Depois do “solta-não solta” de Lula, as pesquisas sumiram

15 dias após o “imbroglio” do solta-não solta o Lula, ainda não há pesquisas nacionais sobre a intenção de votos.

Hoje ou amanhã sai a primeira, da Vox Populi, porque o único levantamento divulgado após aqueles fatos – ou não-fatos – foi o do Ipsos, que não mede intenção de voto, mas aprovação/reprovação.

Providencialmente, os grandes institutos de pesquisa não quiseram medir o impacto do intenso noticiário que tirou o ex-presidente da sombra onde o lançaram Justiça e mídia.

Casualmente conveniente, não é?

Claro que não se pode adivinhar se o quadro de preferências eleitorais – que tem se mantido praticamente imutável por meses – vá sofrer alterações significativas.

Mas, se acontecerem, dificilmente serão em outra direção senão a de aumentarem as menções a Lula.

Ibope e Datafolha ainda não registraram qualquer levantamento.

Na folha de registros de pesquisas do TSE, porém, uma delas chama a atenção.

É a encomendada pessoalmente por Henrique Meirelles, o candidato do PMDB, por R$ 42 mil e 500 entrevistados.

Nela, além das perguntas convencionais, discorre-se sobre o entendimento pela população das virtudes econômicas do ex-ministro, sempre frisando o fato de ter participado do governo Lula.

“Seu” Meirelles, mesmo sem ser marqueteiro, posso assegurar que, por aí, o senhor não arruma nada.

Até porque a turma que encheu as burras com a política de crescimento econômico de Lula não economiza na hora de odiar o ex-presidente.

Assim, aliás, como faz o senhor, que usa o cargo que ele lhe confiou para postular-se candidato de uma política econômica absolutamente inversa à que ele propõe.

Lula, para desmontar sua canidatura, nem precisa ser solto, basta um bilhetinho.

 

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email