Cristina Serra e a tragédia anunciada

Cristina Serra e Laerte Coutinho, ambos na página dois da edição de hoje da Folha, desenham, em letras e traços, a crônica de mortes anunciadas que se escreve com a reabertura precipitada do comércio, em atos de covardia que custarão ao povo brasileiro milhares de morte.

Vale a pena a leitura da coerência de ambos, coisa que anda em falta neste país.

A caminho do abatedouro

Cristina Serra, na Folha

No auge da pandemia no Brasil, o que fazem governadores e prefeitos? Jogam a toalha, vencidos por pressões econômicas e pela campanha de sabotagem permanente empreendida pelo presidente Jair Bolsonaro. Relaxam a quarentena —que sempre ficou longe do ideal— e oferecem carne fresca ao vírus insaciável.

Como chegamos até aqui? O roteiro foi escrito pelo sabotador-geral da República. Alguns exemplos: “gripezinha”, “resfriadinho”, “todos nós iremos morrer um dia”, “e daí?”, “quer que eu faça o quê?”, “não faço milagre”, “vai morrer muito mais se a economia continuar sendo destroçada por essas medidas”, “um bosta do prefeito faz a bosta de um decreto, algema e deixa todo mundo dentro de casa. Se tivesse (sic) armado [o povo], ia para a rua”. Por fim, a incitação ao crime: “Tem um hospital de campanha perto de você, tem um hospital público, arranja uma maneira de entrar e filmar”.

A população pobre teve enorme dificuldade de cumprir as regras de isolamento social não porque goste de bater perna nas ruas à toa, mas porque milhões de brasileiros, por assim dizer, vendem o almoço para pagar o jantar ou vice-versa. Confinar as pessoas em casa teria sido possível se o governo tivesse a capacidade de distribuir o auxílio emergencial a quem realmente precisa, com boa vontade e presteza. Mas, não. Milhões de necessitados ainda não conseguiram sequer se cadastrar enquanto milhares receberam indevidamente, inclusive militares. A incompetência do governo federal é evidente também na falta de testes para a população, o que dificulta projeções sobre a doença.

Reportagem de Eliane Trindade, publicada nesta Folha, em 29/3, mostrou que o vírus pegou carona na primeira classe dos aviões para chegar ao Brasil. Hoje os mapas de incidência da contaminação mostram que a peste se alimenta do sangue das periferias. Estamos diante de um mal disfarçado projeto de eugenia. E o povo, apinhado em ônibus, trens e metrôs, vai sendo tocado como gado, rumo ao abatedouro.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

9 respostas

  1. Outro dia, eu dizia aqui que a família de minha mulher (DF e GO) é muito grande e já tinha 15 mortos. Hoje, são 18. Todos pegaram o vírus ou diretamente no curral do Planalto ou por terceiros que lá estiveram (marido, irmão, etc). O lugar onde moro, Campo Formoso/Ba (70 mil habitantes), é um microcosmo em relação a uma SP . Há dois meses, o município foi totalmente fechado. Tínhamos dois casos, ambos vindos de fora. Há 10/15 dias, o comércio foi aberto parcialmente e hoje já temos 32 casos

  2. Sem uma vigorosa Frente Ampla a lhe dar respaldo social e político, o TSE não cassará a chapa Bolsonaro-Mourão e o Brasil continuará a ser destruído. Quem cria obstáculo à Frente Ampla é aliado tácito de Bolsonaro.

    1. O TSE é golpista.
      Os membros da tal frente “amplíssima” são canalhas, além de gospistas. Essa corja maldita inclui FHC, Mandetta, Alexandre Frota, o nazi-sionista Luciano Huck, os irmãos Marinho, O MBL, Cirubu, Marina Itaú e outros lixos. Não, eles não querem derrubar Bolsonaro.

      Para derrubar o governo, precisamos ir às ruas com fúria, como o povo dos EUA. Precisamos forçar a elite a entregar os anéis para não perder os dedos. E a cabeça.

      ___________________
      PS.: os que apoiam a tal frente ampla são os mesmos que querem “evitar confrontos”, dizem que é melhor ficar em casa. Se não conseguem abafar o movimento, levam-no lá para o largo da Batata para ouvir discursos eleitorais do Boulos e distribuir flores para a polícia assassina. São os mesmos que dizem que as torcidas organizadas “são muito violentas”.

  3. Vcs imaginam isto acontecendo num país onde as pessoas ,os seres humanos são cientes da sua efêmera existência ? portanto cientes de que a morte é uma certeza e a vida precisa valer a pena ?????????????????????????????????????????????????
    a massa IMBECIL que habita este país merece o genocida que preside este país,quando entenderemos isso??
    Covarde,egoísta,calculista,fría, essa é a massa brasileira ,nada mais merecido do que ter um aberrante delinquente comandando este prostíbulo.
    Morrem mansamente,nem sequer imitam o boi que berra,esperneia ,porque sabe que vai morrer ,eis ,a massa brasileira,que NÃO atingirá a QUALIDADE DE POVO,até desprezar a sua vida em prol da justiça,da verdade, e do bem para os eternos protelados do sistema.

  4. E é disso que se trata,as ações das elites,apoiadoras de BÓSTA-ONARO,para eliminar o maior número de gente do povo,e com isso,conseguirem com os que restarem,aumentar a RENDA PER CAPTA e entrarem,na visão dessa gente,no primeiro mundo.O resto é conversa fiada.

  5. Estou impressionado com esta moça, Cristina Serra. Acho que, pela primeira vez no país, um jornalista (excetuando vc, Brito) coloca preto no branco a realidade dos fatos e descreve o comportamento criminoso do monte-de-merda que ocupa a presidência.

    1. Só lembrando: Cristina Serra era uma das “Meninas do Jô”, esquete apresentado semanalmente no programa de entrevistas de Jô Soares, junto a Cristiana Lobo, Lillian Witte Fibe, Ana Maria Tahan e outras. Eram criticas ácidas do governo Dilma e ajudaram muito na destruição midiática da imagem do governo petista promovida pelas Organizações Globo. Será arrependimento? No Brasil, quase tudo desmancha no ar…

  6. Sou contra criticarem tanto os prefeitos e governadores que fizeram isolamentos por meses e agora afrouxam, por necessidade.

    Se eu fosse prefeito e visse que depois de 2 meses de isolamento boa parte do povo não recebe auxílio que precisam pra comida, mercado, gás e remédios; também afrouxaria.
    Não quero passar pano pros políticos omissos e coniventes com o Bolsonaro que não criticam o governo federal quando dá uma miséria (era 600, foi pra 300 e deve chegar em R$200), e tendo milhões sem.

    Vejo muita prepotência e arrogância quando criticam duramente quem fez a parte dele

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *