Delações não foram premiadas. Foram compradas

No Valor, hoje, a informação de que 77 executivos e ex-executivos da Odebrecht receberam a empresa R$ 1, 5 bilhão para fazerem delações premiadas sob encomenda e, com isso, azeitarem o caminho para o acordo de leniência da empresa.

Ano passado, um ex-gerente da OAS provou num tribunal trabalhista que a empreiteira pagou R$ 6 milhões a executivos para “adequarem” suas delações.

Está evidente que não se tratam de delações premiadas, mas de delações compradas .

No Facebook, o amigo João Ximenes Braga lembra que a condenação de Lula se deu sob a acusação de ter recebido um apartamento no Guarujá por R$ 1,5 milhão.

Que, aliás, nunca recebeu.

Nessa toada, era mais fácil se quisesse dinheiro, Lula ter se “empregado” como executivo da Odebrecht.

O “abre a boca” (sucedâneo do velho “cala a boca”) médio andou pelos 20 milhões por cabeça, dava mais uma dúzia de “triplexes” no Guarujá.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

17 respostas

  1. E foram homologadas no último dia de titularidade da presidente do STF sob ameaça de divulgação de fatos íntimos provavelmente reprovados pela “sociedade” (porrete) ou pelo prêmio personalidade do ano da rede globo (cenoura). Ganhou o prêmio, e nós perdemos a petrobrás, a odebrecht e quantos projetos de desenvolvimento soberano tínhamos, bem como os empregos qualificados ou não que disso advinham.

    1. E os anuncios da empresa nos orgaos de imprensa
      Nao eaqucer das dezenas de filmes q a Petrobras patrocinou p q atores da globo enchessem a burra

  2. Eu me lembro que esses acordos de leniência já estavam prontos para serem assinados ANTES do golpe contra Dilma e a Democracia.
    Lembro igualmente de artigos que li que diziam que, embora não fosse condição com base legal, Moro havia encaminhado os acordos para prévia manifestação do MPF, sob o pretexto de avaliar se algumas das cláusulas do acordo poderiam prejudicar a condenação dos executivos das empreiteiras. Supostamente por conta disso, os acordos só foram fechados DEPOIS do golpe, quando já era tarde demais para evitar a quebra das grandes empreiteiras.
    Infelizmente, não guardei o link para esses artigos e, por mais que busque utilizando os mais variados termos de busca, não consigo mais localizar os artigos. Se fossem divulgados, seria mais uma prova da responsabilidade de Moro pela destruição econômica do Brasil, em nome de um combate à corrupção que, ao menos no que diz respeito a Moro e boa parte dos procuradores, nunca, nem remotamente, pretendeu combater a corrupção, apenas recolocar no poder os ricos e brancos reacionários conservadores de direita que há pelo menos cinco séculos dominam esse país.
    Gostaria que alguém conseguisse resgatar esses artigos.

  3. E assim se vai acumulando material para um futuro “Democracia em Vertigem 2”. Com o anuncio de que o “Democracia em Vertigem 1” vai concorrer ao Oscar de melhor documentário, o insepulto PSDB e o ectoplasmático MBL estão a arrancar os cabelos, pois suas esquálidas existências dependem da continuidade da narrativa mentirosa sobre o golpe. A luz da verdade destruiu o seu cantinho escuro e úmido.

  4. Golpistas.
    Delações premiadas falsas, chantagistas e caluniosas, por isso compradas. Sob tortura psicológica.
    Quem não sabe disso? Quem do stf não sabia disso?
    Uma ameaça, ou você delata o que a gente quer e como a gente quer, independente se aconteceu o não, ou vai para a cadeia junto com seus filhos e netos, explica tudo.
    E olhe que ele ainda destruiu a empreiteira. Tinha ordem superior do norte para fazer isso.
    Um dia estes criminosos pagarão pelos crimes que cometeram.
    Faremos milhares de “Democracia em Vertigem” e ainda faltará crimes a serem contados.
    Já espero a enorme série na Netflix.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *