Cristina Serra e o jantar de Temer, na veia

Cristina Serra, sempre competente como jornalista em seus 40 anos de carreira, se supera também como cronista política vigorosa, a mostrar que existe vida ética fora do relativismo moral – por nossas bandas, frequentemente um “relativismo imoral” –

Dá o tratamento que merecem Michel Temer e seus comensais no regabofe do deboche onde, mal saído o país de um momento tenso de conflito institucional e mergulhado numa imensa crise, caíram às gargalhadas com a imitação do monstro que acabava se ser, temporária e parcialmente contido.

Tudo se torna mais forte porque aquilo que Cristina descreve no texto a cartunista Marília Marz traduz de forma crua e espetacular.

Riem do que, senhores?

Cristina Serra, na Folha de S. Paulo

O vídeo do recente jantar em homenagem a Michel Temer lembrou-me uma cena do filme “O Poderoso Chefão 3”, o último sobre a saga da família Corleone, dirigido por Francis Ford Coppola e estrelado por Al Pacino. A ficção mostra um encontro de mafiosos, num ambiente cafona e decadente em cada detalhe da decoração: cristais, pratarias, taças, lustres.

Semelhante também é a disposição dos personagens na cena: senhores cheirando a naftalina, em torno de uma grande mesa para tratar de negócios. No caso, aqui, para celebrar o “business as usual”, depois que Temer afivelou uma focinheira em Bolsonaro e deixou claro quem controla as rédeas do processo golpista que se desdobra desde 2016.

No vídeo, a anormalidade institucional do país, os ataques de Bolsonaro à democracia, à legalidade e ao STF, enfim, tudo o que joga o país no chão é tratado com chocante naturalidade. Na imitação que faz do presidente, um animador de auditório fala em instrumentos de tortura usados na escravidão, como a chibata, e o pau de arara, símbolo da violência na ditadura. Seguem-se risadas e aplausos.

Nunca um presidente cometeu tantos crimes de responsabilidade contra o povo. Estamos chegando a 600 mil mortos pela Covid. Doença, desemprego e fome dilaceram os sonhos de milhões de brasileiros, lançados ao desespero pelo governo que essa gente ajuda a manter no Palácio do Planalto. Ainda que mal pergunte, riem do que, senhores?

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *