Cristina Serra lança blog e amplia espaço da inteligência na internet

Em tempos em que blogs progressistas morrem, estrangulados pela queda de receitas publicitárias por conta da pandemia, nada melhor que saudar o nascimento de outros espaços de inteligência na internet, como o blog de Cristina Serra, quase quatro décadas de coerência desde que, lá no seu Pará, começou a carreira como repórter do jornal Resistência, da Sociedade Paraense de Defesa dos Direitos Humanos.

Conheci-a na cobertura, pelo velho Jornal do Brasil, da campanha presidencial de Leonel Brizola, por várias vezes com a companhia de Florencia Costa, que depois correu mundo e, ainda bem, voltou para cá.

Cristina é uma pessoa tão sóbria quanto sólida, mesmo só olhando de longe a sua carreira, que passou pela Veja, pela Globo e, agora, colunista da Folha.

Qualidades que só se igualam na sua delicadeza pessoal e inteligência que, há anos sem vê-la, posso garantir que sempre lhe permanecem.

Por isso, não tenho a menor vacilação em recomendar a leitura dos textos de seu blog, que você pode acessar aqui.

Vá, você não se arrependerá, porque quem atravessou com coerência as décadas difíceis e os encantos fáceis do coro dos contentes merece ser lido quando os tempos são duros.

Boa sorte, Cristina.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

5 respostas

  1. Um ótimo blog, desses que dão uma ideia geral do conteúdo em apenas uma página. Um estilo claro, leve e ao mesmo tempo profundo. Um brasileirismo universal que estava a ficar raro. Desejamos sucesso.

  2. Fui lá. Li um artigo sobre o governo Ecocida. Claro, conciso e duro como deveria ser. A única coisa de que não gostei foi a impossibilidade do comentário. Hoje o leitor não é apenas um receptor. Não gosto de frequentar lugares que não fazem troca. Sempre me sinto impelido ao comentário. Aqui mesmo, no Tijolaço me desencantei quando a versão mobile me impedia de ler os comentários e de comentar. Deixou-se escravizar pelo Facebook, mas descobri que se configurar meu navegador para a versão desktop após a leitura os comentários e a possibilidade de comentar aparecem.
    Desde março não acesso o Facebook, exceto quando absolutamente necessário para fins de trabalho. Não leio a timeline, não posto, não curto e torço pelo seu fim.

  3. Fui lá. Li um artigo sobre o governo Ecocida. Claro, conciso e duro como deveria ser. A única coisa de que não gostei foi a impossibilidade do comentário. Hoje o leitor não é apenas um receptor. Não gosto de frequentar lugares que não fazem troca. Sempre me sinto impelido ao comentário. Aqui mesmo, no Tijolaço me desencantei quando a versão mobile me impedia de ler os comentários e de comentar. Deixou-se escravizar pelo Facebook, mas descobri que se configurar meu navegador para a versão desktop após a leitura os comentários e a possibilidade de comentar aparecem.
    Desde março não acesso o Facebook, exceto quando absolutamente necessário para fins de trabalho. Não leio a timeline, não posto, não curto e torço pelo seu fim.

  4. Fui lá. Li um artigo sobre o governo Ecocida. Claro, conciso e duro como deveria ser. A única coisa de que não gostei foi a impossibilidade do comentário. Hoje o leitor não é apenas um receptor. Não gosto de frequentar lugares que não fazem troca. Sempre me sinto impelido ao comentário. Aqui mesmo, no Tijolaço me desencantei quando a versão mobile me impedia de ler os comentários e de comentar. Deixou-se escravizar pelo Facebook, mas descobri que se configurar meu navegador para a versão desktop após a leitura os comentários e a possibilidade de comentar aparecem.
    Desde março não acesso o Facebook, exceto quando absolutamente necessário para fins de trabalho. Não leio a timeline, não posto, não curto e torço pelo seu fim.

  5. Fui lá. Li um artigo sobre o governo Ecocida. Claro, conciso e duro como deveria ser. A única coisa de que não gostei foi a impossibilidade do comentário. Hoje o leitor não é apenas um receptor. Não gosto de frequentar lugares que não fazem troca. Sempre me sinto impelido ao comentário. Aqui mesmo, no Tijolaço, me desencantei quando a versão mobile me impedia de ler os comentários e de comentar. Deixou-se escravizar pelo Facebook, mas descobri que se configurar meu navegador para a versão desktop após a leitura, os comentários e a possibilidade de comentar aparecem.
    Desde março não acesso o Facebook, exceto quando absolutamente necessário para fins de trabalho. Não leio a timeline, não posto, não curto e torço pelo seu fim.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *