Ofensiva do STF deve paralisar saída de Weintraub

Jair Bolsonaro está preso no córner.

Como jamais tomou qualquer iniciativa para conter sua matilha – nem demitiu Abraham Weintraub logo após a sugestão de prender os “vagabundos” do STF, nem puxou as coleiras dos seus núcleos de apoio – está, agora, em imensa dificuldades de se mover.

Como escrevi ontem à noite, a demissão, agora, do Ministro da Educação de pouco ou nada servirá, porque não é um gesto, mas uma retirada vergonhosa, diante de suas tropas açuladas.

Ao mesmo tempo, não pode avançar e “peitar” o Supremo, porque não tem apoio dos militares da ativa para isso, muito embora haja vontade de Augusto Heleno & companhia.

O encontro entre Gilmar Mendes e o general Edson Pujol, comandante do Exército, relatado por Maria Cristina Fernandes no Valor Econômico, é mais uma evidência de que o comando das Forças Armadas não vão entrar no atropelo aos poderes por simples desejo presidencial.

Bolsonaro, através dos filhos, está sendo advertido de que pode perder seus radicais, que são o que lhe resta, sem ter certeza de que recuperará os “moderados”.

A ideia que se menciona, a de nomeá-lo para um posto no exterior, por se tratar de uma evidente fuga de juristição, não passa no Senado e, se passasse, cairia na Justiça.

Não importa o que faça, Weintraub será dilacerado em praça pública.

E, convenhamos, por merecimento.

 

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

10 respostas

  1. É quase certo o que comentam: A centro-direita (PSDB, talvez Ciro e etc.) estaria negociando apoio ao não-impeachment e à permanência de Bolsonaro. Em troca, ele daria sinais de moderação, como a demissão de Weintraub. O telefona a Putin pode também ser tido como novo sinal de moderação.
    Ou este pessoal quer apenas se unir ao Centrão em busca de cargos, ou está a armar um novo realinhamento da direita com a extrema-direita, já que com a galopante ruína do governo Bolsonaro, o futuro pós-pandêmico não aponta para nada que não seja uma explosão inevitável de popularidade da esquerda progressista. Deste modo esse pessoal demonstraria preferir, mais vez, aliar-se ao extremismo de direita para não admitir uma possível recuperação do país que inclua o reconhecimento político dos progressistas no jogo democrático.

    1. Vão achar outro mito pra tocar o berrante, vai aparecer outro energúmeno tão ruim ou pior que o bozo pra ocupar o vácuo de estupidez.

      1. Difícil a bezerrada gritar “mito” para outra pessoa, mas com certeza, salvo o bolsonaro participar da eleição 2022, será um candidato com apoio total da globo/folha/estadão e seus satélites.

  2. É quase certo o que comentam: A centro-direita (PSDB, talvez Ciro e etc.) estaria negociando apoio ao não-impeachment e à permanência de Bolsonaro. Em troca, ele daria sinais de moderação, como a demissão de Weintraub. O telefona a Putin pode também ser tido como novo sinal de moderação.
    Ou este pessoal quer apenas se unir ao Centrão em busca de cargos, ou está a armar um novo realinhamento da direita com a extrema-direita, já que com a galopante ruína do governo Bolsonaro, o futuro pós-pandêmico não aponta para nada que não seja uma explosão inevitável de popularidade da esquerda progressista. Deste modo esse pessoal demonstraria preferir, mais vez, aliar-se ao extremismo de direita para não admitir uma possível recuperação do país que inclua o reconhecimento político dos progressistas no jogo democrático.

      1. Com certeza se ferrariam, e bem rápido ao ponto de voltarem atrás 360 graus e continuarem a preparar um Huck ou um Dória. E o Ciro, que está rouco de tanto apostar no declínio da esquerda, vai ficar mais uma vez chupando o dedo. Ele é branco, mas não para a Casa Grande.

  3. Caro senhor ,donde o senhor tirou,tanto OTIMISMO?Eu,simples eleitor,estou a procura,ha mais de um ano,e não consigo encontra-lo.Será que o OTIMISMO,é CLANDESTINO?

  4. Bolsonaro não me assusta. Considero-o um retardado histriônico. Assusta-me a sociedade que o elegeu. Né não?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *