Derrota de May no ‘Brexit’ é a maior da história do parlamento britânico

O plano para reger a saída do Reino Unido da União Europeia elaborado pela Primeira Ministra Theresa May foi derrotado por 432 votos a 202.

230 votos de diferença são a maior derrota de um premier da história do Parlamento britânico, nos últimos 100 anos.

O líder do Partido Trabalhista, Jeremy Corbyn, apresentou uma moção de desconfiança contra May, que será votada amanhã.

O tamanho da derrota do governo torna provável que a moção prospere e novas eleições sejam convocadas, com favoritismo dos trabalhistas.

A derrota de May era esperada, mas não por tamanha diferença, com menos de 30% dos votos dos integrantes da Câmara dos Comuns.

Ela teve o voto contrário de 118 dos deputados de seu Partido Conservador, que tem 316 cadeiras no Parlamento.

Os britânicos já não são “nenhuma Brastemp” na economia mundial, mas a crise vem junto com o resfriamento da economia alemã e chinesa.

O tabuleiro político da Europa se reabre, agora com riscos à direita, que vinha sendo a dona de quase todos os últimos sucessos.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

12 respostas

  1. Boa notícia nesse mar de horrores neoliberalista. Espero q Corbyn consiga mesmo ser eleito, se conseguirem derrubar a madame.
    Melhoras para vc Brito. ????????????

    1. O próprio Brexit, Geert Wilders, LePen, Gianfranco Fini, Vlaams Blok, Pia Kjaersgaard… o discurso xenofóbico traz agregado diversas pautas ultradireitistas.

  2. A única razão porque May ainda está no governo é porque Corbyn tem 85% de chance de ser o próximo Primeiro Ministro. Não tem ninguém interessante no partido Conservador hoje capaz de levar a cadeira, e a não ser que o trapaceiem, Corbyn será o próximo Primeiro Ministro. Se Corbyn ganhar e cumprir com sua plataforma, será uma derrota enorme para a direita européia, e o contra-ataque necessário à austeridade e o neoliberalismo.

  3. Não consigo compartilhar da “alegria” diante do resultado prejudicial aos desejos da direita neofascista. Não que eu seja favorável a ela, claro. Mas o problema está na resposta ao revés. Os modelos fascistas tradicionais da Europa Ocidental começaram justamente quando houve uma real, ainda que pequena, possibilidade dos socialistas assumirem o poder em grandes Estados-Nação em resposta a crises do capitalismo, e a ascensão de Corbyn seria um sinal de perigo aos olhos desta gente. Afinal, fora ele (circunstancialmente), a esquerda europeia está extremamente enfraquecida e não seria páreo para um movimento de pânico orquestrado pela extrema-direita. Ou alguém acha que haveria temor por uma resistência encabeçada por alguém da “geringonça” lusitana ou do PSOE espanhol? Apenas a ascensão do trabalhismo britânico ou do socialismo francês poderia desencadear uma resposta desta monta, mas os franceses estão lambendo suas feridas enquanto a extrema-direita empareda o neoliberalismo. Mesmo a direita moderada de Merckel está enfraquecida, e tanta fraqueza junta atiça os chacais, que costumam cercar os adversários fortes, mas atacam quando estes se enfraquecem. Resta aos ingleses o papel de catalisador, mas talvez não exatamente do que gostaríamos… Torço para estar errado. Quem sobreviver, verá.

  4. Pode ser o reinício de uma retomada do pensamento mais social, mais democrata, mais aceitável aos graves problemas econômicos e sociais das imigrações da África e Ásia, consequência irresponsável das atividades bélicas de Estados Unidos e Inglaterra – vide Iraque e Afganistão e Síria. Há esperança novamente.

  5. “Os britânicos já não são “nenhuma Brastemp” na economia mundial…”
    Os que defendem a política do “privatiza tudo” deveriam prestar atenção nesta frase, consequência da política de Margaret Thatcher

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.