Dólar volta a R$ 4,12, mesmo com “calmaria” no exterior

Desta vez não dá para apontar Wall Street como causa. A Bolsa de Nova York segue comportada e em alta de 1% desde o início do ano.

Mas aqui os nervos tremem, muito embora o tal Boletim Focus, do Banco Central, cada vez mais se pareça com “folder” de propaganda de fundo de investimentos.

O dólar voltou à casa dos R$ 4,12 (R$ 4,1233, enquanto escrevo) e parece ter, salvo intervenções do BC, fôlego para ir adiante com qualquer novo ruído na economia.

É uma alta, contada da última cotação de 2019, de quase 3%.

Mesmo com a “sossegada” do preço do petróleo, isso deixa as contas apenas no “zero a zero”, mas bem perto de sofrerem com qualquer abalo na tensa e imprevisível situação do Oriente Médio.

Permitam-me uma tautologia: se o dólar sobe é porque há quem queira pagar o preço, mesmo alto, em busca de segurança para seu capital.

Mas onde encontrar insegurança num discurso dos “mercados” que promete crescimento, retomada, valorização a granel?

A turma da alta finança sabe muito mais que nós e põe as barbas de molho em dólar.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

4 respostas

  1. E o velho IMPERIALISMO FINANCEIRO,que os agiotas não creem,vai leva-los aonde a VELHA HISTÓRIA,destinou pra eles todos.Mesmo que tardia,acho que não conseguiremos assisti-la,face as IDADES,mas que vai vir,virá! Muito pior dessa hecatombe, é que os néscios,ainda acham que irão PRA OS CÉUS.

  2. Desde o impeachment encenado começou a evasão de dolares e investimentos do brasil. O circo armado e travestido de moralidade, expôs todas as caracteristicas de uma republiqueta e popularizou mundialmente a insegurança juridica pra se investir aqui.

  3. Até os especialistas mais experientes que frequentam o boteco aqui da esquina (kkkk) sabem que nada, absolutamente nada acontecerá de positivo nesse país enquanto esses cupins estiverem ocupando o poder. É triste, é nojento e até desesperador mas é a pura realidade.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *