A derrama de dólares do BC é “nunca antes na história deste país”

derrama

Reportagem de José de Castro, no Valor, dá números espantosos à derrama de dólares feita pelo Banco Central para deter a disparada da moeda norte-americana.

Traduzindo o valor de US$ 38,62 bilhões representa, em dinheiro brasileiro, oferecer garantias em dólar a nada menos que R$ 144 bilhões.

É mais que o orçamento federal para a Saúde em todo o ano de 2018, R$ 120 bi.

Com o dólar em alta, isso gera prejuízos ao BC, que contabilizou, nestas operações, no mês passado, R$ 6,9 bilhões. Como , depois de injetar, na segunda quinzena de maio e na primeira semana de junho, US$ 14 bi no mercado de câmbio, o banco anuncia que vai “dobrar a meta” e oferecer mais US$ 24 bilhões, tudo indica que o prejuízo crescerá em ritmo semelhante.

Desde 2002, quando começou a usar os swaps como instrumento de atuação no mercado de
câmbio, o BC nunca colocou tantos contratos para esse mesmo intervalo de tempo.
Entre 14 de maio e 7 de junho, o BC injetou no mercado futuro de dólar o equivalente a US$ 14,117 bilhões via swaps. Na semana passada, a autoridade monetária prometeu oferecer ao mercado pelo menos mais US$ 24,5 bilhões entre os dias 8 e 15 de junho. Isso daria um total de US$ 38,617 bilhões a mais em dólares num período de 24 dias úteis, período em que o BC retomou as vendas líquidas de swap.

Este é um valor que bem merece ser definido, como se disse aqui, lançado à fogueira da especulação como “nunca antes na história deste país”, como registra o repórter do Valor:

Nem em 2008, na esteira da crise financeira de 2008; nem em 2013, ano do Taper Tantrum; nem em 2015, quando o dólar disparou com uma onda de venda de ativos no Brasil; e nem em maio do ano passado, com as delações da JBS. A reação do dólar hoje dá uma ideia do tamanho do desafio do BC de controlar a volatilidade cambial. Mesmo depois de tervendido, apenas nesta segunda-feira, US$ 2,5 bilhões em swaps, a moeda americana voltou a subir, fechando a sessão em alta de 0,45%, a R$ 3,7242.

Ou seja, depois do “choque” de sexta-feira, com as perspectivas nada confortadoras que vem de fora e a incerteza inquietante daqui de dentro, a turma das verdinhas fincou o pé e segurou o Banco Central numa posição vendedora.

Mas, como o “patrão ficou maluco”, a ordem é de queima total.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

30 respostas

  1. Ainda bem que os “Liberais” não consideram esse tipo de jogada uma “intervenção na economia”… claro que não…

    Se esses 38 bilhões virassem incentivo à indústria ou algum programa de combate à pobreza… aí não!!! Aí é Comunismo!!!

    Será que o MBL vai falar que quem “paga a conta é você!”… acho que não… eles só lembram disso quando o dinheiro vai para educação ou para a gasolina…

    Quando é para “intervir na economia” liberando bilhões no mercado financeiro não aparece um único economista de merda para dar chilique!

    1. Em tempo, como bem lembrou André Araújo no blog do Nassif, o café é uma commodity igual ao petróleo, mas não tem essa absurda oscilação de preços no mercado interno.

      Só no Brasil do golpe um ser abjeto como Parente pode ser considerado “gênio”.

      É porque a constituição não permite, mas seria caso de fuzilamento.

    2. Para os liberais essa queima é para “incentivar a economia a crescer”… Leitoa que o diga …

    3. Desde os oito anos de governo de FHC que ficou provado que o neoliberalismo é destruidor para o Brasil. O Brasil só funciona em uma estrutura de economia mista, estatal-privada. Estão destruindo isso agora para colocar no lugar uma indústria cruel para a produção de gente gorda bilionária. Ninguém precisa de mais bilionários, pelo contrário. O sujeito fica bilionário vendendo cerveja, e já quer açambarcar através de um governo ilegítimo as usinas de eletricidade construidas com o esforço e o dinheiro do povo, para depois cobrar os olhos da cara pela energia elétrica. Para quê? Só para sair da festa dos bilionários fracos e ir para o salão dos bilionários fortes. Porque ele não vai fazer sua própria usina e vende energia para as distribuidoras? Não constroem nada, nada, nada.

    4. Verdade, e hoje continuaram imolando dólares no altar dos especuladores para apagar a fuga do capital motel (capital especulativo)….Não vai adiantar.Motivo: a alta dos juros americanos que ocorrerá mais 2 vezes até o final do ano e o cenário eleitoral. Vão torrar nossas reservas enxugando gelo. E os comentaristas pró-mercado se fingindo de mortos.

  2. A incompetência e a pratica de lesa pátria de Temer e Meirelles estão torrando toda a reserva cambial (uma espécie de poupança em dólar de um País) acumulada durante os governos Lula e Dilma.

    Festa dos especuladores, que ganham muito, sem produzir um prego, quiçá empregos.
    #LesasPatriaVips

    1. Pode investigar que tem ministro superior …juizeco..procurador e delegado lucrando e alto com essa queima…

        1. Que fuzilamento que nada !! Seria muito rápido, cômodo, indolor e fácil para eles/as : Têm é que, no mínimo, passarem por tudo o que nós passamos, (e) temos passado.

  3. Estranho : o governo intervir no mercado de combustíveis é execrado pelos liberais . Náo pode !
    Torrar as reservas cambiais do país, daí pode ….
    Qualquer problema, batemos no FMI e a GRoubo manda seguir o baile !

  4. Apenas uma forma de desovar os dólares baratos para os bancos e financeiros. Quando pararem os leilões, o dólar dispara e os golpistas comemoram.

  5. Trata-se de mera troca de mãos das reservas feitas pelos governos progressistas. Agora, só uma pergunta, que desfaz o golpe e coloca moro na cadeia: ONDE ESCONDERAM EDUARDO CUNHA?

  6. Fiz uma série de posts sobre o tema no LinkedIn mas aqui vai o primeiro;

    Um dia após a intervenção e o vetor “dollar terms”

    Depois da intervenção do Banco Central na sexta, é possível observar que os juros mostraram-se mais resistentes à queda e a Bolsa de Valores continua com sua trajetória baixista.
    O ativos brasileiros continuam sofrendo e, paradoxalmente, o Banco Central dá o hedge necessário para a saída.
    Como disse anteriormente, não estamos vivendo uma crise de balanço de pagamentos clássica, mas uma mudança no padrão de valor da economia mundial (dollar terms).  Esse vetor é avassalador.
    Quanto menos assumirmos essa nova realidade, maior será a instabilidade e a compressão no fluxo de capitais.
    Para uma nova rodada de fluxos, a moeda deveria estar mais depreciada sem falar nas taxas soberanas que deveriam se ajustar ao risco. Tabelar o câmbio só favorece a volatilidade e a saída de fluxos.
    Uma taxa de câmbio mais depreciada é elemento chave na precificação sobretudo na transição de um padrão de valor entre as moedas. Há um novo paradigma de valor, ao meu ver.
    Fico a pensar com meus botões, qual seria o tamanho necessário da próxima intervenção, caso haja algum reforço no vetor do “dollar terms” e o Ilan tenha que dar novamente as caras.

    É assim que vejo o momento atual.

    É isso, um abraço, Vitor Bellizia

  7. Posição de SWAPS CAMBIAIS

    O Banco Central anunciou na última quinta-feira  que ofertará mais US$ 25 bilhões em swaps cambiais adicionais até o fim desta semana. Além disso,  temos  a rolagem integral dos US$ 8,8 bi com vencimento em julho. Como o estoque de swaps cambiais encontra-se hoje em US$ 42 bi , chegaremos com folga em algo como 20% das reservas até o fim do mês (US$ 76 bi) se o Banco Central continuar ofertando os 15 mil contratos que vinha ofertando.

    É isso, um abraço, Vitor Bellizia

  8. O fator “Dollar Terms” e a Intervenção: precisa desenhar?

    Existem dois países: país A e país B.
    Os dois têm a mesma posição de reservas internacionais . Cada um tem uma ação que tem o mesmo potencial de valorização.  O preço da ação é de $ 6,00.
    A taxa de câmbio nos dois países é a mesma. ($2 /dólar)
    Um evento externo fez com que a taxa de juros nos EUA disparasse , valorizando o dólar em 50%.
    A taxa de câmbio no país A subiu de $ 2/dólar para $3/00. A ação no país que custava US$ 3 passou a custar US$ 2. Foi considerada uma pechincha pelos investidores internacionais. Todos compraram a ação. Ocorreu grande ingresso de recursos, As reservas internacionais cresceram. 
    No país B, o Presidente do Banco Central vendeu as reservas e segurou o dólar em $ 2/dólar. A ação não perdeu valor. Ficou a $ 3, num primeiro momento.
    Mas os investidores aproveitaram a oportunidade e venderam as ações no país B para comprar as ações do país A. A ação do país B foi caindo de preço ficando até abaixo do país A.
    O país B perdeu as reservas e o Banco Central teve sua credibilidade arranhada ,afetando o risco geral do mercado.
     
    Este é meu entendimento da super intervenção do Banco Central no mercado de câmbio.
    Por isso, a BOVESPA cai.

    É isso, um abraço, Vitor Bellizia

    PS: vale pra qualquer ativo.

  9. Nada melhor que um governo estelionatário para vender dólar falso. E o que dá mais raiva é que podem brincar e ganhar muito dinheiro com isso graças ao enorme e confortável colchão de dólares, esse de verdade, que herdaram dos governos Lula e Dilma. Enquanto estivermos nas mãos desses criminosos irresponsáveis e inconsequentes só podemos esperar isso ou coisa pior. Esses piratas são tão arrogantes que tem a cara de pau de debitar na conta de Lula e Dilma a política de terra devastada que criaram justamente para dar e justificar o Golpe de Estado contra o governo legítimo de Dilma. Quem planta vento colhe tempestade, mas esses piratas encontram sempre um porto seguro para atracar seus navios enquanto a população fica exposta a ventos e tempestades. Impossível nessas horas não pensar nos corpos destroçados e pendurados em postes de Mussolini, sua amante e seus fiéis seguidores. Para defender a democracia talvez seja preciso algumas vezes ter a mesma ousadia daqueles que a querem destruir.

  10. O pior é que nesses contratos não existe entrega física de dólares. São derivativos em que as posições são montadas e desmontadas conforme a conveniência dos “players”. Pra cada contrato real de dólares existem pelo menos 6 operações derivativas que são encerradas sem exercício.
    O objetivo dessa escalada do dólar virtual é conseguir que o BC aumente os juros. Na situação atual da economia, seria uma bomba atômica sobra a atividade produtiva. Mas o mercado quer mais juro.

  11. Quem atira com a pólvora alheia não faz boa pontaria. As reservas amealhadas pelos governos do PT correm o risco de virar fumaça.

  12. Bolão da Copa: Quanto tempo os entreguistas levarão para torrar os quase bilhões de dólares deixados em caixa pelos governos do PT?

  13. O golpe que o irresponsável stf deu, e idiotamente e inconsequentemente continua a dar, é só desastre. Desastre pós desastres.
    E agora querem que seus paupérrimos 11 votos valham mais que o de 100 milhões de brasileiros.
    Ficaram loucos?????

  14. :
    : * * * * 04:13 * * * * .:. Ouvindo As Vozes do Bra??S??il e postando: Poesia contra a distopia (Distopia = Ideia ou descrição de um país ou de uma sociedade imaginários (!??!!!????) em que tudo está organizado de uma forma opressiva, assustadora ou totalitária, por oposição à utopia. “Distopia”, in Dicionário Priberam da Língua Portuguesa [em linha], 2008-2013, [consultado em 13-10-2016].) : Poema(s) acróstico(s) de autoria do PoeTa anarcoexistencialista Cláudio Carvalho Fernandes para o maior e melhor brasileiro de todos os tempos : Luiz Inácio LULA da Silva :

    L ouvemos quem bem merece o mais pleno louvor:
    U m homem simples, como as coisas boas da vida,
    Í ntimo camarada, nosso irmão e amigo de valor,
    Z elando sempre pelo bem da humanidade querida.

    I nimigo dos maus, amigo dos bons, trabalhador
    N ascido do povo que muito o ama e admira,
    Á rvore de bons frutos, os de melhor sabor,
    C onsciência plena de tudo que no mundo gira,
    I magem perfeita do homem de si senhor,
    O humano defensor de humana lira.

    L uz de nossa gente, lutador incansável,
    U m verdadeiro herói do povo brasileiro,
    L úcido e consciente do mais admirável
    A mor pelo ser humano e verdadeiro.

    D igno e sincero, fraterno e muito humano,
    A migo do povo, honesto e sempre lhano.

    S eja o meu/nosso canto para te louvar,
    I sso que a voz do povo já disse várias vezes:
    L ula, o BraSil vive mais feliz só por te amar,
    V itória da melhor sorte no número treze,
    A fazer do brasileiro a humanidade a se ampliar.
    ::
    Autor: Cláudio Carvalho Fernandes ( PoeTa anarcoexistencialista )
    .:.
    L uz do povo brasileiro,
    U m digno e fiel lutador,
    L astreando com real valor
    A honra do BraSil inteiro.
    .:.
    L ula livrou 36 milhões da pobreza,
    U m feito memorável, sem precedentes,
    L utando contra a mídia venal, teve a certeza
    A bsoluta de estar ao lado dos brasileiros conscientes.
    .:.
    L ivrando da miséria extrema 36 milhões de brasileiros,
    U m feito sem igual, que, por si só, já bastaria,
    L ula segue sendo no mundo um dos primeiros
    A fazer de seu povo a eterna rima rica de sua poesia.
    .:.

    ? ? ? ? ? ? ? ? ? ? ? ? ?
    * * * * * * * * * * * * *
    * * * *
    Por uma verdadeira e justa Ley de Medios Já pra antonti (anteontem. Eu muito avisei…) ! ! ! ! Lul(inh)a Paz e Amor (mas sem contemporizações indevidas, ou seja: SEM vaselina) 2018 neles/as (que já PERDERAM, tomaram DE QUATRO nas 4 mais recentes eleições presidenciais no BraSil) ! ! ! ! !
    * * * *
    * * * * * * * * * * * * *
    ? ? ? ? ? ? ? ? ? ? ? ? ?
    ????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????
    :: ????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????
    ::

  15. Isto não constitui intervenção no mercado, para conter a alta descontrolada. É apenas jogada combinada, para transferência de reservas há muito desejadas pela corja. É uma entrega, como a da Petrobras, como todo o resto.

  16. São “jogadinhas” onde todos se remuneram (e bem)… à custa do povo brasileiro…

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.