO,com a posibilidade de uma massa armada.
    Todo seu “poder” foi expressado pela posse das armas,assim covardemente assassinaram um país na ditadura,e planejam fazer mesmo agora,SEMPRE A FAVOR DO TIO SAM.
    Talvez liberem para zona rural,mas é lá que os bandidos irão busca-las,se antes eram 3 ou 4 ,agora se liberadas no campo ,serão uma dúzia.
    A hipocresia de uma sociedade EMFERMA ,DOENTE,ALIENADA COMO A BRASILEIRA ,a faz capaz de pedir a liberação das armas ,que SÓ são usadas para matar,mas berram em contrário quando alguém sugere a liberação da maconha.
    Ô BOSTA DE SOCIEDADE ,A BRASILEIRA!

  10. Os eleitores do Boçal não estão preocupados com isso, afinal, o ensino passará a ser EAD!!

  11. e olha q apareceu uma mensagem na UnB dizendo q se o estrupício ganhar columbine será na lá, na UnB..

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.